Pesquisar este blog

sábado, 30 de junho de 2007

Hoje é um SÁBADO de 2007! Você está preparado?

Hoje é sábado, dia de dormir até mais tarde, não é mesmo?
Nada disso!
Segundo uma famosa telepregadora (que há pouco tempo era "missionária", depois tornou-se "pastora", e agora já é "apóstola"), um grandioso acontecimento poderá acontecer ainda hoje!
Não me diga que você ainda não sabe!
A tal profetisa afirmou "profeticamente" que...
Está curioso, mesmo?
Ela disse que...
Tchan, tchan, tchan, tchan...
Ela disse, nada mais, nada menos, que...
"CRISTO VOLTARÁ EM UM SÁBADO DE 2007, NOS PRIMEIROS SETE MESES DO ANO".
Isso significa que você pode se afastar da presença do Senhor durante a semana toda e retornar na sexta-feira! Comece agora mesmo a fazer uma consagração especial, pois a profecia diz respeito a “um sábado” de 2007! E hoje é sábado! O que você está esperando? Está devendo para alguém? Está de mal de alguém? Corra, pois hoje é sábado!
Bem, falando sério, não é a primeira vez que alguém tenta estabelecer a data ou o momento da Segunda Vinda de Cristo. É claro que todos os cristãos sinceros esperam ansiosamente a Jesus Cristo, pois Ele mesmo garantiu que “... aparecerá se­gunda vez (...) aos que o aguardam para a salvação” (Hb 9.28). Mas não cabe a nós fazer previsões quanto ao retorno do Senhor.

Miller, Russel e Rutherford

Em 1831, Willian Miller afirmou que Jesus voltaria em dezembro de 1843. Apesar de Ellen G. White ter afirmado depois que ele “... foi um homem especialmente escolhido por Deus para iniciar a proclamação da vinda de Cristo” (O Grande Conflito, p. 316), o prognóstico de Miller falhou. Mas ele refez os cálculos por várias vezes, prevendo que Jesus voltaria em 1844, 1847, 1850, 1852, 1854, 1855, 1863 e 1877. Todas as suas predições fracassaram.
No começo do século XX, o fundador da seita Testemunhas de Jeová, Charles T. Russel, garantiu que a volta de Jesus se daria em 1914. Mais tarde, resolveu adiá-la para 1918. Após a sua morte, em 1916, seu sucessor, Joseph Rutherford, fez novos cálculos e adiou o advento para 1925. Hoje, os líderes da seita proclamam que Cristo já voltou “em espírito”, em 1914, como Russel havia predito em princípio...

Mensageiros do Apocalipse

Depois de Miller, Russel e Rutherford, foi a vez de Willian Branham, heresiarca do Tabernáculo da Fé, profetizar acerca da Segunda Vinda de Jesus. Branham pregava que seu ministério perduraria até 1977, ano do aparecimento do Senhor. No entanto, para a frustração de seus seguidores, o “Mensageiro do Apocalipse”, como era chamado, morreu em 1965!
Em 1988, Edgar Whisenant, um engenheiro norte-americano, lançou um livro cuja tônica era o tempo do arrebatamento: Tempo Emprestado: 88 Razões Por Que o Arrebatamento se Dará em 1988. Apesar do título sensacionalista, Whisenant não se cansava de afirmar que se baseara em “cálculos matemáticos precisos”.

A despeito do livro quebrar todos os recordes de venda, levando as pessoas a crerem na predição, o óbvio aconteceu: Jesus não veio. Tranqüilo, Whisenant pediu desculpas aos leitores, afirmando que cometera um pequeno erro: fizera seus cálculos até 1988 sem levar em conta o ano zero, considerando apenas 99 anos do primeiro século. Com essa argumentação, predisse que Jesus viria, na verdade, só em 1989...
Descobriu-se posteriormente que Whisenant, que se dizia o “senhor dos cálculos”, era péssimo em Matemática. Ao ser perguntado sobre o número de livros que vendera, respondeu: “Entre 4,5 e 6,5 milhões”... Ora, uma pessoa acostumada a trabalhar com números “precisos” jamais consideraria insignificante uma diferença de dois milhões!
No início da década de 1990, na Coréia do Sul, entrou em cena Bang-Ik Ha, um jovem “profeta” da Missão Taberah que tinha razões “muito convincentes” para afirmar que Jesus viria em 8 de outubro de 1992. Ha não chegara a essa conclusão apenas por meio de cálculos matemáticos: ele mesmo fora ao céu vá­rias vezes, recebendo de Deus mensa­gens específicas sobre o futuro do planeta Terra.
Por meio de panfletos e do livro O Último Plano de Deus, a Missão Taberah divulgou em todo o mundo a notícia. Quando chegou a tão esperada data, porém, a história se repetiu... Sem ter desculpas para dar aos revoltados seguidores, a Missão encerrou suas atividades.

Cálculos mirabolantes

Em 1994, Harold Camping, do ministério norte-americano Family Radio, publicou o livro 1994?, pelo qual qual afirmava que Jesus voltaria em 6 de setembro do referido ano. Camping, um engenheiro, afirmava, com base em cálculos mirabolantes, que Deus tinha uma linha do tempo, desde Gênesis até Apocalipse, sendo possível determinar “exatamente” o dia da vinda de Cristo...
No mesmo período, alguns teólogos, utilizando o sistema cronológico de James Ussher, que posiciona a Criação em 4004 a.C., afirmaram que o advento seria no início do sétimo milênio, contando a partir da Criação. Associando o descanso de Deus (Gn 2.3) ao Milênio, utilizaram a ope­ração aritmética 6000-4004, concluindo que Jesus viria em 1996. Mas, com as novas des­cobertas arqueológicas, já existe um sistema cronológico mais atualizado, que posiciona a Criação em 4173 a.C. Assim, a operação seria: 6000-4173=1827. Nesse caso, Jesus teria vindo em 1827?
Mas as experiências negativas acima não são suficientes para convencer os “senhores dos cálculos” de que é impossível prever o tempo da vinda de Cristo. Atualmente, se tem empregado o texto de Oséias 6.2 para afirmar que, como cada dia profético equi­vale a mil anos, Cristo voltará no terceiro dia (Milênio), isto é, no ínicio do século XXI.

Afinal, quando Jesus voltará?

De acordo com a Bíblia, “... a res­peito daquele dia e hora nin­guém sabe...” (Mt 24.36). Em suas cartas aos Tessalonicenses, cujo assunto chave é o arrebatamento, Paulo disse: “... acerca dos tempos e das épocas, não ne­cessitais de que se vos escreva...” (1 Ts 5.1). O apóstolo conhecia a expressa proibição de Cristo: “Não vos pertence saber os tempos (...) que o Pai estabeleceu...” (At 1.7).
Portanto, nestes últimos dias, o importante é saber que a qualquer momento “... a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados” (1 Co 15.52). O alerta de Jesus está ecoando cada vez mais forte: “Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir” (Mt 25.13).

Ciro Sanches Zibordi

sexta-feira, 29 de junho de 2007

Tom Cruise impedido de filmar por ser adepto da cientologia

Tom Cruise foi impedido de filmar na sede do ministério da Defesa, o Bendlerblock, em Berlim, pelo facto de as autoridades alemães considerarem a cientologia, de que o actor norte-americano é adepto, uma seita perigosa.

«A Bundeswehr - disse um porta-voz do ministério - atribui um interesse particular à descrição séria e autêntica» da resistência aos nazis e recusa que ela seja confiada a um homem que «professa publicamente a sua pertença ao culto da cientologia».

No filme em rodagem, «Valkyrie», que relata o atentado falhado de 20 de Julho de 1944 contra Hitler, Cruise encarna a personagem-chave dessa conspiração, Claus Schenk Graf Stauffenberg, que trabalhou no edifício, então sede do Estado-maior alemão, e foi executado por fuzilamento num dos seus pátios.

Confrontando a posição das autoridades alemãs, Paula Wagner, da United Artist Entertainment, afirmou que «as opiniões pessoais» do actor não têm «qualquer influência sobre a trama, o assunto ou conteúdo do filme».

Em termos gerais, a classe política alemã apoia a decisão do ministério.

Para o deputado social-democrata Klaus Benneter, a atribuição do papel de Stauffenberg a Cruise é «uma bofetada na cara a todos os democratas, todos os combatentes da resistência durante o Terceiro Reich e a todas as vítimas da seita da cientologia».

O deputado liberal (FDP) Hans-Joachim Otto entende, por seu lado, que autorizar a rodagem do filme equivaleria a reconhecer politicamente a cientologia, que desde há anos é observada de perto pelos serviços secretos alemães.

Berthold Schenk Graf von Stauffenberg, o filho septuagenário do herói da resistência, concorda com a análise de Otto e adianta que Hollywood só poderia fazer do acto emblemático que o seu pai protagonizou um «kitsch horrível».

Diário Digital / Lusa

Hindus entram com apelo para salvar boi sagrado na Grã-Bretanha

Um grupo de hindus entrou com um apelo na Justiça do País de Gales para tentar impedir que um boi sagrado, contaminado por tuberculose bovina, seja sacrificado. O bovino de 6 anos, chamado Shambo, testou positivo em um exame de tuberculose há dois meses e, de acordo com as leis sanitárias locais, deve ser sacrificado para “proteger a saúde humana e animal”.

Shambo pertence a um templo hindu do oeste da Grã-Bretanha e está isolado para tratamento. Os hinduístas, que consideram o animal sagrado, entraram com uma ação contra a decisão da Secretaria para Assuntos Rurais.

Fonte: BBC Brasil

sábado, 23 de junho de 2007

Liminar garante transfusão de sangue a Testemunha de Jeová

Justiça garante tratamento médico com direito à transfusão de sangue em paciente que recusa procedimento por ser Testemunha de Jeová. Determinação judicial agora dará respaldo aos médicos do Hospital Escola de Uberaba, autorizando até uso de força policial para fazer cumprir o determinado.
O paciente é de Guarulhos, mas está internado em Uberaba. Trata-se do estudante Alan Liro Cardoso dos Santos, de 19 anos de idade, portador de grave doença. Ele está internado desde o dia 15 para tratamento de uma neoplasia do sistema linfático, já em estado razoavelmente avançado e com perda de movimentação dos membros inferiores.
Ele teria de passar por tratamento poliquimioterápico, com necessidade de início em regime de urgência, sob pena de agravamento do quadro clínico do paciente. Entretanto, o estudante e seus familiares professam a religião Testemunhas de Jeová, não autorizando a transfusão de sangue ou de plaquetas.
Diante de tamanha dificuldade, a médica que cuida do paciente acionou a Promotoria de Defesa da Saúde. A profissional – hematologista e hemoterapeuta do Hospital Escola – relatou o ocorrido e pediu a intervenção do Ministério Público Estadual na pessoa do promotor João Vicente Davina.
A mãe do rapaz – Patrícia Cardoso Santos –, ao ser procurada por um oficial da promotoria, deixou claro que não concorda com a transfusão de sangue, “mesmo que isto custe a vida de seu filho”. No contato, dona Patrícia também recusou convite para ir ao gabinete do promotor Davina, enfatizando que se fosse, iria apenas repetir tudo que já havia dito. Não bastasse, a mãe do paciente disse que a promotoria deveria procurar um representante da seita religiosa de sua família ou que entrasse em contato com o advogado da seita.
Além da família do estudante, também representantes da seita religiosa estariam acompanhando o caso, inclusive ameaçando retirar o paciente do hospital, mesmo diante da gravidade do caso e sem alta médica.
Para garantir o tratamento, o MPE entrou na Justiça com uma ação civil pública e conseguiu liminar favorável.
Na ação, o promotor Davina informa que Alan Santos está internado pelo SUS, portanto, sob os cuidados da saúde pública, o que significa que o paciente não pode ser retirado do hospital sem outro encaminhamento médico e sem receber alta, correndo risco de morte por falta de cuidados necessários.
Tanto o paciente como sua família professam a religião Testemunhas de Jeová, que não autoriza transfusão de sangue, nem de qualquer célula sangüínea, plaquetas ou leucócitos. Eles assumem esta posição por convicção religiosa, o que estaria impedindo o início do tratamento do estudante Alan. Aliás, o próprio paciente chegou a assinar documento que a Promotoria de Justiça acredita ser texto padronizado pelos dirigentes ou seguidores da religião, proibindo expressamente a transfusão de sangue ou de derivados sangüíneos.
Diz o documento: “Sou Testemunha de Jeová e não aceito nenhuma transfusão de sangue total, glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, plaquetas ou plasma – em nenhuma circunstância –, mesmo que os profissionais de saúde opinem que isto seja necessário para a manutenção de minha vida.
Recuso-me a fazer doações antecipadas e armazenar meu sangue para posterior infusão.”
Liminar. A autorização judicial que permitiu aos médicos o início do tratamento foi expedida na quarta-feira e ontem chegou ao Hospital Escola. A ordem é do juiz Lènin Ignachitti, que entendeu o perigo de dano irreparável ao paciente.
Foi determinado que o estudante só poderá ser retirado do hospital após receber alta médica hospitalar ou para ser encaminhado a outra unidade de tratamento, com comunicação prévia ao juiz.
Fonte: JM Online

terça-feira, 19 de junho de 2007

Tom Cruise é o mais novo "padre" da Cientologia

O ator tem um nível tão alto na hierarquia da Igreja da Cientologia e tem direito de realizar as ceremônias de casamento. Segundo o "Women's Wear Daily", o ator deve oficializar o casamento de James Packer, um bilionário australiano que é um dos maiores contribuintes da religião polêmica.

Packer, que herdou US$ 6,5 bilhões depois da morte de seu pai, Kerry, no ano passado, vai subir ao altar na quarta-feira com a modelo e cantora Erica Baxter.

A cerimônia vai ser em algum lugar da Riviera Francesa. O bilionário teria reservado todos os quartos dos chiques Grand Hotel du Cap-Ferrat e Hotel du Cap-Eden Roc para seus convidados ilustres.


Fonte: © 1999-2006. «PRAVDA.Ru».

Maçonaria: Duas Organizações, Uma Visível, Outra Invisível

Esperamos que todo maçom leia este artigo antes dos demais nesta categoria. Existe uma organização maçônica que a maioria de vocês não conhece, mesmo aqueles já tenham atingido o Grau 33.

Freqüentemente, recebemos mensagens de correio eletrônico de maçons que se sentem angustiados com os nossos artigos que retratam a Maçonaria como satânica. Eles afirmam honestamente que essa NÃO é a situação na loja em que participam; dizem que são maçons de Grau 32 e 33, que certamente sabem o que é e o que não é a Maçonaria, e afirmam categoricamente que ela não é satânica.

Nós dois estamos certos. Vocês estão certos quando afirmam que a Maçonaria certamente não é satânica da forma como é praticada na sua loja. E nós estamos certos quando dizemos que a Maçonaria é profundamente satânica e que está preparando o caminho para o Anticristo.

Mas como nós dois podemos estar certos ao mesmo tempo? Basicamente, a Maçonaria é uma organização dentro de uma organização. Uma organização é deliberadamente enganada com mentiras e levada a crer em falsas interpretações, enquanto a organização mais interna conhece a verdade espiritual a respeito da Maçonaria, e abraça-a de todo o coração, alma e mente.
Descrição da Organização da Maçonaria

Ouçamos o autor maçom Manly P. Hall descrever essa organização bidimensional que é a Maçonaria. A Maçonaria é formada de duas organizações distintamente diferentes, uma visível, e a outra invisível. Hall descreve essa organização de dois níveis: [Hall foi honrado pelo The Scottish Rite Journal, que o chamou de "O Ilustre Manly P. Hall', em setembro de 1990, e também de 'O Maior Filósofo da Maçonaria', dizendo, "O mundo é um lugar muito melhor por causa de Manly P. Hall, e somos melhores pessoas for termos conhecido a ele e a sua obra"]. Isto foi o que Manly P. Hall escreveu:

"A Maçonaria é uma fraternidade dentro de uma fraternidade - uma organização exterior que esconde uma irmandade interior dos eleitos.... é necessário estabelecer a existência dessas duas ordens separadas, porém independentes, a visível e a outra invisível. A sociedade visível é uma esplêndida camaradagem de homens 'livres e aceitos' que se reúnem para dedicarem seu tempo às atividades éticas, educacionais, fraternais, patrióticas e humanitárias. A sociedade invisível é uma fraternidade secreta e augustíssima [de majestosa dignidade e grandiosidade], cujos membros dedicam-se ao serviço dos arcanos [segredos, mistérios]." [ Lectures on Ancient Philosophy, Manly P. Hall, pg 433]

Muitos homens bem intencionados são membros dessa sociedade visível sem saberem absolutamente nada da sociedade invisível. Na verdade, Albert Pike, um dos mais importantes autores maçons, teve algumas coisas a dizer sobre os irmãos da sociedade visível: "A Maçonaria, como todas as religiões, todos os mistérios, o Hermetismo, e a Alquimia, esconde seus segredos de todos, exceto dos adeptos e sábios, ou eleitos, e usa falsas explicações e falsas interpretações sobre seus símbolos para enganar aqueles que merecem somente ser enganados; para esconder a verdade, que chama de Luz, e afastá-los dela." [ Morals and Dogma (leia a resenha), pg 104-5, Terceiro Grau].

Pike diz que a Maçonaria é uma religião, da ordem dos mistérios satânicos, da mesma categoria que a Filosofia Hermética e a Alquimia! A Maçonaria esconde seus segredos dos irmãos que estão na sociedade visível exterior, independente do grau deles; somente os eleitos na sociedade invisível interna é que conhecem a verdade. Os pobres irmãos na sociedade visível recebem uma dieta de "falsas explicações e falsas interpretações" de seus símbolos - Por que razão? Esses pobres homens na sociedade visível "merecem somente ser enganados".

Se, no início de sua participação na Maçonaria, um homem demonstra venerar Jesus Cristo, ele será imediatamente colocado na sociedade visível e nunca aprenderá a verdade. Nunca será considerado um adepto, ou um sábio, ou um dos eleitos, pois esses termos são reservados somente para os membros da sociedade invisível. Ele será um daqueles que aprendem mentiras sobre as doutrinas da Maçonaria e que deliberadamente, recebem falsas explicações sobre seus símbolos, para que simplesmente PENSEM que conhecem a verdade.

Em seguida, Pike completa suas instruções sobre o engano intencional dos membros da sociedade visível, dizendo, "Portanto, a Maçonaria zelosamente esconde seus segredos e leva os intérpretes presunçosos ao erro." [Ibidem, pg 105]

Os membros da sociedade visível são chamados de 'massas' e constituem 95% de toda a Maçonaria. Ouça o que Albert Pike diz sobre a verdade da organização para as 'massas': "Um Espírito que ama a sabedoria e contempla a Verdade que está por perto, é forçado a disfarçar-se, para induzir as multidões a aceitá-la... O povo precisa de ficções, e a Verdade torna-se mortal para aqueles que não são fortes o suficiente para contemplá-la em todo seu fulgor." [Morals and Dogma, pg 103 Terceiro Grau, ênfase adicionada]

Se uma pessoa não é capaz de aceitar a verdade que o núcleo interno e invisível da Maçonaria realmente adora e serve a Satanás, então essa verdade tornar-se-ia "mortal" para ela. Portanto, "as ficções são necessárias" para que os maçons visíveis não fiquem tão desnorteados que deixem a Maçonaria e exponham seus segredos internos.

Há um pequeno parágrafo que define correta e concisamente o coração e a alma da fraternidade invisível da Maçonaria. Vejamos mais uma citação de Manly P. Hall:

"Quando o maçom aprende que o segredo para o guerreiro é a correta aplicação do dínamo do poder da vida, ele aprendeu o mistério de sua Arte. As energias ardentes de Lúcifer estão em suas mãos e antes que ele possa avançar para frente e para cima, precisa provar sua capacidade de aplicar corretamente a energia." [ The Lost Key to Freemasonry, Manly P. Hall, publicado pela Macoy Publishing and Masonic Supply Company, Richmond, Virgínia, 1976, ênfase adicionada]

O Scottish Rite Journal, elogiou Manly P. Hall em 1990, como "O Maior Filósofo da Maçonaria". Um maçom de Grau 32 escreveu-me dizendo que ele nunca tinha ouvido falar de Manly P. Hall; porém você pode ver que o livro dele foi publicado pela editora Macoy Publishing. A única razão porque esse maçom de grau elevado nunca tinha ouvido falar de Manly P. Hall é que Hall é um líder da Fraternidade Invisível, enquanto esse maçom que me escreveu participava da Fraternidade Visível!

Esta é a Maçonaria invisível, sobre a qual você foi mantido na ignorância durante todo este tempo! Para verificar melhor esse fato, encorajo-o a ir ao site da editora e distribuidora de livros da Maçonaria invisível, Kessinger´s Freemasonry and Occult Publishing; essa editora publica todos os livros maçônicos antigos da sociedade invisível e que eram muito secretos no passado. O endereço na Internet é http://www.kessingerpub.com/. Verifique os assuntos listados na parte inferior da página inicial, observando os temas extremamente satânicos e anticristãos que formam a Fraternidade Invisível! Listamos alguns desses assuntos a seguir, conforme o site da editora Kessinger os relaciona, mas introduzindo nossos comentários:

Adivinhação [proibida na Bíblia]; Adoração da Natureza [a adoração ao sol é a adoração mais básica na Maçonaria invisível]; Adoração à Serpente [a Maçonaria não apenas é uma religião, como também adora a Serpente, na verdade, o próprio Satanás]; Alquimia; Astrologia [proibida na Bíblia]; Auto-Sugestão; Religiões Antigas; Babilônia; Blavatsky, Helena P. [uma das mais satânicas praticantes de magia negra de todos os tempos, autora de livros da Sociedade Teosófica; seus ensinos foram estudados por Adolf Hitler e forneceram a base para o holocausto judaico]; Budismo; Cabala [reinterpretação satânica do Antigo Testamento]; Caldeus [os mistérios babilônios e caldeus foram aniquilados por Deus por causa do severo satanismo; os mistérios de babilônia também são condenados no livro do Apocalipse]; Carma [doutrina satânica baseada na Reencarnação]; Clarividência [totalmente satânica e proibida na Bíblia]; Consciência do Amor e do Sexo [completamente satânica]; Consciência Cósmica [satânica]; Cores e Sons [criticamente importante no satanismo]; Corpo Astral [prática satânica]; Cristianismo Esotérico [redefinição das doutrinas cristãs]; Druidismo e Celtas [elevaram os sacrifícios humanos aos mais altos níveis]; Doutrinas Orientais; Evolução [e você achava que a Maçonaria era compatível com o verdadeiro Cristanismo]; Falicismo [adoração do membro sexual masculino ereto!]; Física Transcendental; Geomancia e Gematria [satânica]; Gnosticismo [o apóstolo Paulo combateu essa doutrina em suas epístolas]; Hermetismo; Hipnotismo; Interpretação pela Bola de Cristal [proibida na Bíblia]; Islã; Leitura da Sorte [proibida na Bíblia]; Leitura de Cartas; Misticismo Cristão [este é o "cristianismo" da Maçonaria, onde todas as doutrinas são reinterpretadas]; Magia [proibida na Bíblia]; Quiromancia [adivinhação satânica por meio da leitura das mãos]; Reencarnação; Sociedade Rosa-Cruz [totalmente satânica]; Santo Graal [alegoria satânica para preparar o Anticristo]; Tarô [adivinhação proibida na Bíblia]; Telepatia [comunicação satânica sem o uso de linguagem audível]; Zoroastrismo [seita satânica destruída por Deus no Antigo Testamento].

Aqui estão o coração e a alma da fraternidade interna e invisível. A parte absolutamente mais negra desse coração é o falicismo, a adoração do órgão sexual masculino ereto. O obelisco é o principal símbolo dessa adoração, e é a razão por que vemos obeliscos por toda a parte associados com a Maçonaria! Já é hora de deixar de ser enganado, você não acha?
Veja o que Albert Pike disse a respeito dos obeliscos: "Daí a importância do falo, ou de seu substituto inofensivo, o obelisco, erguido como um emblema da ressurreição pelo túmulo da Deidade enterrada...." [ Moral and Dogma, pg 393] Agora, você sabe qual é a explicação para os obeliscos nos túmulos dos maçons, pois é "um emblema da ressurreição da Deidade enterrada"; o maçom que faz parte da sociedade invisível acredita que está se transformando em um deus ao longo de sua vida, de modo que o obelisco em seu túmulo é simplesmente a manifestação visível dessa crença.

Os obeliscos foram criados originalmente pelos Mistérios Egípcios, e são mencionados na Bíblia. Veja:

"...o rei Jeú disse aos guardas e aos capitães: Entrai, feri-os, que nenhum escape. Feriram-nos ao fio da espada; e os da guarda e os capitães os lançaram fora e penetraram no mais interior da casa de Baal, e tiraram as colunas que estavam na casa de Baal, e as queimaram. Também quebraram a própria coluna de Baal, e derrubaram a casa de Baal, e a transformaram em latrinas até o dia de hoje. Assim exterminou Jeú de Israel a Baal." [2 Reis 10:25-28]

O Deus Todo-Poderoso ordenou que os obeliscos satânicos fossem queimados, mas somente após o rei Jeú executar os adoradores do obelisco, também conhecidos como adoradores de Baal. Assim, a Maçonaria invisível dedica-se à adoração aos obeliscos, que foi punida por Deus com a pena de morte. Tenha isso em mente na próxima vez que você contemplar o obelisco no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, ou qualquer outro, como na cidade de Washington, ou na Praça de São Pedro, em Roma!

Finalmente, a adoração à serpente leva diretamente ao Inferno, pois Satanás é quem está por trás dessa forma de adoração. Essa é a fraternidade invisível da Maçonaria e aposto que você nunca soube que ela existia.

Agora que você sabe tudo isso, encorajo-o a ler os artigos da The Cutting Edge nesta categoria no site A Espada do Espírito, entendendo que eles tratam da organização interna invisível . Lembre-se disto: não queremos ficar batendo boca com ninguém, este site não tem salas de bate-papo, nem estou tentando ganhá-lo para o nosso lado. Sua alma preciosa é que está em jogo aqui; você está participando na mais maligna e enganosa organização que existe no mundo. Sua participação na fraternidade visível dá aos demônios o direito legal de afligi-lo, e causar grandes sofrimentos e tristezas, mesmo que você seja totalmente ignorante a respeito da fraternidade interna.

Sua alma eterna está em jogo; separe um tempo para ler nossos artigos com a maior atenção e tendo seus 'olhos espirituais' abertos.
David Bay, diretor da Cutting Edge Ministries
Texto revisado por: A. F.
Patrocinado por: Clemar Gonçalves - Brasília DF
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/free001a.asp

Maçonaria

Introdução

A maçonaria, como a conhecemos hoje, segundo o Dicionário da Maçonaria, de Joaquim Gervásio de Figueiredo, no verbete Franco-maçonaria, "foi fundada em 24 de junho de 1717, em Londres". O termo maçom, segundo o mesmo Dicionário, provém do inglês mason e do francês maçon, que quer dizer 'pedreiro', e do alemão metz, 'cortador de pedra'. A origem da maçonaria está ligada às lendas de Ísis e Osíris, Egito; ao culto a Mitra, vindo até a Ordem dos Templários e a Fraternidade Rosa Cruz. Em 1723, O Rev. Anglicano James Anderson publicou as Constituições da Maçonaria, sendo até hoje documentos universalmente aceitos como base de todas as lojas maçônicas.

Influência da maçonaria:

Marechal Deodoro da Fonseca ocupava o cargo de Grão-Mestre no Brasil quando proclamou a República. Os maçons se fizeram presentes em eventos conhecidos e ganharam adeptos importantes. Desempenharam um papel importante na Revolução francesa (Queda da Bastilha). Operam nos Estados Unidos 15.300 lojas (loja é o nome dado ao local reservado aos rituais maçônicos) e mais de 33.700 em todo o mundo. A influência deles nos EUA sempre foi muito grande. Catorze presidentes americanos foram maçons, destacando-se George Washington, James Monroe, Andrew Jackson, James Garfield, Howard Taft, Franklin Delano Roosevelt, Harry Truman e Gerald Ford, entre outros.

Mesmo com a oposição da Igreja, os maçons têm adeptos de todas as religiões, pois aceitam pessoas de diversos credos. No Brasil marcaram presença na Inconfidência Mineira. Foi na casa de Silva Alvarenga que se formou uma academia literária, que, na verdade, era uma loja maçônica. Neste mesmo lugar foi iniciado na maçonaria o conhecido Tiradentes. A bandeira da Inconfidência tinha o dístico libertas quae sera tamem e o triângulo maçônico. Gonçalves Ledo e José Bonifácio com outros maçons tramaram a Independência do Brasil. Um mês depois de proclamar a independência, D. Pedro I foi aclamado Grão-Mestre Geral da Maçonaria no Brasil e o Marechal Deodoro ocupava este cargo ao proclamar a República em 1889.

Hoje são cerca de 6 milhões de maçons em todo o mundo, em mais de 164 países, sendo cerca de 150 mil no Brasil.



A maçonaria é uma religião?

A princípio negam que a maçonaria seja uma religião. Mas na Enciclopédia Revisada da Franco-Maçonaria, de Albert G. Mackey diz: "A Maçonaria pode ser corretamente chamada de instituição religiosa... A tendência de toda verdadeira Maçonaria é com a religião... Veja os antigos Landmarks (doutrinas), suas sublimes cerimônias, seus profundos símbolos ou alegorias, tudo focalizando verdadeiros ensinos religiosos e quem pode negar que a Maçonaria é uma instituição eminentemente religiosa?"
Quando são feitas as reuniões maçônicas, a loja, que é onde se reúnem, passa a ser chamada oficina. Isso para manter o simbolismo do ideal maçom, que é a construção de uma sociedade onde haja fraternidade, igualdade e liberdade. Como maçons (pedreiros, lavradores de pedras) acreditam que serão os arquitetos e construtores desse grande projeto. Nas oficinas as reuniões são marcadas por: orações na abertura e no encerramento; as lojas ou templos são consagrados; segundo o Dicionário citado acima, "na Maçonaria, o tratamento entre os seus adeptos é o de irmão".



Rituais de consagração:

O esquadro e o compasso são símbolos visíveis em todas as lojas do mundo. Segundo o Pastor Antonio Jean declara em um manuscrito ainda não publicado ( pp.19), o Ritual de Iniciação é feito em grande parte com os olhos vendados.
Sua iniciação começou com a entrada em um quarto úmido, uma espécie de porão. O ritual foi conduzido pelo Irmão Mestre de cerimônias, auxiliado pelo Irmão Experto (esses são funções dentro da maçonaria). Ao tirar as vendas de seus olhos pôde ler na Câmara de Reflexão: "Se a curiosidade te traz aqui, volta; se temeres ser descoberto sobre teus desejos, sentir-te-ás mal entre nós; se fores capaz de dissimular, tremei!, porque penetrar-te-emos e leremos o fundo de teu coração. Se tens apego às distinções humanas, sai, porque não se conhece isso aqui. Se tua alma sentir medo, não vá mais longe; se perseverares serás purificado pelos elementos, sairás do abismo das trevas e verás luz". Ao contrário, a Bíblia afirma que Jesus já nos tirou das trevas (Cl 1.13).
Nesta Câmara de Reflexão pode-se encontrar esqueletos, cabeça de bodes, entre outras peças que visam amedrontar o iniciado, segundo o relato.
Esta parte da cerimônia é a primeira prova. A segunda é a do ar, onde há uma sonoplastia de tempestade. A terceira da água, em que lavam as mãos do iniciado e a quarta e última, a do fogo, onde colocam uma vela acesa embaixo da mão.
Numa das etapas da iniciação mostram um corpo dentro de um caixão e vários maçons encapuzados com espadas apontadas para o corpo. O iniciado ouve que o corpo é de um maçom que havia traído a maçonaria e que o mesmo aconteceria caso o iniciado fizesse o mesmo.
Na conclusão da iniciação para "Aprendiz Maçom" o iniciado ouve: "Agora também devo prevenir-vos de que não zombamos das crenças religiosas. Julgamos sim que a nossa maior homenagem ao Grande Arquiteto do Universo, que é Deus, como instituição eclética que somos, é admitir na nossa ordem, para conviver fraternalmente, todos os homens livres e de bons costumes, qualquer que seja a sua religião".
No Ritual de Exaltação ao grau de Mestre, o terceiro e último grau na maçonaria simbólica, o Companheiro Maçom (segundo grau na maçonaria simbólica) entra num caixão com os pés voltados para o oriente onde fica o trono do chefe da loja, os calcanhares em forma de esquadro e a mão direita sobre o coração. A mão esquerda fica estendida ao longo do corpo, que deve ser coberto com um pano preto, dos pés à cintura, junto com o avental usado no grau anterior. O juramento

para o grau de Mestre é o seguinte: Eu (fala-se o nome), juro de minha livre vontade e em presença do grande Arquiteto do Universo e desta Augusta e respeitável loja consagrada a São João, nunca revelar os segredos do grau de Mestre. Se eu for perjuro, seja meu corpo dividido ao meio, sendo uma parte lançada ao meio-dia e a outra ao setentrião, e as minhas entranhas arrancadas e reduzidas ao vento. Amém .



Ritos Maçônicos:

1 - Rito Adonhiramita; 2 - Rito de Iorque; 3 - Rito Brasileiro; 4 - Rito Escocês (mais aceito atualmente); 5 - Rito Francês e 6 - Rito de Schroeder, de origem alemã.


Graus do Rito Escocês:

Loja Azul ou Graus simbólicos: 1- Aprendiz, 2- Companheiro, 3- Mestre.
Graus Capitulares: 4- Mestre Secreto, 5- Mestre Perfeito, 6- Secretário Íntimo, 7- Chefe e Juiz, 8- Superintendente do Edifício, 9- Mestre Eleito dos Nove, 10- Ilustre Eleito dos Quinze, 11- Sublime Mestre Eleito, 12- Grande Mestre Arquiteto, 13- Mestre do Arco Real de Salomão, 14- Grande Eleito Maçom, 15- Cavaleiro do Grande Oriente ou da Espada, 14- Príncipe de Jerusalém, 15- Cavaleiro do Leste e Oeste, 16- Cavaleiro da Ordem Rosa Cruz.

Graus Filosóficos: 19- Grande Pontífice, 20- Grande Ad-Vitam, 21- Patriarca Noachita ou Prussiano, 22- Cavaleiro do Machado Real (Príncipe do Líbano), 23- Chefe do Tabernáculo, 24- Príncipe do Tabernáculo, 25- Cavaleiro da Serpente de Bronze, 26- Príncipe da Misericórdia, 27- Comandante do Templo, 28-Cavaleiro do Sol ou Príncipe Adepto, 29 - Cavaleiro de Santo André, 30- Cavaleiro Cadosh.

Graus Superiores: 31- Inspetor Inquisidor, 32- Mestre do Segredo Real e 33- Grande Soberano Inspetor Real.


A Bíblia na Maçonaria

A maçonaria se vangloria de honrar a Bíblia como a Palavra de Deus.

Ensina que a Bíblia é a grande luz da maçonaria, recomendando aos maçons que a estudem regularmente. A maçonaria ensina que as três grandes luzes são: a luz da Bíblia, a luz do Esquadro e a luz do Compasso. A maçonaria realmente crê na Bíblia, mas somente como um símbolo da vontade de Deus e não como fonte de ensinamento divino.

Disse Coil: A opinião maçônica prevalecente é que a Bíblia constitui apenas um símbolo da vontade, lei ou revelação divina, e não que seu conteúdo é lei divina, inspirada ou revelada.

Vemos no "Dicionário da Maçonaria", p. 122, que a decoração da loja maçônica é constituída de Volume da Ciência Sagrada, o Esquadro e o Compasso. Entretanto, não só a Bíblia é reconhecidamente o Volume da Ciência Sagrada, mas os livros de outras religiões também são aceitos como tais. Entre eles estão o Alcorão, o Tripitaka, os Vedas, o Livro de Mórmon etc.

Torna isso evidente que a Bíblia não é usada na maçonaria como regra de fé a prática. A Bíblia, assim como a bandeira, é um símbolo. A bandeira é apenas um pedaço de pano, porém representa coisas importantes para um povo, como a sua liberdade. Para os maçons, a Bíblia é apenas um livro sem valor no seu texto, porém que representa a Palavra de Deus, e isso mesmo só nos lugares onde predomina o Cristianismo. Se considerarmos, por exemplo, a loja de Utah, EUA, a Palavra de Deus está representada pelo Livro de Mórmon; se considerarmos a Índia, o símbolo são os Vedas; nos países da Arábia o Alcorão, e assim por diante.

Disto se pode ver que o propósito da maçonaria é usar o temor e o reconhecimento de várias escrituras para obter o juramento de fidelidade à maçonaria sob a autoridade do livro que o maçom considera sagrado e com o qual se compromete a obedecer ao que mandar a maçonaria.

Em suma, para a maçonaria, a Bíblia é apenas um símbolo, uma peça decorativa e que não deve ser seguida, pois não é a literal vontade de Deus, por isso não deve ser obedecida.

Considera ainda que alguns dos relatos bíblicos não passam de lenda: Sua lenda (Jonas) muito se assemelha a Musarus Oannes, de tradição caldéia, que surgiu do Mar Eritreu e aportou entre os primitivos babilônios durante o reinado do antediluviano Ammenon.

Resposta Apologética:

Como o Cristianismo Recebe a Bíblia?

O Senhor Jesus Cristo, a maior autoridade no céu e na terra (Mt 28.18), disse que a Bíblia é a Palavra de Deus (Mc 7.13) e não, simplesmente, um símbolo ou uma alegoria. A Bíblia é para ser obedecida como a Palavra de Deus (Is 8.20), pois são livros inspirados por Deus (2 Tm 3.16-17). Isto é enfatizado repetidamente nas Santas Escrituras, enquanto a maçonaria nega a Bíblia como a literal Palavra de Deus.

Jesus disse mais sobre a Bíblia: E a Escritura não pode ser anulada (Jo 10.35 ). Santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade (Jo 17.17). Nem só de pão vive o homem, mas de toda a Palavra que sai da boca de Deus (Mt 4.4). Porque lhes dei as palavras que tu me deste; a eles e receberam, e têm verdadeiramente conhecido que sai de ti; e creram que me enviaste (Jo 17.8). O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar (Mt 24.35). Quem me rejeitar a mim, e não receber as minhas palavras, já tem o que julgue; a palavra que tenho pregado, essa o há de julgar no ultimo dia (Jo 12.48).

O Deus da Maçonaria

A maçonaria admite entre seus adeptos pessoas de diversas crenças, logo tem em seu meio diversos deuses. A maçonaria não desconsidera a crença em um Deus apenas, ao contrário, exige que seus seguidores acreditem num ser supremo. E assim que declara o "Dicionário da Maçonaria", já citado, no verbete Profano, onde se indicam os principais requisitos para alguém se tornar maçom, e na página 365, artigo 8, declara: Crer num Ser Supremo. Logo, um ateu não pode ser maçom.



G.A.D.U (Grande Arquiteto do Universo)

Embora a maçonaria não procure identificar seu deus, dá a ele um nome: G.A.D.U. – Nome pelo qual na maçonaria se designa Alá, Logos, Osíris, Brahma etc., dos diferentes povos, já que ali se considera o Universo como uma Loja ou Oficina em sua máxima perfeição.

O deus da maçonaria, como vemos, não é identificável: pode ser aceito pelos cristãos, hindus, budistas, islâmicos, judeus etc. Logo, ele não pode ser o mesmo deus.

Resposta Apologética:

O Deus da Bíblia adorado pelos cristãos é conhecido por vários nomes, tratando-se na verdade do único Deus verdadeiro. Seus nomes são vários: Adonay – Senhor (Is 6.1), Elohim – Deus (Gn 1.1), Yahweh – Jeová, Iavé ou Senhor (Êx 3.14), EI Olam – Deus Eterno (Gn 21.33), El Elyon -Deus Altíssimo (Gn 14.19-20), EI Shaday – Deus Todo-Poderoso (Gn 17.1).

O deus do bramanismo é Brahma, que é impessoal, monístico (nem unitário, nem trinitário) ou politeísta. O budismo é politeísta (crendo em Buda como deus e há centenas de outros deuses bons e maus) ou simplesmente ateísta, afirmando que não há Deus. O deus do mormonismo é um homem exaltado, entronizado nos mais altos céus e que partiu da condição de homem (Adão) até atingir à divindade ("Ensinamentos do Profeta Joseph Smith", p. 336, 1975).

Então, o que a maçonaria na verdade quer dizer é que não aceita o Deus de qualquer religião, mas muda a crença em Deus de cada religião, numa forma única do G.A.D.U.

O que a maçonaria faz é uma confusão imensa de seus conceitos. Primeiro diz que não interfere nos princípios religiosos de cada seguidor; depois ensina o único nome pelo qual se deve chamar a Deus; e em seguida exige uma crença em um ser superior, ensinando que se alguém clama por deuses de diferentes nomes é somente porque não os conhece melhor devido à ignorância espiritual.

A maçonaria se propõe, então, a remover essas trevas revelando que, embora imperfeitos, todos os homens são dignos de adorar o único e verdadeiro Deus. É difícil entender, de uma vez por todas, quem é essa divindade de que trata a maçonaria, porém já está claro que não é o Deus da Bíblia. O leitor dos ensinamentos de Albert Pike sobre Deus, nos mais altos graus da maçonaria, reconhece isso claramente.

A maçonaria se refere à sua divindade usando nomes para deuses considerados abomináveis à Bíblia. A maçonaria não é apenas uma entidade com conceitos pagãos, mas é o reavivamento dos antigos cultos pagãos de mistérios.

No grau do Real Arco do Rito de York, o maçom reconhece que o verdadeiro nome de Deus é Jabulon, que até os três primeiros graus se chamou G.A.D.U. Nesse mesmo Arco Rito de York, a maçonaria une Yahweh a divindades pagãs como Baal, On e Osíris.

Cada sílaba da palavra jabulon representa um deus. Segundo Coil é uma associação de Javeh, Baal ou Bel e Om (Osíris, o deus-sol do Egito). Ja – representa Javé; Bul ou Baal – representa o antigo deus cananita, deus nacional dos fenícios, terra de Hirão, rei de Tiro (2 Rs 1.2-4); e On representa Osíris, o misterioso deus egípcio. Ora, se a maçonaria começou com o Templo de Jerusalém, construído por Salomão, então ela se desviou há muito tempo, pois a Bíblia diz que o tal Templo foi construído para que nele o nome de um Deus específico e único permanecesse, o que exclui os demais deuses (1 Rs 9.3; 2 Cr 7.16).

GADU X DEUS DA BÍBLIA

A Bíblia diz que Deus não aceita outros deuses com Ele (Is 44.6, 8; 45.5). A Bíblia diz que Deus é maior do que os falsos profetas adorados pelos homens (2 Cr 2.5). A crença maçônica é henoteísta (crença em que o adorador adora a um só Deus, mas admite a existência de outros). Porque grande é o Senhor, e mui digno de louvor, e mais temível é do que todos os deuses. Porque todos os deuses dos povos são ídolos; porém o Senhor fez os céus (1 Cr 16.25-26). O Senhor teu Deus temerás, e a ele servirás; a pelo seu nome jurarás. Não seguireis outros deuses, os deuses dos povos que houver ao redor de vós. Porque o Senhor teu Deus é um Deus zeloso no meio de ti, para que a ira do Senhor teu Deus se não ascenda contra ti, e te destrua de sobre a face da terra (Dt 6.13-15).

O Rei Salomão e Deus

Para justificar essa união híbrida entre o Verdadeiro Deus e outros falsos deuses, a maçonaria menciona Salomão: O rei Salomão se caracterizou por certo espírito eclético. Conforme várias passagens bíblicas, os hebreus também tributavam honras semelhantes a outros deuses, a ponto de os profetas os censurarem e o próprio rei Salomão não era monoteísta ortodoxo (1 Rs 11.5,7), talvez por respeito aos países vizinhos, muitos deles seus aliados, bem como várias tribos que estavam a seu governo.

A maçonaria excluiu, intencionalmente, o versículo 6 de 1 Rs 11, pois lá se confirma que: Assim fez Salomão o que parecia mal aos olhos do Senhor e não perseverou em seguir ao Senhor, como Davi, seu pai. Embora no seu reinado não houvesse divisão, tal aconteceu no reinado de seu filho Roboão, justamente por causa da apostasia de Salomão.

Jesus Cristo visto pela Maçonaria

A maçonaria ensina que Jesus foi meramente um homem fundador de uma religião, como outros. No verbete "Religião do Dicionário da Maçonaria", se diz: Seus imortais fundadores foram todos mensageiros da herdade única e diz ainda... Todos eles foram unânimes em proclamara paternidade de Deus e a fraternidade dos homens. Tal foi a mensagem de hyasa, Hermes Trimegistro, Zarathustra, Orfeu, Krishna, Moisés, Pitágoras, Cristo, Maomé e outros.

A maçonaria afasta o homem de Jesus Cristo por várias maneiras:

Elimina o nome de Jesus de suas orações, citações de suas escrituras.

Eis uma fonte de oração recomendada pela maçonaria: Eis-nos, Ó ! G. A. D. U, em quem reconhecemos o Infinito Poder e a Infinita Misericórdia, humildes e reverentes a teus pés... Dá-nos que, por nossas obras, nos aproximemos de Ti, que és Uno e subsistes por Ti mesmo... Presta a esse candidato, agora e sempre, tua proteção e ampara o com teu braço onipotente em todos os perigos por que vai passar.

Retira o nome de Cristo de diversos trechos da Bíblia em rituais maçônicos, nas citações etc. 1 Pe 2.5 no Ritual maçônico diz: ... para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus... 1 Pe 2.5 na Bíblia diz: para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo. Nessas passagens, os maçons não citam o nome de Jesus como também não o citam, por exemplo, em 2 Tessalonicenses 3.6; 3.12.

Afirma que a mensagem cristã sobre a redenção exclusiva na pessoa de Cristo é meramente um retorno às antigas histórias pagãs.

Resposta Apologética:

Como se lê dessa oração, o maçom se aproxima de Deus firmado em suas boas obras e não no reconhecimento da mediação de Cristo (Jo 14.13-14; 1 Tm 2.5).

Todo cristão deve saber que a Bíblia é a Palavra de Deus e, portanto, não pode ser alterada (Dt 4.2; Ap 22.18-19 ). O maçom não só retira o nome de Jesus da Bíblia como também proíbe que se faça orações no nome dele. Considere a seguinte declaração apenas como ilustração da proibição de orar em nome de Jesus: O vigilante chamou-me em particular e repreendeu-me claramente. Ele disse que eu tinha usado o nome de Jesus no encerramento de minha oração. Por isso ele disse que eu poderia ser repreendido... Fui chamado à Secretaria do Rito Escocês para ouvir sobre a maneira imprópria de orar. Ele foi delicado, mas me proibiu encerrar qualquer oração 'em nome de Jesus'. Ele me disse:Faça uma oração universal.

O motivo pelo qual a maçonaria proíbe o nome de Jesus nas suas orações é que:

a) – Alguns maçons não são cristãos e isso os escandalizaria. Será que a maçonaria se envergonha do nome de Jesus?

b) – Requer dos cristãos que desobedeçam a Jesus, proibindo toda a discussão sobre Ele nas atividades da Loja. Oferece os títulos e ofícios de Cristo a descrentes. Os títulos e ofícios de Cristo são apropriados pelos maçons durante seu ritual e usados nas citações secretas: Eu Sou o que Sou, Emanuel, Jeová, Adonai.

A Bíblia ensina que Jesus é o Salvador. Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que Ele nos amou a nós, e enviou seu Filho amado para propiciação pelos nossos pecados (1 Jo 4.10). E vimos e testificamos que o Pai enviou seu Filho para Salvador do mundo (1 Jo 4.14).

A Bíblia deixa claro que todo cristão deve orar em nome de Jesus: E tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho (Jo 14.13). Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei (Jo 14.14).

É bom lembrar que Jesus disse que quem se envergonhasse de Seu nome, Ele se envergonharia dele diante do Pai (Mt 10.32-33;1 Jo 2.23; 4.3,14-15; 5.10-12).

O cristão é ordenado por Jesus a testificar dele para todos os homens, (Mt 28.18-20). Paulo disse que tudo fazia por todos, para, por todos os meios, salvar alguns (1 Co 9.16-19; 2 Tm 4.1-4; Rm 10.11-15).

Outros ensinamentos sobre Jesus na Bíblia. Filho Unigênito de Deus (Jo 1.1-14; 3.16); Eterno (Is 9.6; Mq 5.2; Hb 13.8); Sábio (Lc 2.40,47-52; 1 Co 1.24; Cl 2.3); A Luz do Mundo (Jo 1.8; 8.12); possui o nome que está acima de qualquer outro nome (Ef 1.20-21; Fp 2.9-11; Jo 3.31); Deus Verdadeiro (Jo 1.1; Cl 2.9; Tt 2.13;1 Jo 5.20 ); Criador (Jo 1.1-3; Cl 1.16-18; Hb 1.2,8-10); Juiz (Jo 5.22-23, Mt 25.31-34, 41,46).

Os escritores do Novo Testamento declararam ser Ele o Salvador do mundo, cuja morte na cruz pagou o pecado do homem (Jo 1.29; 3.16; 6.29; 14.6; Mt 16.21-23; 20.28; Jo 3.16; 1 Tm 2.5-6). Todos os textos citados provam sobejamente que a posição maçônica quanto a Jesus está errada e não pode ser aceita pelos cristãos. Jesus preveniu: E porque me chamais, Senhor, e não fazeis o que eu digo? (Lc 6.46). Os rituais maçônicos exigem que primeiro o cristão jure fidelidade à Loja e não a Jesus. Os juramentos maçons forçam o cristão a desobedecer a Jesus Cristo.

Um cristão não pode ingressar na maçonaria sabendo que ela o leva a blasfemar contra Deus. Jesus ensinou que ninguém pode servir a dois senhores (Mt 6.24). O cristão não tem a opção de ser maçom e cristão ao mesmo tempo e precisa decidir por Cristo ou um politeísmo que envolve Baal e Osíris. É impossível ser os dois.

O Ocultismo e a Maçonaria

A maçonaria possui também seu lado oculto. OCULTISMO: ...é o estudo dos mundos superiores ao físico: o astral, o mental e outros, é o conjunto de métodos ou disciplina da educação individual. A maçonaria também tem seu lado oculto que uns sistemas e ritos realçam mais do que outros, porém todos têm o mesmo objetivo de aperfeiçoamento moral, intelectual e espiritual do homem, do que decorre direitos e deveres inalienáveis.

A revista ANO ZERO, no 18, de outubro de 1992, p. 42 declara: O esoterismo na maçonaria é dos elementos que mais fascinam os iniciados e também pessoas que não fazem parte da Ordem.

Resposta Apologética:

Em Dt 18.9-12, Deus previne os homens contra as atividades ocultistas, declarando que são abomináveis à sua vista tais práticas. Muitos maçons que participam dos rituais não entendem o sentido ocultista dos mesmos. O fato de que muitos maçons não entendem o sentido oculto dos símbolos é lamentado por Albert G. Mackey, ao dizer: Muitos dos escritores de grande nomeada entre os maçons desconhecem o conhecimento esotérico da maçonaria.

A maçonaria é, potencialmente, uma religião ocultista e abre a porta para o mundo do ocultismo. Incentiva aceitar-se o ocultismo, basicamente de cinco maneiras:

1a. Aceita as premissas da Nova Era e o conceito da moderna parapsicologia quanto aos poderes latentes dos homens (poderes psíquicos – PSI);

2a. Apresenta artes mágicas semelhantes a outras entidades;

3a. Incentiva o maçom a procurar verdades esotéricas;

4a. Está integrada ao misticismo a incentiva o desenvolvimento, do estado alterado da consciência;

5a. Muitos maçons estão trabalhando para o que se denomina de Maçonaria Oculta.

O pastor Haroldo Reimer falou num culto que a maçonaria teve sua origem na Babilônia. Numa carta dirigida ao referido reverendo, (Rio de janeiro,12 de outubro de 1976), um grupo identificado como Pastores e Presbíteros Maçons, Grau 33, tentou rebater essa declaração, concluindo: O Evangelho é do céu. Não se pode compará-lo a cousa alguma da terra. Mas, das coisas terrenas, a mais bela e sublime é a maçonaria.

Existem registros de que maçons defenderam muitos pastores no princípio, quando chegaram os primeiros missionários evangélicos ao Brasil. Esses maçons protegeram alguns missionários até de serem assassinados. Os protegidos não eram maçons, mas pastores protestantes, que morreram sem sequer saber o que é a maçonaria.

Analisando pelo aspecto meramente humano, eles não são um problema para a sociedade, como o são os grupos religiosos não ortodoxos, ao contrário, são benfeitores dela. São simpáticos, sérios e estão preocupados com a ética. Orgulham-se de serem maçons. Qualquer cidadão de boa reputação se sentiria honrado ao ser convidado pela maçonaria para fazer parte dela.

O problema é que há práticas na maçonaria que contrariam os princípios cristãos. Apesar do lado positivo da maçonaria, todavia, com relação à fé cristã, somos obrigados a mostrar o lado negativo. Causa-nos, portanto, espanto que uma organização com tantos símbolos ocultistas e satanistas, como o pentagrama, Baphomet, pirâmides e práticas esotéricas, cabalísticas, além das doutrinas nada ortodoxas sobre a Bíblia, Deus, Jesus Cristo e o homem, seja ainda reconhecida por evangélicos como o que há de mais belo e sublime na terra.

Pastor João Flávio Martinez & Presbítero Paulo Cristiano da Silva – Pesquisadores do Centro Apologético Cristão de Pesquisas – CACP

Imagem de santa leva culto a árvore

Gazeta de Ribeirão

A fé dos moradores do bairro Jardim Manoel Pena foi renovada e o assunto é um só: a aparição da imagem de Nossa Senhora Aparecida no tronco de uma árvore. Os mais devotos garantem que a imagem é da santa, e que ela apareceu naturalmente.

O primeiro a visualizar a imagem foi Neil Fernandes da Silva, 48, há cerca de seis meses. "Quando vi a imagem, senti uma emoção, um arrepio", lembra. Devoto de Nossa Senhora Aparecida, Silva diz que foi ela quem o salvou de duas hemorragias cerebrais. Todos os dias, às 6h30, ele passa pelo local para fazer as suas orações e agradecer por estar vivo.

Por causa da imagem, a árvore ganhou uma atenção especial pelas mãos do jardineiro Sérgio Aparecido da Silva, 54, e se destaca entre as outras da rua: foram colocadas pedras brancas ao seu redor e, em breve, ganhará um cercado por proteção. Cerca de 40 pessoas passam pelo local diariamente para reforçar a fé.

sábado, 16 de junho de 2007

Entrevista com Antonio R. Bezerra de Menezes Filho

Tetraneto de Bezerra de Menezes converte-se a Cristo e desmente o Evangelho segundo Allan Kardec.

Antonio Roosevelt Bezerra de Menezes Filho, 43 anos, tetraneto de Adolfo Bezerra de Menezes, um dos fundadores e primeiro presidente da Federação Espírita no Brasil (FEB), nasceu em uma família que sempre seguiu o kardecismo.

Envolvido com a doutrina, ele psicografava, tinha revelações e contato com os mortos. Na adolescência, ele conheceu outras religiões e seitas. Praticou yoga e artes marciais. Se envolveu com a ideologia da Nova Era, buscando poder e realizações da mente. Antonio acreditava que Jesus era um ser iluminado e um alvo a ser atingido.

Pensava que se continuasse a crescer espiritualmente seria um dia como Jesus, Gandhi ou Buda. Empresário, dono de uma construtora, Antonio viu sua vida ficar muito ruim e os negócios entrarem em crise. Como resultado, se afundou mais no espiritismo. Pesquisando a vida de Allan Kardec, descobriu que, na França, país em que foi fundada a crença espírita, o espiritismo não subsistiu. O próprio Allan Kardec faliu.

O mesmo aconteceu com seu tetravô, Bezerra de Menezes, que foi prefeito do Rio de Janeiro. Todos da sua família que eram envolvidos com espiritismo perderam seus bens. Antonio era um deles. Ele perdeu tudo o que tinha. Nesse período, separou-se da família. Sofreu vários acidentes. Em um deles, na Via Dutra, um caminhão passou por cima do seu carro, mas ninguém da família, que estava no carro, morreu. Naquele momento, ele ouviu a voz de Deus: “Você não quer agora deixar que eu cuide da sua vida?” Foi quando Antonio lembrou-se do passado e disse: “Sim, quero entregar a minha vida a ti”.

Hoje, Antonio Bezerra de Menezes, convertido há 12 anos, é pastor na Igreja Batista Shemá Yisrael em Campinas (SP), reitor da Faculdade de Administração Eclesiástica Batista das Américas (Faeban: www.faebam.com. br) e conferencista internacional da Adhonep.

RE O que o levou a sair do espiritismo?

Bezerra Desde jovem, sempre tive desejo de conhecer a verdade sobre todas as coisas. Passei por muitas decepções dentro da minha vivência como médium e com a doutrina espírita, não com as pessoas. Quero deixar bem claro que tenho muito carinho pelos amigos espíritas. Mas, três fatos me decepcionaram muito. Um primo meu ficou gravemente doente e, mesmo sendo do maior clã espírita do Brasil, tendo o doutor Bezerra de Menezes como ancestral, o “chefe de corrente de cura científica no espaço” (por ter sido médico), não houve cura para ele. Também fui psicógrafo e, ao receber uma mensagem psicografada por uma pessoa da família que dizia ter recebido a mensagem do meu primo e de meu avô, eu e minha mãe vimos claramente que não era verdade. Como espírita, eu tinha que encontrar o fundamento das coisas e percebi que tudo vem da Bíblia. Aliado a isso, passei por diversos problemas familiares pessoais e perdi uma fortuna em patrimônio, o que quase me levou ao suicídio. Tudo isso foi restaurado quando tornei-me um servo de Deus.

RE Como Jesus é compreendido na doutrina espírita?

Bezerra Ele é compreendido como um ser iluminado, que chamamos de avathar ou mestre ascencionado, que já transcendeu a Roda de Sanaha (como dizem os hindus). Ele é chamado de Espírito de Luz, mas não é aceito como Salvador ou Messias, pois, se for aceito como tal, cai por terra a idéia da reencarnação e da lei do karma, que diz que temos de resgatar o karma através de sucessivas reencarnações até chegar à libertação total.

RE Há uma tendência atual de tentar trazer o espiritismo para o campo científico, tornando-o uma ciência. Essa tentativa tem levantado críticas dos cientistas. O que o senhor acha disso? É possível ver o espiritismo como uma ciência

Bezerra A ciência é um conjunto de conhecimentos coordenados relativamente a determinados assuntos, um estudo sistematizado. Se os espíritas querem dizer que é ciência, assim será, mas os cientistas não aceitam isso porque a ciência geralmente torna-se exata em muitas coisas e no espiritismo tudo é relativo ou sem explicação lógica. Um exemplo: uma pessoa é aleijada hoje porque tem karma, erros de outras vidas anteriores. Quem prova? Como? De que forma? Quando foi? Enfim, o espiritismo é relativo. É por isso que, além dos cristãos, existem muitos cientistas competentes que não aceitam essa tese infundada de que o espiritismo é uma ciência.

RE O senhor foi médium. O que está realmente por trás da experiência mediúnica?

Bezerra O que ocorre é uma situação de possessão demoníaca. A palavra demoníaca vem de demônio e significa “Reino das Trevas”, coisa pesada. Existe um médium no kardecismo ou “cavalo” em outros segmentos, e uma entidade que se apresenta no “transe”. No “transe” você some e “alguém aparece para falar” calmo ou descontrolado. Aí é que a “coisa pega”. Cadê a identidade verdadeira do sujeito? Se aqui entre os vivos já é difícil distinguir, imagine você saber no campo dos espíritos quem é quem com certeza. Além disso, a Bíblia condena tal prática, como em Isaías 8.19-22.

A Bíblia é verdadeira e nos diz em 1 Coríntios 3.16-17 que os crentes são templos do Espírito Santo. Como seres humanos, temos corpo, alma e espírito, que precisam estar plenamente conservados, irrepreensíveis para a Vinda de Cristo, como vemos em 1 Tessalonicenses 5.23.

A manifestação mediúnica, onde vários espíritos usam os corpos dos médiuns, é uma prática abominável a Deus. Apocalipse 21.8 diz que “os feiticeiros não herdarão o Reino dos Céus”. Em resumo, é tudo um grande erro, porque a incorporação impede que o maior de todos os espíritos, que é o Espírito Santo de Deus, possa habitar dentro de nós.

RE O que torna o espiritismo tão popular?

Bezerra Prega-se no espiritismo o amor ao próximo, as obras sociais e respostas confortantes para problemas ou dificuldades. Isso é correto e muito louvável. Mas a verdade é que além disso temos que entender os propósitos de Deus. Os autores da Bíblia foram homens, mas todos inspirados por Deus (2Tm 3.16-17). A religião verdadeira, imaculada e pura para o nosso Deus e Pai, é visitar os órfãos e as viúvas nas aflições e guardar-se incontaminado do mundo. O problema está nessa última questão. Os espíritas praticam as duas primeiras coisas, mas não conhecem a terceira.

O espiritismo torna-se muito popular por ser mais fácil fazermos as coisas parcialmente do que totalmente, o que é a verdadeira conversão cristã. Os espíritas dizem que as obras de caridade levam ao crescimento espiritual, mas a doutrina de salvação fala de morar no Céu com Cristo, e isso para eles é praticamente inconcebível. A idéia de arrependimento dos pecados também não tem vez, e a Bíblia nos ensina que temos que nos arrepender dos nossos pecados e crer no sacrifício de Jesus, que nos purifica de todo o pecado. Devemos entregar nossa vida ao Senhor (Rm 10.9-10), pois Ele é o único caminho, a verdade e a vida (Jo 14.6).

RE Que erros o senhor destacaria na doutrina espírita?

Bezerra Eu não preciso citar muitas, só vou discorrer a respeito de algumas delas. Veja bem, não vou falar agora da Bíblia e, sim, do que está escrito no Evangelho Segundo Allan Kardec.

Na página 31, da 52ª edição, de junho de 1998, da Lake (Livraria Allan Kardec Editora). No resumo da doutrina espírita, Sócrates e Platão, no último verso, dizem: “É enfim (a doutrina espírita) o germe da doutrina dos anjos decaídos”. E o que são esses anjos? São os anjos rebeldes que saíram do céu, da graça de Deus, juntamente com Satanás. É rebelião! E qualquer pessoa sensata não participa de rebelião. Aliás, a Bíblia diz que rebelião é como o pecado de feitiçaria (1Sm 15.23).

Na página 32, no capítulo 5, é dito que, após a nossa morte, um gênio (daimon, demônio) que havia sido designado durante a vida nos leva a um lugar onde se reúnem todos os que devem ser conduzidos ao Hades, para o julgamento. Enfim, a doutrina espírita e os espíritas são assessorados por demônios. Nós, que somos cristãos, graças a Deus, somos assessorados pelos anjos de Deus (Sl 34.7).

No capítulo 6 é dito que os demônios preenchem o espaço que separa o céu da Terra. Estes demônios são os laços que ligam o grande todo consigo mesmo. A divindade não entra jamais em comunicação direta com os homens, mas é por meio dos demônios que os deuses se relacionam e conversam com ele, seja durante o estado de vigília ou do sono. Enfim, demônios atuam e falam com pessoas, mas Deus (a divindade) não. Tudo isso é uma loucura doutrinária. Falta aos espíritas um estudo detalhado sobre as doutrinas bíblicas e sobre a doutrina espírita para ver que nesta há erros e absurdos. Está se roubando a verdade de Deus. Embora Allan Kardec tenha trabalhado com o educador Pestalozzi, que era cristão, faltou a ele fazer um bom seminário teológico para não cometer tantos erros.

A Bíblia diz o contrário do que ensinava Kardec. Há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus (1Tm 2.5). Antigamente, o Evangelho Segundo o Espiritismo adotava um outro título como imitação do Evangelho, isso nas versões editadas até 1989. Depois, foi abolido esse uso na impressão. Na verdade, não podemos ter um outro evangelho como pretendido por Allan Kardec, como está em Gálatas 1.8-9, que afirma: “Mas se ainda nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos anunciamos, seja anátema”. Quem será que está certo, o apóstolo Paulo ou Kardec?

RE A reencarnação é a coluna do espiritismo. Para abalizá-la, os espíritas se reportam a algumas passagens e personagens das Escrituras, como o episódio de Saul e a pitonisa e a relação entre Elias e João Batista. Qual a verdadeira interpretação dessas passagens?

Bezerra Primeiro, Saul foi a uma seção espírita. Não foi a primeira. Esta se deu no Éden, onde Satanás entrou na serpente e ela enganou a Eva. Olha o que aconteceu: enganou. Desde o princípio há a relação da incorporação com o engano.

Também em 1 Samuel 28.7-14b, vê-se que, entendendo Saul que era Samuel, inclinou-se com o rosto em terra e se prostrou. Saul não viu nada, muito menos ao profeta Samuel. Quem viu foi a médium, e a situação o induziu ao erro. Já no caso de Elias e João Batista, os espíritas dizem que João Batista era a reencarnação de Elias. Ora, para João Batista ser a reencarnação de Elias, este teria que ter morrido, mas isso não aconteceu. Elias não morreu. Ele foi arrebatado ou melhor, transladado. Corpo, alma e espírito (2Rs 1.11). Por esses fatos bíblicos, não se pode dar canonicidade ou admitir que Deus permitiu a reencarnação ou seção espírita.

RE O que o cristianismo lhe proporcionou que o senhor não encontrava no espiritismo?

Bezerra Primeiro, conheci a Verdade. A salvação, que é Jesus, devolveu-me a paz e a alegria. Recebi a cura de uma enfermidade auditiva irreversível e de outras diversas enfermidades entre meus familiares. Jesus restaurou minha família, pois eu era separado de minha esposa há um ano e, após conhecer a Cristo, na mesma semana voltei a viver com ela.

Hoje, tenho a felicidade plena e sei de onde vim, com quem estou e a certeza da salvação eterna. Meus parentes também foram abençoados com isso e mais ou menos 150 deles já estão com Jesus no coração. Deus mudou totalmente a história da família Bezerra de Menezes. Sou feliz e muito grato ao Senhor.

RE Como o Senhor definiria a diferença entre a fé cristã e a doutrina espírita?

Bezerra Perdoem-me os amigos espíritas e também os de outras religiões não cristãs, mas se vocês conhecerem a Bíblia, conhecerão o Senhor e, abrindo o coração, entenderão seu propósito e receberão suas bênçãos. Além disso, serão ministrados pelo poder do Espírito Santo de Deus. Isso é maravilhoso! Refiro-me a receber a autoridade do nome e do sangue do Senhor e Salvador Jesus Cristo. O poder que o Senhor tinha quando esteve na Terra está a nossa disposição, concedendo-nos a cura divina, libertação de opressões e autoridade para abençoar outras vidas. Para quem conheceu a verdadeira doutrina bíblica, fica impossível compará-la com outras. Ela não é apenas superior. É a única que representa a vontade de Deus.

RE Como se sente hoje, depois de ter abandonado o espiritismo?

Bezerra Muito bem. Sou feliz, superando os obstáculos com a ajuda de Deus e sendo usado como servo de Cristo, participando em média de 300 reuniões por ano em conferências em todas as denominações e em jantares da Adhonep, além de cruzadas por todo o Brasil e no exterior, onde milhares de almas se entregaram a Jesus e foram curadas de diversos males. Dou toda a glória a Jesus, que é meu Senhor e Salvador.

Entrevista cedida a Revista RESPOSTA FIEL Ano 1- nº 03 mar-2002.

O DIA EM QUE CONHECI A VERDADE

Antonio Bezerra de Menezes
Profissional liberal

Antonio representa a quarta geração do Dr. Bezerra de Menezes, o primeiro presidente da Federação Espírita Brasileira, além de vereador, deputado e prefeito do Rio de Janeiro. Depois de haver alcançado o topo de suas buscas esotéricas, ter tido contato com mortos, ter psicografado, adivinhado, visto e previsto o que era verdade a muitos, caiu em violentos fracassos econômicos e familiares, o que o fez entrar em desespero...

Meu tataravô era uma pessoa muito caridosa e respeitada; costuma dizer que aquele que não ajudasse um enfermo, ainda que pela madrugada, não subisse o morro e fosse socorrê-lo, não era um médico, mas um maldito. Um dos seus princípios básicos era o amor ao próximo. Nasci nesta família - família que seguia o kardecismo; e vivia o evangelho segundo Alan Kardec. Estávamos sempre nos centros espíritas, fazendo trabalhos. Lembro que tinha uma tia na umbanda, e por isso nos envolvíamos algumas vezes com a umbanda, outras com o kardecismo. Fomos nos aprofundando. Na casa dela sempre ocorriam manifestações sobrenaturais, ela recebendo espíritos que nos traziam mensagens de "Deus". Outra tia, após o jantar, tirava a mesa, colocava a toalha branca e iniciava o trabalho de kardecismo, com orações e preces mediúnicas.

Na minha adolescência comecei a ter amizade com rapazes cujos pais eram donos de centros espíritas. E com isso fui seguindo cada vez mais a trajetória de toda a família. Passei a conhecer também outras religiões e outras seitas, pois quem se envolve com o ocultismo não fica restrito a uma única religião. Começa a ocorrer verdadeira saladas de coisas. Fui então para o Budismo e as religiões do Oriente; comecei a praticar Yoga e quatro artes marciais. Passei a me envolver com toda a ideologia da Nova Era; a buscar o poder e as realizações da mente. Andei atrás de coisas sobrenaturais - o poder latente da alma, o entrar em lugares sem ser visto, pensar em pessoas e elas surgirem. E comecei a me sentir cheio de poder...

Jesus sempre foi para mim um grande ser iluminado e um alvo para a minha vida. Imaginava que se continuasse a crescer espiritualmente seria um dia como Jesus, Gandhi, Buda, ou outro ser superior. E minha família continuava a conviver com o espiritismo, trabalhos, seções e operações mediúnicas. Um dia, quando trabalhava na construção de um edifício, dois reverendos vieram falar comigo de Jesus, um Jesus muito diferente daquele que eu conhecia nas reuniões kardecitas. Mas eu confesso que odiava os cristãos! Sempre que os via com a Bíblia na mão, ou debaixo do braço, ficava enraivecido. E quando via Bíblias com zíper, mais enfurecido ainda ficava! O pior é que um dia meu irmão chegou em casa com uma Bíblia daquelas distribuídas nos colégios. Ao vê-lo, fui logo dizendo: "taca fogo nessa Bíblia! Isso aí não é nosso! Nós somos espíritas, temos o evangelho segundo Allan Kardec; esse, sim, é o evangelho que vamos seguir!" Um pormenor interessante é que no evangelho segundo Allan Kardec, bem no começo, existe um texto que diz que no início o evangelho segundo Kardec chamava-se a "Imitação do Evangelho". Então eu pergunto; quando queremos alguma coisa buscamos o original ou a imitação? Comecei a refletir, a ficar meio cismado...

Aqueles homens me diziam: "Bezerra, você está com muitos problemas... Você precisa de Deus em sua vida... Pessoas que não conhecem a Deus têm um único destino: a morte eterna...". Eu então os interrompia, dizendo: "Há! Eu não acredito nisso! Primeiro, não acredito em diabo; segundo, não acredito em inferno. O homem morre, reencarna e tem uma outra vida". Mas eles continuaram: Não. Você conhece apenas uma doutrina religiosa, mas não conhece Deus. E as pessoas que não conhecem a Deus só tem um destino: o inferno! E digo mais: se você tem problemas e não conhece a Deus, se a caso morrer hoje, seu fim será o inferno..." Saí muito abalado daquele encontro. Abalado porque embora acreditasse em outras vidas e na teoria reencarnacionista, me veio uma dúvida: "E se o que eles dizem for verdade?..." Fiquei muito preocupado. Lembro que não gostava da Bíblia, nem a lia nunca. No entanto, li um monte de livros, como o evangelho de Buda e na Rosa Cruz estudei profundas técnicas de estudo da mente. Mas de repente comecei a me interessar pela Bíblia, porque o que ouvira me despertou a curiosidade.

Costumava psicografar, ter revelações e contato com os mortos - assim como minhas tias e outros familiares. Eu era empresário, dono de uma construtora, e minha vida começou a ficar muito ruim, os negócios entrando em crise. Passei a me afundar cada vez mais no espiritismo, e a cair em desespero. O que aconteceu na verdade foi que comecei a seguir a tradição espírita verdadeira. Pesquisando a vida de Allan Kardec, descobri que na França - país onde ele fundou a religião - o espiritismo não subsistiu. Ele se perdeu totalmente, e hoje não tem influência na sociedade. Das ciências ocultas, só a magia negra tem hoje força na França. O próprio Allan Kardec, que em 1824 fundou uma escola idêntica a de seu amigo Pestallozzi, faliu. O Dr. Bezerra de Menezes, que foi prefeito do Rio de Janeiro e pessoa de renome, perdeu tudo o que tinha no final da sua vida. E até os meus avós perderam seus bens, ao se envolverem com o espiritismo. E não foi diferente comigo; minhas finanças começaram a seguir as tradições espíritas verdadeiras...Eu tinha uma empresa, e num determinado momento comecei a sofrer tremendas perdas. Cheguei a perdei quase 1 milhão de dólares em maus negócios!

A situação se tornou tão terrível, que minha vida ficou completamente acabada; virei um derrotado. Comecei a pensar realmente em suicídio; uma voz me sussurava: "Você já era! É hora de tentar o suicídio!" Eu era sócio do melhor clube da cidade: a Sociedade Hípica. Tinha quatro veículos, uma motocicleta, motorista particular, enfim, desfrutava uma vida estável, muito boa. Aliás, eu anunciava a quantos podia que encontrara o caminho, a paz, a felicidade! Só que eu era espírita e, não satisfeito, incontrolável, fui me envolvendo com ocultismo japonês, Se-cho-noiê, Yoga, artes marciais, Igreja Messiânica, Nova Era, religiões orientais, seitas egípcias, cabala, etc. Então perdi a empresa, os carros e até a minha casa. Cheguei ao fundo do poço. Minha vida ia de mal a pior. Mas aquela conversa com os reverendos não me saia da mente. Lembro que não consegui esquecer algo que me disseram: "Quando você conhecer a verdade, ela vai liberta-lo!".

Começou então uma grande briga no meu interior. Havia duas vozes. Uma dizia que eu devia acabar com a minha vida. Eu era campeão de tiro no exército; era simples. Bastava pegar o revólver e dar um tiro no ouvido. A outra dizia que Deus me queria vivo, e Ele tinha muitos planos para a minha vida. A luta no meu íntimo foi muito intensa. Foram 33 anos de resistência à voz de Deus. Minha vida financeira estava um verdadeiro desastre; além disso minha mulher vivia no hospital, com o sistema nervoso abalado. E eu andava aborrecido, porque o espiritismo não conseguia resolver meu problema. A opressão dentro de mim aumentava cada vez mais. Até que um dia resolvi me candidatar a vereador de minha cidade. E ao entrar em campanha política procurei a Federação Espírita. Lá, a presidente me disse: "Você é nosso candidato ideal; precisamos de um vereador espírita na Câmara de Vereadores. Vamos apóia-lo". Deu-me então uma lista de todos os centros espíritas da cidade. Havia centro espírita mesa branca kardecismo, umbanda, candomblé. Parti em busca de votos, e para isso me afastei da família durante seis meses. Abandonei minhas filhas e minha mulher. A situação ficou tão terrível que esta, num momento de grande agonia, me disse: "Eu não posso mais viver com você! Pegue as suas malas e vá cuidar da sua vida! Você não quer abandonar a campanha política, e eu preciso de você como chefe de família...Vá embora!".

Com a família destruída, continuei a campanha. Um certo dia, quando cheguei num centro espírita, vi uma médium totalmente incorporada. Ora, eu não acreditava nem em Deus nem no diabo. No entanto a expressão daquela mulher me assustou muito! Ela tinha uma imagem distorcida...Seu rosto tinha uma expressão demoníaca. O susto foi tão grande que sai correndo daquele lugar. Foi terrível! De novo comecei a ouvir voz: "Quando você conhecer a verdade, ela vai liberta-lo!" Eu não gostava de cristão, nem de Bíblia, nem de nada. No entanto, agora começava a temer pelo futuro. Sofria muito; estava muito triste, louco para voltar para minha casa. Um dia um casal de amigos ex-espíritas - eles haviam feito um pacto no Vale do Amanhecer, em Brasília, e eram profundamente envolvidos com o espiritismo - me procuraram e me disseram: "Bezerra, aparece lá em casa; queremos conversar com você". Como precisava de voto, fui até aquela casa pedir apoio para minha campanha política. Mostraria nossos planos para a cidade, as obras que precisava ser feitas e a legislação que necessitava de mudança. Lá pelo meio da conversa os dois me disseram: "Você precisa de Jesus... Você precisa conhecer a Deus!" Ao ouvir isso, caí com a cara no chão! Completamente desacordado. Comecei a lembrar o que Deus fizera em minha vida, sem que nunca me houvesse dado conta.

Uma vez fui assaltado por três homens; eles colocaram o revólver em minha cabeça e na barriga, levaram meu carro, e Deus me livrou. Noutra ocasião sofri um acidente terrível em São Paulo: meu carro pegou fogo e não morri. Também estive 22 dias internado, e 9 dias em coma no hospital, e sobrevivi. Sofri um terrível acidente na Via Dutra, quando um caminhão carregado de areia passou por cima do meu carro, eu e toda família dentro: ninguém morreu...Ali, com o rosto no chão, lembrando tudo aquilo, ouvi a voz de Deus me dizendo: "Você não quer, agora, deixar que eu cuide da sua vida de verdade? Não quer me entregar, agora, o seu coração?" Lembrando tudo, como se estivesse vendo um filme, e chorando por dentro, disse: "Sim, Deus, eu quero entregar a minha vida!" Quando disse isso, ouvi: "Bezerra, eu te recebo..." Ao abrir os olhos, chorando, vi diante de mim aquele casal de amigos. Eles olharam para mim e disseram: "Bezerra, você quer entregar sua vida a Jesus?" E eu respondi: "Sim, eu quero!" Fiz minha primeira oração e entreguei a minha vida a Deus. Mas eu ainda tinha um problema muito sério; estava separado da minha mulher. Queria voltar para a família. Minha vida tinha sido muito complicada; eu era um péssimo chefe de família. Minha mulher e eu nos agredíamos verbalmente com palavrões, e a separação foi praticamente inevitável. Resolvi então retornar a casa e voltar a viver com ela. Foi terrível! Discutíamos muito. Até que eu desejei, do fundo do meu coração, juntamente com aquele casal, levá-la à Igreja. No dia marcado para isso, cheguei a minha casa e fui direto para o banheiro. Trancado, e chorando, fiz esta oração: "Senhor Jesus, salva a minha casa. Muda a minha vida! Transforma a minha família".

No carro, durante o percurso, minha mulher foi o tempo todo discutindo comigo. Ela queria que eu reagisse; que brigasse com ela, e acabasse voltando do meio no caminho. No entanto, dentro de mim eu repreendia o mal e clamava pela ajuda de Deus. Quando chegamos à porta daquela Igreja, algo maravilhoso aconteceu. Deus encheu o meu coração e a minha alma transbordou de alegria.

A reunião foi maravilhosa. No final, o reverendo disse a ela: "Deus deseja que você e seu marido voltem a se amar". Mas ela não aceitou. Contudo o reverendo tinha tanta convicção do que estava dizendo que respondeu: "Posso ir à sua casa e orar por sua família?" Ela respondeu: Pode, às 18 h". (Respondeu afirmativamente porque sabia que na sexta-feira, às 14 h, assinaríamos a separação.)

Desesperado, e ao mesmo tempo confiante no que Deus poderia fazer na minha vida, liguei para o advogado e disse: "Olha, eu não quero mais assinar a separação"; "Mas é impossível! Está tudo preparado!"; "Por favor, não apareça aqui amanhã! Por favor não venha..."

E ele não foi. Na sexta-feira, desesperada, ela ligou muitas vezes para o advogado, mas inutilmente. Até que às 18 h chegou o reverendo. Confiante, ele pediu licença para orar. Enquanto clamava a Deus por nossa vida, disse que havia em nosso quarto um altar espírita de adoração. E descreveu-o com tanta precisão que minha mulher e eu ficamos muito impressionados. Chocado com aquilo, confirmei ser verdade. Então perguntei-lhe: "Que devo fazer?" "Amigo, quebre tudo!" - respondeu incisivo.

E o mais impressionante: enquanto eu quebrava o altar, minha filha de apenas dois anos de idade pegou uma Bíblia que eu tinha em casa - uma Bíblia histórica Barsa -, levou-a até minha mulher, abriu-a, apontou com o dedinho, e disse: "mamãe, lê aqui". Minha mulher, sem entender nada, olhou e leu sobre o divórcio. Minha esposa começou a chorar... No dia seguinte, enquanto fazia compras, em profunda depressão ela pensou em várias maneiras de suicídio: atirar-se debaixo de um carro, jogar-se da janela do apartamento, tomar veneno, cortar o pulso etc. Mas não conseguiu. Deus estava operando na sua e na nossa vida.

Quando no dia seguinte voltamos à igreja, o reverendo perguntou do lugar onde estava ministrando: "Existe alguém neste lugar que já tentou tirar a sua própria vida muitas vezes, e ontem mesmo tentou o suicídio mais uma vez?" Naquele momento, totalmente contrita e desesperada, minha mulher levantou-se e entregou sua vida a Jesus. Nós nos reconciliamos, e nosso casamento foi completamente restaurado.

A saúde de minha esposa também foi restaurada! Hoje, graças a Deus, somos muito felizes e temos três filhas lindas. Tudo mudou. Eu sou um homem livre!

Antonio Roosevelt Bezerra de Menezes Filho
Transcrito da Revista A Voz - ADHONEP

quinta-feira, 14 de junho de 2007

Baixe e Instale o Picasa 2

Esqueça todos os visualizadores, editores e catalogadores de fotos que você já viu até agora, e abra os olhos pro Picasa 2 do Google, um novo conceito na organização e edição de fotos digitais.

O Picasa 2 é um software que o ajuda a encontrar, editar e compartilhar instantaneamente todas as imagens no PC. Sempre que você abre o Picasa 2, ele localiza automaticamente todas as imagens (inclusive aquelas que você nem lembrava mais) e classifica-as em álbuns visuais organizados por data com nomes de pastas facilmente reconhecidos. Arraste e solte imagens para organizar os álbuns e defina marcadores para criar novos grupos. O Picasa 2 garante que as imagens estarão sempre organizadas.

O Picasa 2 também simplifica a edição avançada de imagens com botões de correção e efeitos poderosos aplicáveis com um clique. Além disso, com o Picasa é muito fácil compartilhar imagens – você pode enviá-las por e-mail, imprimir fotos em diversos tamanhos, criar CDs e até publicar fotos diretamente no seu blog.

Clique no link abaixo e faça o download do Picasa 2 diretamente dos servidores do Google. Apenas 4,6Mb (baixa em poucos minutos)

Clique aqui ou na foto ao lado.

A cultura wicca na televisão

Fundador da Escola de Magia e Sacerdote Wicca, Daniel Atalla, acredita que a novela pode diminuir o preconceito com o tema.

A cultura celta e o universo mágico das bruxas vêm sendo abordados em ´Eterna magia´, novelas das 18h. Com pitadas de realismo e outras de ludicidade, as histórias fantásticas se tornaram fórmulas de sucesso. O fundador da Escola de Magia e Sacerdote Wicca, Daniel Atalla, fala sobre a repercussão e o mundo encantado da wicca

De uns tempos pra cá, a magia e o misticismo vêm se tornando temas recorrentes de novelas, filmes e livros. Prova disso foram os altos índices de audiência de ´Alma gêmea´ e ´O profeta´, folhetins que prepararam terreno para a trama de Elizabeth Jhin. Em ´Eterna magia´, o universo wicca é apresentado de uma forma leve, mágica e tenta derrubar estereótipos.

Para o Sacerdote e Mestre em Magia Natural e Wicca e fundador da Escola de Magia Luz da Lua, Daniel Atalla, as temáticas mística e esotérica foram ampliadas por causa do aumento do interesse por parte do público, que tem hoje maior acesso ao assunto. ´Acredito que essa abertura, que há tempos ocorre, contribui para o sucesso de novelas que abordam os temas esotérico, espiritual ou místico´, defende Atalla.

Cultura celta

Ele explica que, em ´Eterna magia´, a idéia inicial da novela não era abordar a wicca diretamente, mas a cultura celta, que originou muitas faces da magia. ´O termo wicca existe, porém com a abertura do tema para vários públicos, qualquer coisa relacionada à magia ou à bruxaria é chamada de wicca´. Ele ressalta que não se pode esquecer que magia envolve várias culturas e formas diferentes de lidar com a energia do universo.

Com pouco tempo que a novela está no ar, Atalla prefere ser prudente antes de lançar críticas ao tratamento que a autora vem dando à essa filosofia de vida. O estudioso acredita que a produção vai abordar a magia com nuanças da cultura celta e nem tudo será mostrado como é na vida real.

´Os grandes mistérios que envolve a magia são exatamente os segredos das tradições, que só são revelados a quem participa efetivamente da tradição ou ordem em questão´, argumenta.

Ao mesmo tempo que essa popularização é desejada para quebrar preconceitos como a de que magia é ´coisa do demônio´, ela é vista com preocupação pelos bruxos. O lado negativo, na sua opinião, é que as pessoas podem passar a acreditar que é permitido realizar feitiços e rituais sem ter a consciência de que a prática é coisa séria.

Pedidos para auxiliar na novela ainda não foram feitos à Escola de Magia, segundo Atalla, mas muitas pessoas tem enviado perguntas para os especialistas esclarecerem dúvidas.

´Alguns jornais, revistas, sites e programas de televisão nos procuram para entender o que ocorre na novela e isso, sem dúvida, é um caminho interessante. Mostra que o tema provoca a curiosidade, ao mesmo tempo que não quer ficar na ignorância. Isso também é um lado positivo do folhetim ´.

Bruxos

Na trama, a magia aparece como uma herança para algumas mulheres de Serranias, local onde a trama se desenvolve. Na história de Elizabeth Jhin, esse poder é passado por gerações de Valentinas. Para o fundador da Escola de Magia, a questão da herança familiar é real, porém a idéia de que apenas mulheres possuam esse tipo de privilégio não é verdadeira. ´A magia tem muita ligação com a lua, e por ter uma energia ligada diretamente à mulher, as pessoas confundem isso como um dom pertinente somente às mulheres. Não podemos esquecer que todos nós temos os lados feminino e masculino, independente do sexo´, afirma Atalla.

Preconceito

A figura da bruxa feiosa com verruga no nariz, que usa vassoura voadora e faz maldades mundo afora, é coisa do passado. No lugar, bruxinhos do bem, como no filme ´Harry Potter´ e no seriado ´Sabrina, A aprendiz de feiticeira´; e outras bonitas, como Pérola (Eliane Giardini), Eva (Malu Mader) e Nina (Maria Flor) em ´Eterna magia´.

´Acredito que essa diminuição do preconceito se deve ao maior conhecimento que as pessoas têm sobre os bruxos. Com esse conhecimento, as pessoas podem perceber que, como em qualquer religião, existem pessoas boas e más. Isso vai depender da índole e não da religião em si´.

Nesse processo, o reconhecimento da existência da ´magia do bem´ também foi um fator importante. Ao contrário da magia negra, esse feitiços são utilizados sem prejudicar alguém. ´Fazendo com consciência, respeito e amor será do bem. Lembrando que, sem prejudicar nada nem a ninguém, inclui interferir na vida de uma pessoa, sem o consentimento dela, por mais que você ache que está fazendo o melhor para ela´.

Nos bastidores...

Para criar esse universo cheio de significados e mágico da wicca, a equipe cenográfica da novela trabalhou bastante. Foram mais de 100 itens produzidos ou garimpados que fazem parte de um trabalho minucioso. Uma bola de cristal, um amuleto celta legítimo da Irlanda, varinhas de condão e até vassouras de bruxa enchem as prateleiras da simpática Toque de Magia, a lojinha esotérica de ´Eterna magia´.

´A loja é uma mistura de utensílios para bruxas e peças para turistas´, explica o produtor de arte da trama, Moa Batsow. ´Alguns objetos nós compramos, mas muitos nós produzimos. Como os anéis das valentinas, cujo desenho combina um símbolo celta, um coração e a letra V´, acrescenta.

A loja, toda vermelha, fica na cidade cenográfica, no Projac, e seu interior é verdadeiro, onde as cenas são todas gravadas. Nela, há até uma árvore, que já estava no terreno e foi aproveitada pela cenografia.

Karine Zaranza
Repórter

Fonte: Diário do Nordeste

quarta-feira, 13 de junho de 2007

"Anticristo" partiu sem realizar concentração prometida

"Anticristo" partiu sem realizar concentração prometida


SANTO DOMINGO, República Dominicana - Sob repúdio popular, o porto-riquenho José Luis de Jesús Miranda, diretor do ministério Crescendo em Graça e que se autodenomina de “Anticristo”, deixou o país sem realizar a prometida concentração, principal objetivo de sua viagem a República Dominicana.

Miranda projetara uma concentração na Aula Magna da Universidade Autônoma de Santo Domingo (UASD), mas a reitoria dessa instituição cancelou o contrato assinado com o ministério Crescendo em Graça por causa dos protestos populares contra a presença do “Anticristo” no país.

Com o cancelamento da aula magna, a equipe de Miranda tentou realizar a concentração no Hotel Intercontinental V Centenário, mas a gerência do estabelecimento não aceitou o grupo.

Grupos sociais, religiosos e políticos montaram piquete em frente ao hotel, pedindo que o “Anticristo” deixasse o país. Em entrevista a programa radiofônico de cobertura nacional, Miranda disse que gasta ao ano mais de meio milhão de dólares em segurança, despesa que é paga por grupos poderosos que o apóiam.

Ele também difamou o trabalho evangelístico de vários ministérios, que, disse, fazem campanhas de cura em grandes palcos e pedem ofertas.

Desde a anunciada visita do "Anticristo" ao país, grupos religiosos, o cardeal da Igreja Católica Nicolás de Jesús López Rodríguez e integrantes da Associação de Comunicadores Cristãos (ADOCOC) pediram ao governo que não permitisse o ingresso de Miranda, porque traz uma mensagem distorcida da Bíblia.

Fonte: ALC Notícias

--------------------------------------------------------------------------------

Related Posts with Thumbnails