Pesquisar este blog

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Fiéis visitam suposta aparição de santos em Miami

EUA - A suposta aparição da "Sagrada Família" nos panos que cobrem um altar na igreja de São Brandão, em Miami (Estados Unidos) mobilizou os fiéis católicos, que formam fila para contemplar o fenômeno.
Na semana passada, várias pessoas que estavam rezando no interior do templo perceberam na toalha branca do altar a sombra da Sagrada Família: Maria, José e o Menino Jesus.
A notícia se espalhou rapidamente pela cidade. As pessoas formaram filas para verificar se o fenômeno é uma aparição milagrosa ou um produto da imaginação e do fervor religioso.
Incrédulos e crentes vão até o local da suposta aparição, muitos deles munidos de telefones celulares com câmeras, prontos para fotografar a imagem e encontrar uma explicação, seja religiosa ou natural.
Para a maioria dos crentes, é um mistério religioso que incentiva o recolhimento espiritual, a devoção e a possibilidade de um encontro pessoal com Deus.
"As experiências religiosas são muito pessoais", disse à Efe o sacerdote católico Fernando Hería, pároco da igreja de São Brandão.
Ele não quis opinar se o "enigma" é um fenômeno milagroso ou um fato natural e cientificamente explicável.
Hería lembrou que a "Igreja Católica é muito cautelosa" com as aparições e antes de anunciar um milagre deve promover uma "rigorosa investigação".
O porta-voz da Arquidiocese de Miami não descartou a possibilidade de milagre ou fenômeno paranormal. Ele admirou o "respeito" com que os fiéis entram na capela, "se ajoelham e rezam".

Fonte: Último Segundo

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Assustador: Ritual macabro em Várzea Paulista

SÃO PAULO - Moradores da rua Isidoro Cândido do Nascimento, Jardim Buriti, Várzea Paulista, ouviram gritos desesperados de socorro que partiam da casa de número 1445. Eles perceberam ainda alguma fumaça saindo do interior da residência. Imediatamente ligaram para a Polícia Militar. Em poucos minutos, o cabo Couto, soldados Luiz Carlos, Cláudio e Givaldo estavam no bairro e também ouviram o pedido de socorro.

Eles arrombaram a porta principal da casa e se viram diante de uma cena assustadora. No chão da sala estava deitada uma adolescente. Ao redor dela, muitas velas acessas. A mãe da menina de 14 anos estava cumprindo um ritual macabro e, com um martelo, ameaçava golpear a adolescente.
A mulher foi contida e levada à Delegacia de Várzea Paulista. Lá ficou apurado que ela tem distúrbios mentais e que costuma freqüentar uma igreja evangélica. O delegado Fernando Manoel Bardi registrou o caso como ´ameaça´, uma vez que não houve nenhuma lesão na adolescente. Não fosse a pronta intervenção da Polícia Militar de Várzea Paulista, certamente mais um estranho homicídio teria ocorrido.

Fonte: Jornal de Itupeva

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Seguidores da seita Tabernáculo Vitória preparam fazenda em Ecoporanga para o Dia do Juízo Final


Fiéis da seita trabalhando em Ecoporanga para o retorno de Jesus
Nas últimas três semanas o município de Ecoporanga, no extremo norte do Estado, localizado a 320 km da capital capixaba, recebeu novos moradores vindos, na maioria, da Grande Vitória. Em uma fazenda, seguidores do pastor Inereu Vieira Lopes abrem clareiras na mata preparando o terreno para o Dia do Juízo Final.

Trata-se da chegada de aproximadamente 120 fiéis da Tabernáculo Vitória, que se instalaram no distrito rural de Córrego do Paraíso, a 10 km da sede da cidade. Nesta quinta-feira, a reportagem da Rádio CBN / Portal Gazeta On Line viajou até o norte do Estado para conhecer as instalações onde está sendo erguida uma espécie de filial da Tabernáculo Vitória.

O que era para ser um fator positivo para a cidade, envolvendo principalmente o setor econômico, o aumento da população tornou-se um caso preocupante que tem deixado moradores antigos assustados.

Antes de seguir para o distrito de Córrego do Paraíso, a reportagem ouviu relatos de moradores da cidade, que disseram estar preocupados com o modo de vida dos fiéis seguidores da seita, já que eles não conversam com ninguém, não saem das dependências do local da construção e não deixam ninguém se aproximar deles.

Curiosa para saber o motivo que os trouxeram para Ecoporanga, a conselheira municipal de saúde,

Curiosa Wilse Muqui, moradora de Ecoporanga, foi até a fazenda
Wilse Muqui, contratou um táxi e foi com a mãe e um irmão até o assentamento onde eles se encontram. Não sabendo que não era permitida a entrada de desconhecidos, o taxista entrou com o carro no quintal da Tabernáculo, surpreendendo a todos os fiéis.

“Nós chegamos e entramos direto com o carro. O taxista desceu, deu boa tarde e eles responderam. Eu então perguntei: É verdade que aqui será fundada uma igreja? um rapaz que estava sentado falou que só quem poderia responder era o pastor. Depois de alguns minutos um homem chegou e nos chamou em um canto - era o doador da terra. Ele me disse que estavam querendo erguer uma igreja no local, mas havia muita burocracia. O taxista me cutucou e pediu para eu não fazer mais perguntas, pois ele estava com medo de alguma coisa. Eu olhei para minha mãe e disse para nós irmos embora. Eles deixaram a gente de lado e não deram mais atenção para nós. Na hora que chegamos tinha muitos homens e mulheres trabalhando e crianças brincando no terreiro. O povo daqui está com muito medo dessas pessoas”, conta a moradora da cidade.

Moradores de Ecoporanga contaram que o pastor Inereu Vieira chegou a ir às casas das pessoas pedindo para que elas vendessem os bens e fossem morar com os outros fiéis na comunidade. Uma das moradoras visitadas pelo pastor foi a empresária Carmelita Ferreira da Silva.

Discípulos da seita sugeriram a dona do posto e restaurante para vender o comércio e se juntar a eles
Ela, que é proprietária de uma churrascaria e um hotel na cidade, contou que membros da igreja visitaram o restaurante dela e dias depois um deles ligou tentando convencê-la a vender tudo e ir morar no Córrego Paraíso pois Jesus Cristo está prestes a chegar à terra e só quem estiver na comunidade terá a salvação eterna.

“Um dia eu estava passando lá e vi esse pessoal. Dias depois o dono das terras onde eles estão veio no meu restaurante e eu perguntei a ele o que estava acontecendo. Ele disse que estava acontecendo um retiro. Perguntei então se aquelas pessoas tinham invadido as terras dele. Ele falou que tinha doado toda propriedade para eles. Depois dessa conversa eles ligaram para meu restaurante e me perguntaram se eu estava disposta a vender tudo o que eu tinha para ir morar lá. Eles disseram que quem vai para lá doa tudo que tem para eles e não precisa mais comprar roupas e nem comida. Não pode ter mais contato com ninguém e as crianças não freqüentam mais a escola”, relata a empresária.

Veja Vídeo


O Conselho Tutelar de Ecoporanga já recebeu várias denúncias sobre essa comunidade. Uma delas é de um diretor de escola que está preocupado com as faltas de duas alunas.

José Maria da Silva do Conselho Tutelar de Ecoporanga disse que vai agir
Os pais delas aderiram a seita e desde então nunca mais ninguém os viram. O diretor do Conselho Tutelar, José Maria da Silva, afirmou que só está aguardando o ofício do diretor para poder fazer buscas no local.

“Há uns vinte dias, o diretor de uma escola nos procurou dizendo que estava preocupado com alguns alunos que tinham evadido da escola, pois a seita Tabernáculo não estava permitindo o contato com o mundo exterior. Os pais desses alunos aderiram a essa seita. Só estou aguardando o ofício dele para poder tomar os procedimentos cabíveis”, conta o diretor do Conselho Tutelar.


Um dos fiéis da seita que chegou em Ecoporanga nesta quinta vindo de Vitória
Após conversar com os moradores, a reportagem seguiu para o assentamento dos membros da Tabernáculo. Ao se aproximar do local, alguns homens que estavam próximos a uma cerca que protege o local, se distanciaram e foram para dentro das casas. Alguns ficaram debaixo de uma cobertura e outros, cerca de 15, foram para o alto de um morro onde ficaram observando de longe a presença da equipe de reportagem.

Por volta das 16h50, um automóvel Fox, com placas de Vitória, chegou ao local trazendo cinco homens. Um deles desceu para abrir a porteira da fazenda e falou rapidamente que tinham acabado de chegar ao município. Questionado se eles iriam morar ali, ele respondeu que não estava autorizado a falar. Um dos ocupantes era um menino, aparentado ter menos de 15 anos. Ele desceu do veículo e entrou rapidamente na casa.

Apesar de nenhuma mulher e nem crianças serem vistas no lado de fora da propriedade, no varal havia toalhas e roupas infantis e vestimentas femininas. O ônibus que trouxe parte dos fiéis estava estacionado no quintal, além de outros dois carros de passeio.

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Ventos de Doutrinas - Modismos e Heresias Ameaçam Igrejas Brasileiras


Não é nenhuma novidade que apareçam divulgadores de heresias no seio da igreja, mas nos últimos tempos a igreja brasileira tem sofrido a influencia do grupo musical gospel Diante do Trono, da Igreja Batista da Lagoinha de Belo Horizonte – MG. Este grupo é o que mais vende CDs evangélicos no Brasil e tem influenciado fortemente a juventude evangélica brasileira, tendo fama de "ungidos". A Igreja Batista da Lagoinha tem se tornado refêrencia a tal ponto de haver caravanas para ir assistir seus cultos e conhecer a igreja. Só que, tal igreja tem disseminado um festival de doutrinas anti-biblicas . A IBL partilha dos ideais do MIR ( Ministério Internacional de Restauração). Esse ministério tem sido o principal responsável pela disseminação do G12 em terras brasileiras e é presidido por seu fundador René Terra Nova, que afirma ser "Apostolo". Umas das principais aliadas de Terra Nova é Valnice Milhomens do Ministério Palavra da Fé, uma pregadora da teologia da prosperidade, famosa por pregar heresias.



Entre as falsas doutrinas que o MIR e demais adeptos de sua visão tem pregado, estão doutrinas que assemelham à doutrinas: católico romanas, judaicas e mormonitas. A IBL já adotou, não só o G12 , mas também a onda de "restauração do apostolado" ungindo Marcio Valadão, seu pastor presidente, "Apostolo", além de ter cedido seu templo para a consagração de René Terranova "Apostolo" do Brasil e da América Latina, culto este que teve a presença da "Apostola" Valnice Milhomens, já citada e do "Apostolo" Mike Shea, conhecido por ministrar louvor de costas, características esta da igreja ortodoxa antioquina.

Vamos analisar algumas doutrinas e práticas propagadas por esses movimentos:

Teologia da Prosperidade

Essa é uma das doutrinas principais pregada por todos esses movimentos. Trata-se de uma substituição do Evangelho da Graça, pelo "evangelho" da ganância. Oral Roberts, um dos principais pregadores dessa heresia, chegou a escrever um livro intitulado How i learned Jesus Was Not Poor ("Como aprendi que Jesus Não foi Pobre") É comum ouvimos da boca dos pregadores da prosperidade coisas do tipo: " Você é filho do Rei, não tem por que levar uma vida derrotada." A principio uma frase dessas pode até pode parecer ortodoxa. Mas, o que muitos talvez não saibam, é que para esses pregadores, "vida derrotada"=ser pobre, ter dificuldades financeiras, ficar doente etc.T.L Osborn, ensina em seu livro Curai Enfermos e Expulsai Demônios , que Paulo jamais esteve doente contradizendo o seguinte texto:

" E vós sabeis que vos preguei o evangelho a primeira vez por causa de uma enfermidade física. E, posto que a minha enfermidade na carne vos foi uma tentação, contudo, não me revelastes desprezo nem desgosto; antes, me recebestes como anjo de Deus, como o próprio Cristo Jesus".(Gal. 4.13,14). É interessante saber que Osborn no começo de seu ministério se apoiou em líderes heréticos como William Marrion Branham.
T. L. Osborn, no folheto intitulado Um Homem Chamado William Branham, escreveu o seguinte:
"Esta geração está incumbida: uma geração na qual Deus tem caminhado em carne humana na forma de um Profeta. Deus tem visitado seu povo. Porque Um grande Profeta Tem-se Levantado entre Nós"
Osborn trata a pessoa de Branham como se fosse o próprio Deus. Em outro lugar no mesmo folheto, diz:
"Deus tem enviado o irmão Branham no século 20 e tem feito a mesma coisa. Deus em carne, novamente passando por nossos caminhos, e muitos não o conheceram. Eles tampouco o teriam conhecido se tivessem vivido no tempo em que Deus cruzou seus caminhos no corpo chamado Jesus, o Cristo."

A teologia da prosperidade une o fútil ao desagradável, ou seja, é uma mistura de ganância e

comodismo. Os adeptos da teologia da prosperidade acham que nós temos direito de

reivindicarmos o que quisermos de Deus, esquecendo da soberania divina. Cito abaixo alguns

textos bíblicos, que refutam esse evangelho falso, que promete ao homem uma vida de

prosperidade material, atiçando-lhe a ganância.

Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam; mas ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam;(Mat. 6.19,20)

é enfatuado, nada entende, mas tem mania por questões e contendas de palavras, de que nascem inveja, provocação, difamações, suspeitas malignas,

altercações sem fim, por homens cuja mente é pervertida e privados da verdade, supondo que a piedade é fonte de lucro.

De fato, grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento.

Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele.

Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes.

Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição.

Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores.

Tu, porém, ó homem de Deus, foge destas coisas; antes, segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão.(1Tim. 6.4-11)

Alguns dias atrás, recebi um e-mail, que continha um material da pesquisadora de religiões Mary Schultz mostrando como terminaram alguns dos grandes pregadores da prosperidade e da saúde perfeita. observem:

1. E. W. Kennyon faleceu vitima de um tumor maligno.

2. John Wimber e seu filho Chris morreram de câncer.

3. A . A. Allen morreu de alcoolismo.

4. John Lake morreu de um colapso.

5. Gordon Lindsey morreu do coração.

6. O cunhado de Kenneth Haigin morreu de câncer.

7. O mesmo aconteceu à sua irmã

8. Sua esposa foi operada e o próprio Haigin usou óculos até morrer.

9. Kathryn Khulmann morreu do coração.

10. Daisy Osborne morreu de câncer, jurando que havia sido curada.

11. Jamie Buckingham morreu de câncer.

12. Fred Price conseguiu uma quimioterapia para a sua esposa.

13. John Osteen procurou ajuda médica para curar o câncer da esposa.

14. A esposa de Charles Capps fez tratamento médico de câncer e também Joyce Meyer.

15. Mack Timberlake está se tratando de um câncer na garganta.

16. R. W. Shambach fez quatro pontes safenas.

17. O Profeta Keith Greyton morreu de AIDS.

Isso é uma prova convincente não são bem assim como pregam entusiasticamente esses "profetas" do materialismo. Por ai percebe-se que não vivem o que pregam!

Restauração da igreja primitiva com apóstolos e profetas

Ha mais de duzentos anos o mormonismo vem pregando uma "restauração" da igreja primitiva composta por Profetas, Apóstolos etc. Nesses últimos tempos uma doutrina parecida tem sido divulgada no Brasil por igrejas evangélicas em especial as adeptas do G12. Vale lembrar, que há séculos a Igreja Romana prega a doutrina da sucessão apostólica, tendo o Papa como sucessor de Pedro. O texto base de tais igrejas, normalmente é Ef.4.11, tirado de seu contexto. Jesus escolheu doze apóstolos, dos quais Judas Iscariotes se suicidou, ficando 11. Depois Matias foi acolhido apóstolo para ser junto com os onze testemunha da ressurreição do Senhor (At.1.21-26) , posteriormente Paulo, foi chamado pelo próprio Senhor para ser apóstolo e mesmo assim se considerava um abortivo, como nascido fora de tempo por ter sido o ultimo a ver o Senhor (1 Cor.15.7-9). Se a instituição de apóstolos na igreja fosse algo necessário até a vinda do Senhor, Paulo não teria razão para fazer tal afirmação. Depois que morreu o ultimo apóstolo, nunca mais ninguém na igreja primitiva foi reconhecido ou ordenado Apóstolo. O dom de profecia é para a exortação edificação e consolação, não para dirigir a vida de ninguém ou para transmitir ordenanças a igreja, e muito menos para dar "autoridade" sobre quem quer que seja (cf.1Cor.14. 3).

Confissão de Pecados aos Lideres

Tiago 5:16 "Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo."

Esse texto tem sido usado para tentar provar que, temos que confessar nossos pecados para sermos de alguma forma, libertos. Certa vez ouvi um dos integrantes de uma banda gospel, vinculada a uma comunidade que pratica o G12, dizer que quem não confessar seus pecados aos seus pastores ou lideres, para que eles liberassem a "benção do perdão" , sofreriam ações diabólicas. Isso parece a doutrina católico romana da confissão auricular. O Texto Bíblico acima refere-se ao ensino de Jesus, sobre perdoar o irmão que pecar contra nós. Tiago está exortando a igreja à reconciliação e ao perdão mutuo. Veja, que antes dele falar em cura, ele fala em oração..."orai uns pelos outros para serem curados" é a ação divina em resposta a oração que cura e restaura, física e espiritualmente e não a confissão auricular. Somente a Deus devemos confessar nossos pecados.

Praticas Judaizantes
Valnice Milhomens, em entrevista à revista Vinde declarou:

"Meu contato com Israel me mostrou várias coisas, como os dias proféticos, as alianças: seis' dias trabalharás e ao sétimo descansarás. Êxodo 31 declara que o sábado é o sinal de uma aliança perpétua e da volta de Cristo."



A Sra.Milhomens, contradiz frontalmente o ensino neotestamentario do fim da Lei mosaica em Cristo Jesus ( Rom.14.5, Col 2.16, Ef.2.15, Gal.3.23-25) . Da mesma forma a circuncisão era uma aliança perpetua e nem por isso ela a instituiu em sua igreja ( Gen.17 10-14). Esta Sra, já chegou declarar que Jesus vai vir em um Sábado de 2007, sendo que o próprio Senhor Jesus, declarou que o dia e a hora de sua vinda ninguém sabe. (Mat 24:36,43,50. 25:13)

MIR

As festas bíblicas são ordens sagradas do Senhor. Elas não são apenas judaicas; são, antes de mais nada, do Senhor, declaradas como estatuto eterno (Lv. 23:1-44).
www.mir.org. br

O Encontro de Levitas é um Encontro voltado para o resgate do Ministério Levítico dentro da Visão Celular no Governo dos 12. Esse encontro traz princípios e conceitos sobre os levitas, todo o histórico desde o seus surgimento até os nossos dias.
www.mir.org. br

Com respeito a celebrar a festa dos tabernáculos veremos como era observada:

" Fala aos filhos de Israel, dizendo: Aos quinze dias deste mês sétimo, será a Festa dos Tabernáculos ao SENHOR, por sete dias.

Ao primeiro dia, haverá santa convocação; nenhuma obra servil fareis.

Sete dias oferecereis ofertas queimadas ao SENHOR; ao dia oitavo, tereis santa convocação e oferecereis ofertas queimadas ao SENHOR; é reunião solene, nenhuma obra servil fareis.

São estas as festas fixas do SENHOR, que proclamareis para santas convocações, para oferecer ao SENHOR oferta queimada, holocausto e oferta de manjares, sacrifício e libações, cada qual em seu dia próprio," (Lev.23.34-37)

Resta saber se eles realmente observam a Festa dos Tabernáculos como está prescrito na Lei. Se eles não observam dessa forma, não estão observando o preceito. Se observam, estão anulando o sacrifício de Cristo, oferecendo holocaustos e sacrifícios. Isso mostra o grau de apostasia em que o MIR está envolvido O Apostolo Paulo deixa bem claro que não precisamos observar os dias santos e cerimônias judaicas ( Col.2.16, Gal. 4.9-11).

Levitas? Que absurdo! Não existe mais ministério levitico nos dias atuais. O ministério levitico como o próprio nome já diz se refere aos integrantes da tribo de Levi. Portanto é heresia grosseira querer instituir esse ministério na igreja. O Novo Testamento ensina que o ministério levítico cumpriu sua função e foi substituído pelo ministério de Cristo. (Heb 7:5-28)

Atos Proféticos
Mais um modismo! Esses atos proféticos estão baseados na crença de que o cristão faz ou diz, tem repercussão no mundo espiritual. Alguns chegam a blasfemar ensinado que assim como Deus, pela sua palavra falada, trouxe todas a coisas a existência, da mesma maneira, nós como sua imagem, podemos trazer coisas a existência pelo poder da palavra falada. Esse ensino é uma blasfêmia idolátrica, que procura assemelhar o homem a Deus. Esses atos proféticos normalmente tem como objetivo, "conquistar" cidades ou nações para o Reino de Deus. A palavra de Deus nos ensina a ganhar almas para o Reino de Deus através da pregação do evangelho de Jesus Cristo, e não através de "declarações de posse" ou de "orações reivindicatórias. " Líderes de diversas comunidades ligadas ao G12 e ao apostolado contemporâneo, estão planejando uma série de "atos proféticos" para a redenção do Brasil até 2007, o ano anunciado por Valnice Milhomens para o retorno de Cristo. O primeiro desses atos foi feito na Igreja Batista da Lagoinha em Belo Horizonte e o ultimo está marcado para ser em Porto Alegre. Sinomar Ferreira falando sobre esses atos proféticos declarou: "Os atos proféticos são extremamente importantes, por que aquilo que é feito aqui na terra tem repercussão no céu" Isso mostra o caráter herético de tais atos, pois insinua que podemos manipular o mundo espiritual. Crença parecida com as dos Bruxos da Nova Era que acreditam poder manipular as forças da natureza através de palavras mágicas e encantamentos. [Vide o livro "A Sedução do Cristianismo" de Dave Hunt]

Que Pastores, lideres e membros de Igrejas, estejam vigilantes, para que ventos de doutrinas não invadam suas comunidades eclesiais, causando divisão e confusão em seu meio. Fica aqui um alerta: Antes de convidar alguém para pregar em suas igrejas, acampamentos, retiros etc. Procure se informar bem, sobre a linha doutrinária seguida por essa pessoa, para evitar futuros problemas.



QUE DEUS TENHA MISERICÓRDIA DA IGREJA EVANGÉLICA BRASILEIRA!

Prof. João Flavio Martinez
--
Soli DEO Gloria

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Um batista na Casa Branca

Bush: afã religioso

Apesar da rígida separação entre Estado e Igreja, George W. Bush é um dos presidentes mais religiosos da história recente norte-americana. Mesmo assim, não se pode falar em tendência a uma religião oficial no país.

Numa comparação entre as nações industrializadas, os Estados Unidos são o país com o maior número de cidadãos religiosos. De acordo com depoimentos próprios, mais de 65% da população do país se diz adepta de uma crença e as igrejas costumam ficar cheias nos fins de semana. A maioria dos norte-americanos reza diariamente – também em público – e acredita na vida após a morte. Não seria de se estranhar, então, que a religião exerça, também no âmbito político, um papel essencial.

Religiões prosperam

No entanto, a separação entre Igreja e Estado é um dos fundamentos da Constituição norte-americana. Um quesito no qual nem o presidente George W. Bush ousou tocar. E nem mesmo quis fazer isso, garante Alan Wolfe, especialista em questões religiosas. Segundo ele, a separação entre Igreja e Estado ainda é intocável no país. "Na Europa, há religiões oficiais, que estão morrendo. Nos EUA, onde a liberdade religiosa se tornou um princípio, as religiões prosperam", diz Wolfe. Abolir no país a separação entre Estado e religião significaria o fim das religiões, acredita o especialista.

Mesmo neste contexto, é possível dizer que a religião ganhou uma dimensão ainda maior desde a chegada de Bush à Casa Branca. Até antes de começar sua cruzada contra o "Eixo do Mal", o presidente já demonstrava seu afã religioso. Uma de suas primeiras medidas, ao assumir o cargo após a polêmica eleição em 2000, foi nomear um encarregado especial da Casa Branca para questões filantrópicas e religiosas. Bush quis, com isso, tirar parte das tarefas de cunho social das mãos do Estado e fortalecer o papel da Igreja no setor da assistência social.

Metafísica e política externa

Fato é que o presidente norte-americano é um membro praticante da Igreja Batista. A opção pela religião surgiu relativamente tarde na vida de Bush, depois que ele resolveu se abster do álcool e se entregar "à virtude". Frente ao cronista Bob Woodward, o presidente até mesmo confessou receber incumbências de um "poder maior". Com a luta contra o que chamou de "Eixo do Mal", Bush introduziu uma categoria metafísica na realidade da política externa. Vários observadores viram aí um afã religioso excessivo.

O especialista Alan Wolfe suspeita, porém, que Bush não é tão religioso quanto as pessoas acreditam que seja. "De qualquer forma, ele não é cristão da forma como interpreto o conceito de cristão. Não vejo, por exemplo, nada da humildade e do pacifismo de Jesus Cristo em seu comportamento."

"Tampouco há nele a dúvida, própria da tradição das reflexões agostinianas sobre o conceito de pecado. Assim, sua política externa é de fato perigosa, contudo não porque seja movida pela religião, mas sim por se inspirar numa religiosidade mal compreendida ou por ser encabeçada por um homem cuja personalidade gera perigo", diz Wolfe.

Criacionismo x darwinismo

Escolas norte-americanas: criacionismo em vez de DarwinHoje, as seitas pentecostais nos EUA descobriram novos campos de ação para além da Casa Branca. Um de seus propósitos é reformar os currículos escolares em todo o país, colocando para escanteio a Teoria da Evolução de Darwin, em prol do que chamam de visão de mundo "criacionista", que propaga até mesmo no âmbito das Ciências Naturais a existência de uma força criadora celestial.

Para a Casa Branca, no entanto, acredita William Galston, do renomado think tank Brookings, os propósitos de uma direita religiosa não surtem mais um efeito estratégico, uma vez que entre os candidatos republicanos para as eleições de 2008 não há, até agora, nenhum candidato em vista.

"A direita religiosa está decepcionada com os atuais candidatos nos quadros republicanos e sente-se desprezada por estes", aponta o especialista. Os três candidatos com mais chances – John McCain, Rudolph Giuliani e Mitt Romney – são vistos, por razões distintas, com desconfiança pela direita religiosa. "Escolher um entre esses três é visto como um ato do Diabo", conclui Galston.

Direita religiosa: menos influência

De acordo com o especialista Wolfe, é clara a tendência de redução gradual da influência da direita religiosa no país. Segundo ele, vem diminuindo nos EUA o número de pessoas para as quais a religião é o que há de mais importante, e que só vêem a política sob lentes religiosas. "A direita religiosa teve os olhos maiores que a barriga", diz Wolfe.

"Seus líderes James Dobson e Richard Land reclamam que não possuem nenhum candidato para a presidência em 2008. E eles realmente não têm esse candidato. Toda essa conversa repetida por oitos anos consecutivos pelo ideólogo-mor do Bush, Karl Rove, de que as bases do Partido Republicano haviam se transformado numa fortaleza religiosa-conservadora indestrutível, acabou se mostrando vazia. Essa fortaleza, no fim de tudo, não existe."

Deutche Welle

Tribunal derruba decisão sobre testemunha-de-jeová

Cai por terra decisão da Justiça de Uberaba garantindo transfusão de sangue em paciente com câncer seguidor da seita Testemunhas de Jeová. A medida, de caráter precário (tutela antecipada), livra o paciente, um estudante de 19 anos de idade, que é de Guarulhos, mas estava internado no Hospital Escola de Uberaba para tratar de câncer no sistema linfático.

O próprio paciente – A.L.C.S. – acionou o Tribunal de Justiça de Minas, inconformado com a decisão de junho deste ano, garantindo aos médicos responsáveis por seu tratamento o direito de submetê-lo a transfusão de sangue ou de plaquetas durante a quimioterapia. Assim que deixou o hospital, o rapaz esteve pessoalmente no Tribunal de Justiça de Minas para entregar amplo memorial sobre as razões para sua recusa. O desembargador Geraldo Augusto, que atuou no julgamento, é um dos que receberam a documentação, como o próprio fez questão de informar no processo.

Pelo acórdão agora publicado, não é possível saber se a transfusão chegou a ser feita, bem como a médica responsável pelo atendimento do mesmo se recusa a se manifestar a respeito. Aliás, foi a médica quem acionou a Promotoria de Defesa da Saúde, pedindo providências a partir da negativa do paciente e de sua família a se submeter ao tratamento quimioterápico, que inclui a transfusão. Na época foram várias as tentativas de convencer o paciente e sua família, mas sem êxito. O próprio paciente chegou a assinar documento dizendo expressamente que não autoriza a transfusão de sangue ou de derivados sangüíneos.

Como o estado de saúde do rapaz era grave, a promotoria entrou na Justiça expondo os fatos e pedindo ordem judicial que garantisse a intervenção, o que foi autorizado pelo juiz da 4ª Vara Cível de Uberaba, admitindo até o uso de força policial para que o determinado fosse cumprido.

Vale lembrar que pessoas que integram a corrente religiosa denominada Testemunhas de Jeová têm como um dos dogmas a seguir o não-recebimento de transfusão sangüínea de espécie alguma. Daí o conflito, que foi parar na Justiça. Enquanto o paciente recusava o tratamento, a promotoria e os médicos temiam que o mesmo viesse a morrer.

O autor do recurso chegou a alegar que o Ministério Público não teria legitimidade para entrar na questão, com o que não concordou o Tribunal de Justiça.

Por outro lado, os desembargadores que decidiram a favor do paciente. Conforme consta no acórdão, foi respaldado o fundamento quanto à capacidade de liberdade e consciência do rapaz, seja na escolha de sua religião, bem como em decidir se aceita ou não tratamento médico indicado. No caso foram considerados fundamentos garantidos pela Constituição Federal, conforme se vê no voto do desembargador Alberto Vilas Boas, que atuou como relator no processo. "Aparentemente, o direito à vida não se exaure somente na mera existência biológica, sendo certo que a regra constitucional da dignidade da pessoa humana deve ser ajustada ao aluído preceito fundamental para encontrarem-se convivências que pacifiquem os interesses das partes", diz trecho do acórdão, acrescentando que "resguardar o direito à vida implica, também, em preservar os valores morais, espirituais e psicológicos que se lhe agregam". Após fazer a observação, o julgador lembra que "a receptação de sangue pelo seguidor da corrente religiosa Testemunhas de Jeová o torna excluído do grupo social de seus pares e gera conflito de natureza familiar que acaba por tornar inaceitável a convivência entre seus integrantes".

Ex-Pastor Adventista Faz Revelações Importantes


O FATOR ANIQUILADOR NOS ESCRITOS DE ELLEN G. WHITE

por: Haroldo S. Camacho, Ph.D.1


Por muitos anos dava-me conta que algo não saía bem nas contas dos escritos que eu tinha aceitado como sendo o "espírito de profecia". Apesar do que lia nos escritos de Ellen G. White tinha certo teor de verdade, ao fazer a soma do que tinha lido existia um vazio, algo que não somava à totalidade de todo o bem que aparentava. Muito mais, seus escritos davam um saldo em vermelho, que eu mesmo sentia como uma agressão contra minha pessoa, contra minha personalidade, contra meu sentido de ser, contra a lógica necessária para entender a vida. Dava-me conta que cada tanto me parecia que encontrava uma contradição, mas não podia entender onde, como e quando ocorria. Apenas me dava conta de que algo tinha lido que me fazia sentir que me deixara profundamente confundido. O único conselho que recebia como pastor era que confiasse em seus escritos porque eram da pluma inspirada e, assim como na Bíblia havia coisas difíceis de entender, os escritos de Ellen G. White também tinham essa característica.

Naquele tempo, não tinha recebido a preciosa luz do evangelho de Cristo, de tal modo que não podia ver que o que me tinha deixado assim. O evangelho é certamente a luz que alumia e dissipa as trevas. Foi a luz de Cristo, e Cristo crucificado, o que me levou a descobrir o que chamei "o fator aniquilador" nos escritos de Ellen G. White.

Este fator está escondido em seus escritos. É sumamente poderoso, perigoso e faz parte do sutil engano por trás de todos seus escritos. É um engano espiritual maior que todas as acusações de plágio literário que já consta há em seus escritos.

O fator aniquilador funciona da seguinte maneira: Os escritos White, por exemplo, com respeito à formação e criação dos meninos parecessem conter conselhos acertados por sua sabedoria, sentido comum e bem-estar para os meninos e os jovens.

Até que, de repente, escondido entre tantos supostos bons conselhos aparece uma declaração que funciona como "o fator aniquilador. " A nova declaração, escondida em seus escritos, está totalmente oposta em intenção e contradiz o que dizem seus escritos em outras lugares. A declaração contraditória é rotundamente "aniquilador" de tudo o que está dito em outras partes. Não somente aniquila os bons conselhos senão que introduz outro procedimento, ensino ou doutrina que substitui o aniquilado. Esse novo ensino é contrário aos anteriores e é de maior força e rigor que todos os demais.

Por exemplo, em Orientação da Criança encontram-se conselhos como os seguintes:

"O marido e a esposa devem estar intimamente unidos em seu trabalho na escola do lar. Devem ser muito ternos e comedidos na linguagem, para não abrirem uma porta de tentação pela qual Satanás entre para obter uma vitória sobre a outra. Devem ser bondosos e corteses um para com o outro, agindo de tal maneira que se possam respeitar mutuamente. Cada qual deve ajudar o outro a trazer para o lar uma atmosfera agradável e sadia. Não devem divergir na presença dos filhos. Sempre deve ser conservada a dignidade cristã. Carta 272, 1903." Orientação da Criança, pág. 24.

À primeira vista, quem diria que este conselho tem algo de mau? É oportuno, parecesse fomentar o respeito, a dignidade, a estima própria entre pais e filhos. Como esse, há muitos, até que, sem se dar conta, alguém tropeça com a declaração aniquilador que anula, veta, cancela e suplanta tudo o que parecesse bom. No entanto, o "fator aniquilador" vem camuflado em termos, frases, palavras, sentimentos profundamente espirituais.

"Os pais não terão desculpas se deixarem de obter uma compreensão clara da vontade de Deus para poderem obedecer às leis de Seu reino. Só assim poderão guiar os filhos para o Céu. Meus irmãos e irmãs, é vosso dever compreender as reivindicações de Deus. Como podereis educar os filhos nas coisas de Deus a não ser que saibais primeiro o que é certo ou errado, a não ser que reconheçais que a obediência significa vida eterna e a desobediência morte eterna ? (Manuscrito 103, 1902)." Orientação da Criança, pág. 65.

O leitor Adventista desapercebido passa voando sobre esta declaração e aceita-a sem critério algum. Mas, camuflado, escondido, compenetrado nessa declaração, está o "fator aniquilador" . Essa última citação nulifica, cancela, veta, todo bom conselho que ela desse com respeito ao trato dos pais para os filhos.

Nessa declaração o valor de maior importância é a obediência. Os pais têm a obrigação de compreender as leis do reino de Deus e obedecer-lhas. Esta obediência é a única coisa que os capacita a conduzir "a seus filhos ao céu". E esta obediência não é qualquer coisa, é assunto de vida ou morte eterna. De tal modo, que se a obediência é a norma que rege a relação dos pais diante de Deus, a conclusão à qual chega o pai é que, da mesma maneira, seus filhos têm que obedecer. Os filhos podem perder a vida eterna senão obedecem a seus pais e a Deus! De tal modo que os pais atuarão para seus filhos não com o amor e o afeto que dita a primeira das citações (Carta 272, 1903), senão com a intenção que seus filhos obedeçam a todo custa. Se não obedecem, podem perder até a vida eterna. De tal modo que muitos pais adventistas abusam fisicamente de seus filhos, impondo-lhes a lei do lar, obrigando-lhes a que obedeçam à força para que não percam a vida eterna por desobedecer. O fator aniquilador nos escritos White destruiu todo o efeito de suas outras declarações.. É um engano sumamente sutil.

Se alguém perguntar a um leigo ou a um pastor adventista se crê nestas citações, dir-lhe-á com toda segurança que todas são verdadeiras e atinadas e não verá nem a mais mínima contradição entre elas. Mas, quando se encontra em apuros atuará sob o poder do fator aniquilador e não das outras citações que parecessem ditar um trato bom e amoroso. O último se usa somente para camuflar o fator aniquilador, o fator de maior e mais poderosa influência sobre pais e filhos.

Outro exemplo do fator aniquilador se apresenta no começo do livro "Orientação da Criança". Se não estivesse tão bem camuflado em frases tão espirituais seria fácil de ver. Mas, o leitor adventista desapercebido o toma e aceita sem questionamento algum porque provém da "pluma inspirada".
"É privilégio dos pais levar os filhos consigo aos portais da cidade de Deus, dizendo: "Procurei instruir meus filhos no amor do Senhor, para fazer a Sua vontade e glorificá-Lo. " A esses se abrirão as portas de par em par, e pais e filhos entrarão. Mas nem todos poderão entrar. Alguns serão deixados fora com os filhos, cujo caráter não se transformou pela submissão à vontade de Deus. Erguer-se-á uma mão, sendo pronunciadas as palavras: "Negligenciastes os deveres do lar. Deixastes de fazer a obra que teria habilitado a alma para um lar no Céu. Não podeis entrar.." Fechar-se-ão as portas aos filhos, por não terem aprendido a fazer a vontade de Deus, e aos pais por haverem negligenciado as responsabilidades que sobre eles repousaram. Manuscrito 31, 1909." Orientação da Criança, pág. 13.

O "fator aniquilador" nesta citação funciona de duas maneiras: Aniquila todo bom conselho que se apresenta no livro e aniquila toda menção que fizesse Ellen G. White em outros escritos com respeito à graça e a misericórdia de Deus. De fato, há numerosas citações aniquiladoras da graça de Deus camufladas e escondidas nos escritos White.

Por agora, há que se deter na última citação para desmascarar o fator aniquilador. Há que se recordar que o engano funciona não abertamente, senão camufladamente com toda artimanha e sutileza. No início do livro "Orientação da Criança", o livro que por muitos anos se difundiu ao redor do mundo nos lares adventistas, encontra-se camuflado o modelo que muitos pais adventistas seguem na criação de seus filhos para a destruição de seus sentimentos espirituais. Ellen G. White apresenta o fator aniquilador como se o tivesse visto em visão. Neste suposto palco, há pais que entram pelas portas celestiais após ter declarado confiadamente que ensinaram a seus filhos a amar ao Senhor, fazer sua vontade e glorificá-lo. . Apresentam-se muito próximo do céu com as boas obras de sua habilidade e capacidade de pais. Esta é a primeira parte do fator aniquilador, porque de imediato aniquila a graça de Deus. Não é por nenhuma obra humana que nos apresentamos perante Deus, porém somente pela obras perfeitas de Cristo que ele mesmo apresenta em nosso favor perante o Pai.

Em seguida vem outro fator aniquilador. Os pais que não conseguiram que seus filhos amassem ao Senhor, fazer sua vontade ou lhe obedecer verão uma mão levantada bem alto, à maneira de rejeição, com as horripilantes palavras que foram todos um fracasso como pais. Não podem entrar. As portas se fecham na cara aos filhos porque não aprenderam e aos pais porque fracassaram. Que maior engano! A salvação pelas obras, e as obras como pais. Onde está a graça? Onde está o sangue de Cristo? Esta citação é aniquiladora não somente da obra da graça à qual são chamados os pais com seus filhos e esposos com esposas. É aniquiladora da obra redentora de Cristo na cruz ao verter seu sangue para oferecer a salvação a todo pecador. Desde ali que esta citação aniquiladora e este princípio aniquilador anula e cancela todo princípio evangélico e coloca aos escritos de Ellen G. White no âmbito do erro e do engano que se profetiza nas escrituras que virá nos últimos dias. De todos os enganos, o engano dos escritos de Ellen G. White parecesse ser o mais sutil por sua camuflagem dentro do cristão, o bíblico e o espiritual. Mas, a destruição espiritual de muitos jovens e pais adventistas se deve a este fator aniquilador nos escritos de Ellen G. White. Estão regados por todos seus escritos e só o colírio do evangelho o aclara em nossos olhos para enxergar o poder e a sutileza de tão enorme engano!

A doutrina adventista em geral está repleta deste fator aniquilador proveniente dos escritos de Ellen G. White.

A doutrina adventista afirma que crê no santuário e no ministério sacerdotal de Cristo. Mas o fator aniquilador é a doutrina do "juízo investigativo" que alegam realiza-se neste momento e está por terminar em breve. A doutrina do "juízo investigativo" aniquila a esperança dos salvos na obra acabada e terminada de Cristo em favor do pecador quando entrou uma vez por todas no santuário celestial após sua ressurreição.

Outra doutrina relacionada é que Cristo é o único mediador entre Deus e o homem. Mas a doutrina aniquiladora de Ellen G. White, que o adventismo assume, é que chegará o momento em que todo ser humano terá que viver perante Deus sem Cristo como seu intercessor. .

"Deixando Ele o santuário, as trevas cobrem os habitantes da Terra. Naquele tempo terrível os justos devem viver à vista de um Deus santo, sem intercessor. " O Grande Conflito, pág. 614.

De tal modo que o crente pensa que, se no futuro terá que viver sem Cristo como seu intercessor, a melhor preparação para essa crise final é viver sem Cristo como seu mediador agora. O adventista confia mais em seus méritos que nos méritos de Cristo, pois afinal de contas terá que se apresentar perante Deus sem intercessor algum nos dias da crise final.

A doutrina adventista alega que crê em Cristo como ser divino, da mesma substância do Pai. Mas aniquila esta doutrina com o sofisma que Cristo também é o arcanjo Miguel! Na mente do crente, Cristo é rebaixado ao nível de anjo, não importa tudo o que aleguem que Cristo é divino. Neste sentido, o engano é pior que o engano das Testemunhas de Jeová, porque as Testemunhas, a princípio, afirmam que Cristo é criado. Os adventistas, ainda que no passado já creram que Cristo era um ser criado, hoje afirmam crer na plena divindade de Cristo. No entanto, desdizem sua afirmação com o fator aniquilador de que Cristo é o arcanjo Miguel. Os adventistas, sem se dar conta, pensam que crêem em que Cristo é divino, mas o rebaixam ao nível de arcanjo. Desta maneira, também, resta-lhe importância a seu sacrifício e se soma importância ao sacrifício pessoal do crente para obter a salvação.

"Ainda mais: Cristo é chamado o Verbo de Deus. João 1:1-3. É assim chamado porque Deus deu Suas revelações ao homem em todos os tempos por meio de Cristo. Foi o Seu Espírito que inspirou os profetas. I Ped. 1:10 e 11. Ele lhes foi revelado como o Anjo de Jeová, o Capitão do exército do Senhor, o Arcanjo Miguel. Foi Cristo que falou a Seu povo por intermédio dos profetas.. Escrevendo à igreja cristã, diz o apóstolo Pedro que os profetas ." Patriarcas e Profetas, pág. 366.

Desestimar a Cristo como ser divino ao lhe chamar de arcanjo Miguel é uma maneira de passar por alto sua grandiosa obra de redenção derramando seu sangue na cruz em favor de todo pecador.
A doutrina adventista afirma que suas doutrinas se fundamentam somente nas escrituras, mas o fator aniquilador é a inclusão dos escritos de Ellen G. White como fonte contínua e autorizada de verdade para a igreja.

"18. O Dom de Profecia

Um dos dons do Espírito Santo é a profecia. Este dom é uma característica da Igreja remanescente e foi manifestado no ministério de Ellen G. White. Como a mensageira do Senhor, seus escritos são uma contínua e autorizada fonte de verdade e proporcionam conforto, orientação, instrução e correção à Igreja."

http://www.portalad ventista. com/site/ index.php? option=com_ content&task=view&id=10&Itemid=4
Ellen G. White instou a seus seguidores a crer na Bíblia e somente na Bíblia, mas o fator aniquilador está em que ditou que seus escritos seguiriam em vigência até o fim do mundo e que os detratores de seus escritos se perderiam.

É um fator sumamente aniquilador não somente da Bíblia senão, outra vez, do sangue de Cristo e de sua eficácia para salvar.

A doutrina adventista alega a santidade do sábado, mas aniquila o significado do sábado como o repouso pela fé em Cristo ao qual o crente entra eternamente para repousar na obra acabada de Cristo em seu favor. Quando Ellen G. White vigorosamente instrui a seus fiéis a que jamais digam que são salvos, aniquila a doutrina do sábado como o repouso em Cristo pela fé. Torna-se nula toda observância sabática e sem efeito algum.. No entanto, os adventistas seguem observando e guardando os seus sábados sem se dar conta que, ao não crer em Cristo como seu repouso e segurança, têm aniquilado todo significado espiritual do sábado.

O fator aniquilador que se encontra nos escritos de Ellen G. White é a prova mais definitiva da falsidade de seus escritos e que seus escritos contêm um espírito contra o evangelho da graça de Deus em Cristo Jesus que derramou seu sangue para nos limpar de todo pecado.2

Haroldo Camacho

www.evangelioeterno .blogspot. com

haroldocc@hotmail. comEsta direcção de correio electrónico está protegida contra os robôs de spam, precisa ter Javascript activado para poder vê-la

30 de janeiro de 2007

Palm Springs, CA

1. O Dr. Camacho foi pastor, evangelista, professor e administrador em diferentes campos da igreja Adventista na América do Sul e nos Estados Unidos da América do Norte. Atualmente está radicado em Palm Springs, Califórnia, onde escreve do evangelho de Cristo e participa em estudos bíblicos com ex-adventistas.

2. Dói-me muito por meus irmãos adventistas porque estão sob um feitiço, um encanto proporcionado e criado pelo maligno. Eu, firmemente, cheguei a achar que quem acordava a Ellen G. White para que escrevesse não era nem Jesus, nem seu anjo, senão um anjo maligno de Satanás para que ela preparasse todo tipo de artimanha que, se fora possível, enganasse aos escolhidos. Esse espírito contra a graça de Cristo se manifesta ao longo de todos os seus escritos com o fator aniquilador e é a prova mais contundente da falsidade de seus escritos.

Traduzido e adaptado de http://www.exadvent ista.com

Fé sem limites: Seita leva religiosos do ES a trocarem bens por salvação no Céu

Em nome da fé, uma comunidade de várias famílias vive isolada em uma espécie de condomínio no entorno da capital capixaba. Mais de 200 fiéis agregados à comunidade Tabernáculo Vitória, localizada no Bairro Santa Teresa, na periferia da cidade, vivem praticamente a margem da sociedade. Por trás de uma parede de concreto, os membros da comunidade moram em quitinetes erguidas dentro dos limites territoriais da própria igreja. Só quem vive dentro dessa 'fortaleza' pode freqüentar os cultos. Um templo diferente daqueles que muitos religiosos costumam freqüentar.

É nesse ambiente, que os moradores aguardam o retorno de Jesus à terra: o Dia da Salvação. Mas para morar ali, tiveram que pagar um preço, que muita gente sequer imagina: todos os fiéis que se agregam à comunidade se desfazem de bens pessoais e os entregam para a administração do local para ajudarem na manutenção das quitinetes, contam vizinhos do Tabernáculo.

E, não são somente os serviços ligados a fé que podem ser encontrados por lá. A alimentação é comprada pelos fiéis no restaurante localizado no terreno do templo. Fora os fiéis, ninguém tem acesso às dependências internas do Tabernáculo Vitória. As encomendas, como gás, remédios, comida, entre outros itens, são deixadas pelos entregadores na portaria do prédio para que sejam transportadas para dentro da comunidade pelos próprios fiéis.

De acordo com o site da comunidade, os cultos são realizados às segundas, quartas e sextas-feira às 19h30, e domingo às 18h. No entanto, uma funcionária da igreja, identificada como Ana Paula, informou que os cultos são fechados aos membros da comunidade que vivem nas quitinetes, mas que ultimamente não estão ocorrendo, sem dizer os motivos pelos quais foram suspensos.

A afirmação da funcionária foi confirmada por moradores vizinhos ao prédio. O operário Alan Amaral contou que há anos ele mora na rua, mas nunca assistiu nenhum culto porque são celebrados sempre a portas fechadas. Nem mesmo os fiéis que moram nas dependências conversam com a vizinhança.

"Ninguém tem acesso a essa igreja. Tem um membro da igreja que ele ficou na comunidade durante 20 anos. Ele disse que iniciou aos 17 e saiu com 37 anos. A esposa, que continua morando na quitinete, pediu o divórcio e ele não pode mais entrar na igreja nem para ver os filhos que estão lá dentro. Ele mesmo veio aqui conversar conosco e disse que está muito triste pois não pode conversar com os filhos. Ele disse que saiu da comunidade pois não iria mais vender os bens dele para dar a igreja", conta o operário.

Esse ex-membro da igreja contou a outro vizinho da comunidade, Aídson Dantas, que decidiu sair após perguntar ao presidente do Tabernáculo, pastor Inereu Vieira Lopes, se ele não iria vender a caminhonete dele, uma Ranger, para ajudar nos custos da comunidade. "Ele disse que foi por ele ter perguntado sobre a Ranger que o pastor mandou que se afastasse da igreja. Só o pastor e o filho dele, que possui um Pólo, podem guardar os veículos dentro das garagens da igreja.

Na tarde desta terça-feira (17), a reportagem da Redação Integrada Rádio CBN Vitória/Gazeta On Line esteve no local, mas não pode entrar no templo. Por meio de um interfone, um porteiro afirmou que o pastor Inereu não se encontrava, apesar da caminhonete dele estar estacionada em frente ao prédio naquele momento.

Repórter: Boa tarde, eu poderia falar com o pastor Inereu?
Porteiro: Ele não se encontra

Repórter: Alguém pode falar sobre o templo no lugar dele?
Porteiro: Só o administrador, o Tiago

Repórter: Ele está?
Porteiro: Vou ver, um momento. (alguns segundos depois...) Não ele também não se encontra.

Repórter: Tem algum morador das quitinetes no momento?
Porteiro: Aqui é um condomínio particular, eu sou apenas o porteiro, não tenho informação de moradores.

Repórter: Como eu faço para conversar com algum morador?
Porteiro: É complicado. Eu vou conversar com o Tiago (administrador) . A senhora procura outra hora.

Repórter: Mas não posso falar nem com um morador?
Porteiro: Eu creio que não

Repórter: Você pode abrir o portão para eu falar pessoalmente?
Porteiro: Não. Não posso não. Não tenho permissão para fazer isso.

Durante a permanência da reportagem no local, alguns moradores saíram e entraram rapidamente da comunidade. Para entrar eles se identificam pelo primeiro nome e olham para uma das câmeras que ficam em frente ao portão principal. Todos que saíam da comunidade por algum motivo, andavam rápido e não quiseram dar nenhuma declaração.

Letícia CardosoUma senhora chegou a dizer rapidamente que não podia falar nada. Apenas confirmou que morava no local. Ela vestia uma saia preta e uma camisa verde onde estava escrito: "Céus e Terra esperam por nós".

A comunidade Tabernáculo de Vitória está se expandindo para o interior do Estado. Na última semana, cerca de 120 pessoas saíram da sede do templo, em Vitória e foram para Ecoporanga. Uma moradora da cidade, que pediu para não se identificar, contou que as famílias estão instaladas em um galpão, localizado no Distrito Rural de Córrego do Paraíso, aguardando a conclusão das obras de um novo templo que está sendo erguido em uma área de aproximadamente dois hectares.

Segundo essa moradora, muitos fiéis estão vendendo todos os bens e entregando o dinheiro para a igreja em troca da 'salvação'. Muitos deles até mesmo já venderam as casas e estão morando no galpão, junto a outras famílias.

Tabernáculo não é filiado à Associação de Igrejas Evangélicas

O presidente da Associação de Pastores Evangélicos da Grande Vitória, pastor Enoque de Castro, afirmou que o pastor Inereu Vieira Lopes não é agregado a associação e nem o Tabernáculo de Vitória está vinculado a associação de igrejas evangélicas. De acordo o pastor Enoque, a prática de agregar fiéis em uma só comunidade, retirando todos os bens deles em troca da salvação é uma coisa errada.

Segundo ele, outras comunidades com o mesmo idealismo do Tabernáculo já tentaram se erguer no Estado mas não foram à frente. Para o pastor, não dá certo unir várias pessoas em um único ambiente, obrigando-as a se desfazerem de todos os bens para garantirem a salvação.

O pastor Inereu não foi localizado pela reportagem para falar sobre a doutrina da Tabernáculo de Vitória. Um assessor dele, identificado por Tiago, que é o administrador do templo, afirmou que o pastor é a única pessoa para se pronunciar a respeito da comunidade mas que não irá dar nenhum tipo de declaração à imprensa.

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

As Igrejas pentecostais

'O Rei está chegando' em Lagos, Nigéria

O movimento pentecostal se espalha pelos cinco continentes e compete cada vez mais com outras comunidades religiosas poderosas. Até 2030, seus líderes calculam haver suplantado a Igreja católica, em termo de fiéis.

O movimento pentecostal é há anos a tendência religiosa que mais cresce em todo o mundo. Especialistas já estimam em mais de meio bilhão o número de seus adeptos, o que ultrapassa, portanto, até mesmo as Igrejas protestantes. O movimento avança sobretudo na América Latina e na África.

A característica mais importante das Igrejas pentecostais, que também é própria do cristianismo, é sua ênfase na ação do Espírito Santo. Além disso, elas prometem a seus seguidores salvação da alma e recompensa material ainda em vida – contanto que paguem o devido dízimo.

Sua principal clientela são os pobres das metrópoles dos países subdesenvolvidos e emergentes. Mas também abordam os jovens da classe média, através das mídias eletrônicas, como a televisão e a internet. Outro alvo importante são os proscritos da sociedade dos países industrializados.

Preceitos retrógrados

Os pentecostais afirmam derivar da Bíblia sua ética e regras para a vida cotidiana. Assim, abominam a prática do homossexualismo, as relações sexuais extraconjugais, o aborto e o consumo alcoólico – pelo menos na fachada. Do mesmo modo que parte da Igreja católica na África assolada pela aids, fazem campanha contra o uso de preservativos.

Muitos igualmente rejeitam a teoria da evolução. Com freqüência, seus pastores e pregadores se destacam por seu apurado tino para negócios. Alguns, como David Oyedepo, fundador da Winner's Church em Lagos, Nigéria, chegaram a tornar-se multimilionários.

As Igrejas pentecostais são missionárias, formam lobbies políticos e demonstram forte engajamento social. Elas mantêm, por exemplo, jardins-de-infância, lares para idosos, hospitais e instituições para doentes mentais e dependentes de drogas. Seus fiéis se apóiam mutuamente nos chamados círculos domésticos, que se encontram todas as semanas para orar e ler a Bíblia.

Brasil à frente

"Entre meados do século 19 e início do século 20, os movimentos pentecostais apareceram em todos os continentes", relata a revista de encontro ecumênico e cooperação internacional Der Überblick, de Hamburgo.

A publicação cita, como origem das "modernas" comunidades pentecostais, os movimentos de salvação e grupos metodistas nascidos no começo do século 20 nos Estados Unidos, embora tendências religiosas semelhantes já existissem na Europa do século 18.

A maior destas Igrejas é a Assembléia de Deus, criada nos EUA. Entretanto, a maioria de seus fiéis não vive no país. Segundo o World Christian Database, em Boston, o Brasil – maior país católico do mundo – também possui o maior número de pentecostais – cerca de 24 milhões –, seguido pelos EUA, com 6 milhões e a Nigéria, com 3,9 milhões de adeptos.

Pelos cinco continentes

Seus missionários se alastram por todo o mundo, não apenas vindos dos EUA, como também do Brasil, Nigéria e Coréia do Sul, aparentemente com sucesso. Líderes pentecostais prevêem ultrapassar, em número de fiéis, os católicos na América Latina até 2030.

Segundo enquete do Pew Research Center de Washington, realizada em outubro de 2006, pertencem às Igrejas pentecostais 20% dos crentes da Guatemala, 33% dos do Quênia, 15% do Brasil, 4% das Filipinas, 10% da África do Sul, 9% do Chile, 18% da Nigéria e 5% dos Estados Unidos.

Somente na África, consta existirem 20 mil locais de culto desta comunidade religiosa. Na Alemanha, o movimento pentecostal conta com cerca de 300 mil seguidores, porém (ainda) mal é percebido publicamente.

Geraldo Hoffmann (av)

"O cristianismo irrita muita gente"

"O cristianismo irrita muita gente"

Para Hans Küng, a religião hoje é novamente um fator de poder. Existe uma grande afluência ao islã e ao budismo, mas não ao cristianismo. Em entrevista à DW-WORLD.DE, o polêmico teólogo suíço aponta os motivos.

DW-WORLD.DE: Temas religiosos novamente despertam um enorme interesse das pessoas, não só na Alemanha. Pode-se falar de um retorno das religiões?

Hans Küng: Retorno das religiões – isso é uma expressão ambivalente. A religião nunca havia sumido. Como a música, a religião é algo que permanece, mesmo que por um certo tempo seja suplantada. É certo que, desde o ressurgimento do islã, desde a fundação da República Islâmica do Irã em 1979, os europeus se conscientizaram de que não determinam o mundo sozinhos. Durante muito tempo, a Europa secularizada não percebeu que é um caso especial e que a religião em outros lugares é um poder.

"Não haverá paz entre as nações sem paz entre as religiões! Não haverá paz entre as religiões sem diálogo entre as religiões." Essas são duas frases centrais do princípio do etos mundial, elaborado pelo senhor. Na era da globalização, há possibilidades inimagináveis de comunicação via internet. Esse desenvolvimento pode melhorar o diálogo entre as religiões?

Em princípio, eu diria que sim, mesmo que isso implique uma série de problemas. É positivo que hoje possamos estar bem informados sobre outras religiões. Uma outra questão naturalmente é se se pretende estar informado. Há pessoas que não o querem, que já sabem tudo antes, sem que tenham estudado o islã.

Quem não quer saber isso?

Por um lado, são os cristãos fundamentalistas, que seguem literalmente a Bíblia e dizem que não precisam das outras religiões. Mas podem ser também pessoas muito secularizadas, dogmáticos do laicismo. Estes já coram quando simplesmente se fala a palavra religião, e acham que sobre isso não se precisa falar na escola. Eles têm dificuldade com o fato de que a religião novamente representa um fator de poder na história mundial.

De acordo com uma pesquisa representativa, o cristianismo não é mais a religião mais simpática aos alemães e, sim, o budismo. Como o senhor interpreta isso?

O budismo é visto no Ocidente como uma religião livre de dogmas, sem muitas prescrições. Trata-se de uma religião voltada para dentro, que dá importância à meditação, que não tem uma imagem demasiado antropomorfa, concreta, da última realidade. O outro fato é que o cristianismo, com sua concentração de poder, irrita muita gente.

Quando temos um papa que aparece o tempo todo, que, como senhor espiritual do mundo, tem a pretensão de que só quem está com ele é um cristão verdadeiro, que somente sua Igreja Católica Romana é a verdadeira igreja, então isso irrita muitas pessoas. E, mesmo que não protestem publicamente, elas se afastam e dizem que não querem ter nada a ver com isso.

Voltemos ao islã. Na pergunta sobre a "religião mais pacífica", o budismo lidera com 43% contra 41% do cristianismo. O islã fica com apenas 11% nesse ranking. O islã é uma imagem do inimigo no Ocidente?

Sim, o islã representa sem dúvida uma imagem do inimigo no Ocidente, visto que o Ocidente só se concentra em determinados pontos do islã. Isso já vale para a história. Os europeus o vêem sob o ponto de vista do avanço do islã do norte da África até a Espanha entre os séculos 8º e 15 e do domínio otomano nos Bálcãs. Mas não se vê nesse contexto que os cristãos não só realizaram as cruzadas, como também colonizaram todo o mundo islâmico, do Marrocos até as ilhas da Indonésia, no século 19.

Daí surgem tensões, muitas das quais o Ocidente não resolveu até hoje. Isso vale sobretudo para as relações entre os palestinos e Israel. Se tivesse sido feito um acordo de paz após a Guerra dos Seis Dias, em 1967, nunca teria surgido um Bin Laden, nem teriam ocorrido os ataques ao World Trade Center em 2001.

Em vez disso, propagou-se a sensação de que os ocidentais se fixam inclusive na santa Arábia, se instalam no Afeganistão, avançam em todo lugar, de modo que se formam resistências. Obviamente temos de condenar homens-bomba e atentados. Mas é preciso refletir por que tantos jovens estão tão desesperados a ponto de se colocarem à disposição para tais atentados.

A Igreja Católica poderia contribuir mais para a solução desses conflitos e para o diálogo entre as religiões?

É preciso dizer que João Paulo 2º rejeitou claramente a guerra no Iraque, como também o fizeram o patriarca de Moscou, o arcebisto de Canterbury, o Conselho Mundial das Igrejas e o Conselho das Igrejas Norte-Americanas. Não é mais tão fácil entusiasmar as Igrejas para a guerra como era antigamente. Obviamente poderia ser feito mais, sobretudo em termos de esclarecimento.

Se o papa quis classificar o islã como religião violenta, em seu discurso em Regensburg, então ele mesmo notou que esse é o caminho errado. É preciso pensar nos rastros de sangue que os cristãos deixaram na história. Daí se será modesto e não se dirá, "nós temos a religião do amor e eles uma religião do ódio". Também a maioria dos muçulmanos no Egito, no Marrocos e no Afeganistão ou Paquistão quer paz, como eu e você.

O senhor acredita que o papa vê o discurso que fez em Regensburg como um erro? Não se tem necessariamente a impressão de que ele tenha se distanciado claramente do que disse.

Ele notou sim que foi um erro e teve de engolir muita crítica. Ele corrigiu seu discurso diversas vezes. Naturalmente é muito difícil para os romanos, e também para o bispo de Roma, o papa, admitir um erro. Quando se tem uma ideologia da infalibilidade também se comete erros infalíveis, que naturalmente não se pode corrigir. Mas foi evidente que o papa, em sua viagem à Turquia, fez um grande esforço para apagar a má imagem que obteve com o discurso de Regensburg.

Mesmo que o islã na Europa seja visto com ceticismo, mundialmente ele tem uma grande atratividade para muitas pessoas, principalmente para os jovens. Há 1,3 bilhão de muçulmanos e a tendência é que esse número aumente. De Rabat (capital do Marrocos) a Damasco há grupos políticos islâmicos que se tornam cada vez mais fortes. A que se deve isso? Os motivos são religiosos ou sociais?

Ambos. São grupos religiosos que se empenham pelas pessoas. Muitos muçulmanos nesses países têm a sensação de que as elites governantes têm uma vida própria e pouco se importam com o povo. Os grupos fundamentalistas islâmicos – ou como se queira chamá-los – se esforçam muito para fazer algo pelas pessoas. Eles providenciam escolas e educação, dão roupa e alimentação.

Por que o Hamas venceu as eleições? Porque ele se empenhou pelas pessoas. Uma das maiores tolices da política ocidental – aliás, corroborada pela política alemã – foi não reconhecer essas eleições democráticas. Em vez disso, se adverte: vocês precisam reconhecer Israel! Diga isso a pessoas que há décadas são terrorizadas por uma potência de ocupação. Não é dessa forma que se resolvem problemas. Deve-se reconhecer que há partidos que, sob determinadas circunstâncias, têm o islã como base, mas se empenham pelas pessoas.

Um exemplo melhor é o partido do primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, na Turquia. Por que eles venceram? Porque eles se empenharam pelas pessoas. Apesar de todas as fraquezas que eles têm, mostraram que conseguiram avanços enormes para o país e de forma alguma criaram um Estado islâmico como o Irã. Eles querem uma democracia, mas também não querem degradar o islã unicamente à esfera pessoal, como aconteceu sob [Mustafá Kemal] Atatürk, fundador do país.

O senhor certa vez classificou a Turquia como "laboratório da democracia". É possível conciliar fé, religião com democracia?

A religião pode conviver com a democracia. Os principais arquitetos da unificação européia, de Charles de Gaulle e Konrad Adenauer a Robert Schuman e Alcide de Gasperi, eram cristãos praticantes. O fato de o islã no momento ter mais problemas com a democracia do que com o cristianismo, se deve a que, no islã, ao contrário do que ocorreu no cristianismo e no judaísmo, não houve Reforma e Iluminismo – à exceção de alguns círculos. Quem pretende ajudar ali precisa apoiar as forças moderadas e isolar os radicais. A maior tolice é enfrentar essa gente com exércitos. Isso é tão estúpido quanto seria enfrentar a máfia com aviões de combate.

Até que ponto deveria ir então a disposição para negociar com as forças radicais? Seria necessário negociar também com o Talibã e a Al Qaeda?

Com a Al Qaeda você não pode negociar. Isso é uma organização terrorista secreta, que só se pode exaurir. Mas o Ocidente os regou tanto que eles puderam brotar. Os serviços secretos norte-americanos admitiram recentemente, em documentos sigilosos, que a guerra no Iraque ajudou a Al Qaeda. Antes não havia Al Qaeda no Iraque. Com o Talibã, com certeza, se poderia negociar. Eles não são todos loucos. Também lá há extremistas, mas, por outro lado, há entre eles os que advertiram a administração Bush para o 11 de Setembro. Não se levou isso a sério. Houve líderes de clãs no Afeganistão que advertiram contra uma intervenção militar no país.

Para concluir, uma pergunta pessoal: no dia 12 de setembro, o senhor apresenta a sua autobiografia Umstrittene Wahrheit (Verdade Controversa). Fazendo um balanço do seu trabalho sobre etos mundial, o senhor ainda o vê com tanto otimismo como em 1990, quando escreveu o livro sobre o assunto?

Quando escrevi o livro em 1990 tinha-se naturalmente a esperança de que futuramente não se resolveriam problemas com meios militares, agressões, inimizades e guerra e, sim, através da compreensão mútua, da cooperação e da integração – como havia ocorrido no Leste e no oeste da Europa. Isso lamentavelmente foi transtornado pela política desvairada iniciada pela segunda administração Bush, com a ajuda de uma clique de intelectuais judeus ultraconservadores, os assim chamados neocons, e fundamentalistas protestantes.

Não sou inimigo e, sim, um amigo dos americanos. Espero que, apesar desse retrocesso resultante da política de Bush Jr., na América se lembre da grande tradição democrática do país e se tente ser potência líder no sentido da compreensão, da moderação e da paz mundial.

Doeu-lhe o fato de o papa Bento 16 não ter aceito sua idéia do etos mundial?

Em princípio, ele aceitou a idéia. Ele também entende que é preciso haver padrões éticos comuns. Ele admitiu na conversa comigo que estes padrões devem valer na mesma medida tanto para crentes quanto para não-crentes. Era de se esperar que ele pessoalmente encampasse de forma clara essa idéia. Mas, o que ainda não ocorreu, talvez ainda possa acontecer.

---------------------
O teólogo católico e crítico da Igreja, Hans Küng, ganhou fama como um precursor do diálogo entre as religiões e como fundador do projeto Etos Mundial. Em 1979, o Vaticano cassou-lhe a licença para lecionar Teologia por ter colocado em dúvida a infalibilidade do papa. Em 2005, ele foi recebido por Bento 16 para uma conversa.



Fonte: Deutche Welle

sábado, 15 de setembro de 2007

Índia celebra festival do deus elefante Ganesh com forte esquema de segurança

Nova Délhi, 15 set (EFE).- Com o desfile de carruagens de uma das divindades hindus mais populares, o deus elefante Ganesh, a Índia inicia hoje a realização de um festival religioso de dez dias que este ano ocorre em meio a fortes medidas de segurança.

"Pode ser que os terroristas ataquem Hyderabad, Bangalore ou Mumbai, por isso temos que estar preparados", disse K.L. Prasad, delegado de Mumbai, citado pelo canal de televisão privado "NDTV".
Cerca de 4 mil agentes serão destacados pelas ruas da capital comercial da Índia, após o alerta levantado pelos ataques terroristas que mataram 42 pessoas na cidade de Hyderabad, no sul do país, em 25 de agosto.
Cidades como Mumbai e Pune, também situada no estado de Maharashtra (leste), realizam esta animada festa que inclui a instalação de tendas para a adoração do deus, a fabricação de efígies de Ganesh em barro e o som dos tambores que acompanha a dança das multidões.
Diz a mitologia hindu que Ganesh, divindade da sabedoria e da prosperidade, filho dos deuses Shiva e Parvati, impediu a passagem de seu pai enquanto sua mãe tomava banho, como ela o tinha ordenado.
Enfurecido, Shiva cortou a cabeça de Ganesh. Para reparar seu erro, colocou no filho uma cabeça de elefante, fisionomia com a qual é adorado ainda hoje na Índia.
A realização do festival no calendário hindu coincide com o mês do Ramadã, que começou nesta sexta-feira e que é respeitado pela minoria muçulmana da Índia.

EFE

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Adolescentes são expulsos de seita polígama nos EUA

Woodrow Johnson tinha 15 anos e, sob as regras da seita polígama em que vivia, sofria de um vício que poderia condená-lo ao inferno: ele gostava de cinema. Quando seus pais descobriram sua reserva secreta de DVDs, entre as quais os filmes da série "Duro de Matar" e comédias, queimaram os discos e deram um ultimato ao menino: ele devia parar de assistir aos filmes ou seria excluído da família e de sua igreja para sempre.

Com a televisão e a Internet também proibidas por serem malignas, uma definição que se aplica igualmente a camisas de mangas curtas, que revelam falta de modéstia, e a olhar para meninas, Woodrow tomou a dolorosa decisão de partir. E assim, 10 meses atrás, tendo apenas concluído a sétima série e levando com ele uma mala de roupas, foi lançado a um mundo desconhecido, que ele havia sido ensinado a temer.
Nos últimos seis anos, centenas de adolescentes foram excluídos ou optaram por deixar a colônia de polígamos que fica entre Colorado City, no Arizona, e Hildale, no Utah. O motivo mencionado com mais freqüência para as expulsões é desobediência, mas antigos membros da seita e funcionários dos serviços de Justiça do Estado dizem que o êxodo de homens, meninas são expulsas mais raramente, também corrige imensos desequilíbrios no mercado matrimonial. Membros da seita acreditam que, para chegar à salvação eterna, os homens devam ter cada qual pelo menos três mulheres.
Funcionários do governo estadual dizem que os esforços para ajudar os meninos expulsos a encontrar abrigo, lares provisórios ou obter outros serviços são muitas vezes frustrados pela desconfiança dos meninos com relação ao governo, e por seu medo de causar problemas aos seus pais. Mas o auxílio aos menores está melhorando.
Em St. George, uma cidade próxima onde muitos deles vão parar, dois grupos privados, com assistência do Estado, abriram a primeira residência e centro para meninos excluídos. Ela oferece aconselhamentos psicológico e orientação sobre coisas que eles jamais aprenderam, por exemplo escrever um cheque ou convidar uma jovem a sair de maneira polida, além de um lar provisório para oito deles, que poderão freqüentar a escola e trabalhar em tempo parcial.
A colônia polígama é em larga medida controlada pela Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e por aliados do profeta que lidera a seita, Warren Jefs, que está na prisão à espera de julgamento por exploração sexual.
Agora com 16 anos, e vivendo com uma tia e tio que estão felizes por acolhê-lo, Johnson é um dos garotos mais afortunados, ainda que raramente veja os pais e se queixe de que sente falta deles. Alguns dos meninos terminam se unindo em grupos para alugar casas nas quais vivem sem a ajuda de adultos, enquanto outros dormem em carros ou terminam presos.
Funcionários do Estado de Utah dizem que eles só descobriram quatro anos atrás que havia centenas de meninos da seita rondando pela região, vivendo por conta própria e muitas vezes enfrentando dificuldades. Embora a maioria saiba trabalhar com as mãos e sejam capazes de ganhar a vida no mercado da construção civil, raros deles têm mais de nove anos de educação.
"O abrigo é um marco, mas é só um começo", disse Paul Murphy, diretor de comunicações e política na secretaria da Justiça estadual do Utah, que trabalhou com agências públicas e privadas a fim de obter ajuda para os meninos. "Nós estamos enfim tentando chegar a eles, mas o progresso é dolorosamente lento".
A colônia é essencialmente uma cidade que cruza a fronteira entre os dois Estados, formada por casas desordenadas, trailers e plantações situados no sopé de colinas vermelhas espetaculares. Quase todos os seis mil moradores seguem as normas da família Jeffs, que eles acreditam falar em nome de Deus; as mulheres usam vestidos que vão até os tornozelos, e as crianças são ensinadas a fugir correndo de forasteiros.
Jeffs, 51 anos, está preso na cadeia de Purgatory, no sul do Utah, e seu julgamento deve começar em 10 de setembro. Ele está sendo acusado de cumplicidade em estupro, por sua interferência para forçar o casamento entre um de seus primos e uma menina de 14 anos. Além disso, deve enfrentar diversas outras acusações de delitos sexuais no Arizona. Mas seus aliados continuam a controlar a Igreja, dizem antigos membros da seita, e os meninos adolescentes continuam a ser excluídos da comunidade, à força ou por opção.
"Em parte, é uma questão de controle", disse Murphy sobre as regras severas. Mas a causa subjacente das expulsões, afirmou, é uma realidade matemática: "Se você quer realizar casamentos plurais, é preciso que o número de homens seja menor", afirmou.
Andrew Chatwin, 39 anos, o tio que acolheu Johnson, deixou a seita 10 anos atrás. Ele explicou de que forma as expulsões usualmente ocorrem. "Os líderes dizem aos pais que precisam impedir que o menino desobedeça à fé e a Warren Jeffs. Por isso, os pais o expulsam, porque de outra maneira o pai poderia perder suas mulheres e o resto de sua família".
A seita, que conta com pequenos grupos de adeptos em outros Estados, não tem conexões com a igreja mórmon mais ampla, sob cujas regras a poligamia é proibida. Em abril, seis adolescentes excluídos da comunidade que haviam aberto um processo contra os líderes da seita aceitaram um acordo extrajudicial sob o qual receberão US$ 250 mil para prover assistência e custear a educação de jovens nessa situação. O dinheiro será arrecadado com a venda de alguns dos muitos imóveis da seita, cujas finanças estão agora sob controle do Estado, já que seus líderes se recusaram a aceitar o processo.

Tradução: Paulo Eduardo Migliacci ME

Mulher fala da fuga de seita polígama após 20 anos

Sara Hammon, 34 anos, viu algumas de suas irmãs serem tiradas da escola para casar com homens que nem conheciam. Temendo o mesmo destino, ela fugiu de casa na cidade de Colorado, no Estado do Arizona, Estados Unidos, quando tinha ainda 14 anos.

Ela deixou para trás 19 mães, 74 irmãos e irmãs, assim como um pai que ela diz nunca lembrar de seu nome, mesmo tendo molestado-a freqüentemente. Sara, que foi a primeira jovem de 14 anos a abandonar a seita, também deixou para trás uma cultura que acredita ser opressora às mulheres.
Hammon relatou à rede de televisão CNN detalhes de sua vida dentro da seita polígama na qual vivia. Seu líder, Warren Jeffs, está preso na cadeia de Purgatory, no sul do Estado de Utah, e seu julgamento deve começar em 10 de setembro.
Ele está sendo acusado de cumplicidade em estupro, por sua interferência para forçar o casamento entre um de seus primos e uma menina de 14 anos. Além disso, deve enfrentar diversas outras acusações de delitos sexuais no Arizona.
"Provavelmente a pior parte dessa teologia é o tratamento dado à mulher, assim como os ensinamentos de que ela não é igual ao homem. Elas devem ter um marido para conseguir alcançar o mais elevado nível do céu. E não apenas um marido, porque elas devem permitir que ele tenha duas outras mulheres", afirmou.
Hammon nasceu em Hilldale, no Estado de Utah, mas cresceu em Colorado City, onde seguidores dos Jeffs - presidente e profeta da Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (FLDS, sigla em inglês), que pratica a poligamia livremente.

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Budismo e Hinduísmo

O Hinduísmo surgiu há 4.000 anos, na Índia. Formou-se da junção de várias crenças, sem um fundador ou livro sagrado comum. Crê que há um Deus Supremo, que se manifesta em divindades menores, cada qual responsável por uma parte da vida. As três principais formam uma espécie de Trindade: Brahma (a criação), Shiva (a destruição) e Vishnu (a proteção). O Hinduísta mais famoso foi Gandhi, líder pacifista da independência da Índia. Hoje há mais de um bilhão de hinduístas no mundo.
O Budismo surgiu com o príncipe hinduísta Sidharta Gautama, que viveu há 2.600 anos. Insatisfeito com a religião e com a vida de sofrimento do povo, ele abandona o palácio e passa a viver na pobreza. Após intensa meditação, alcança o Nirvana, passando a entender todas as coisas e a ensinar como superar o sofrimento. Desde então é chamado de Buda, “o Iluminado”. Ele não é um Deus para ser adorado, mas um mestre a ser reverenciado. O budista mais famoso é o Dalai Lama, líder religioso que viaja o mundo pregando a compaixão e a paz. Hoje são mais de 300 milhões de fiéis no mundo, sendo 250 mil no Brasil.
Budistas e Hinduístas crêem que a vida está num eterno ciclo de nascimento, morte e renascimento. Por causa da mesquinhez do desejo humano, a vida é puro sofrimento. O objetivo da religião é libertar as pessoas desse ciclo, purificando a alma até alcançar o Nirvana ou identificação com Deus. Essa purificação acontece através da reencarnação: ao morrer, a pessoa nasce para outra vida, que pode ser melhor ou pior que a anterior, dependendo do carma que acumulou ao fazer o bem e praticar a religião.
No dia-a-dia da fé, budistas e hinduístas oram e meditam em templos ou diante de altares domésticos. Aí fazem oferendas de incenso, flores e comida. Muitos praticam a Yoga ou seguem conselhos de Gurus. Alguns meditam estimulando os chacras, pontos de energia espalhados pelo corpo que regem a saúde e o equilíbrio. No Oriente, muitos participam de festivais e rituais de purificação em lugares sagrados, como o banho no rio Ganges.
Os cristãos podem aprender do Hinduísmo e do Budismo a simplicidade de vida, a prática de meditação, o controle dos desejos e do consumismo, o uso religioso dos cinco sentidos do corpo, o respeito pela natureza e o estilo de vida “zen”, com sua visão de mundo pacifista e integral.
Os cristãos têm dificuldade de aceitar sua compreensão pessimista da vida, porque a Bíblia diz que Deus gosta de sua criação. A vida nunca é só sofrimento, porque Deus vive ao nosso lado. As idéias de carma e reencarnação são contrárias ao evangelho, porque cristãos não estão presos a nenhum ciclo de purificação, mas são livres em Cristo, que pode perdoar a todos, a qualquer hora, e transformar as pessoas já neste mundo, sem necessidade de esperar outra vida. A Bíblia diz que morremos só uma vez, e morremos por inteiro, sem uma alma ou qualquer coisa que sai de nós e continua vivo por aí. Todos morrem e esperam pelo dia da Ressurreição. O ideal cristão não é alcançar o Nirvana, mas ser alcançado por Deus e Sua Salvação.

Related Posts with Thumbnails