Pesquisar este blog

sexta-feira, 11 de abril de 2008

Lali é vista como deusa e pais recusam operação

Menina indiana nasceu há um mês e tem uma duplicação craneofacial


Lali tem apenas um mês de vida e já é notícia em todo o mundo. Nasceu com uma deformação chamada duplicação craneofacial e os médicos receiam pelo seu futuro. Mas os pais, um casal de agricultores indianos, não aceitam que seja operada, pois consideram-na um presente divino. Tudo porque na mitologia hindu, alguns deuses, como Brahma, são representados com várias cabeças.
"Quando nasceu assustei-me, mas logo vi que era uma dádiva", disse Vinod Kumar Singh, o pai, que ontem foi citado pelo El Mundo. Os vizinhos da pequena aldeia próxima de Nova Deli, onde vive Lali, estão orgulhosos pela fama que o caso da menina com duas faces ganhou, adorando-a como se fosse uma deusa.
A menina tem quatro olhos, duas bocas e dois narizes e os médicos já alertaram os pais para as complicações que Lali pode enfrentar. Ashmosd, o médico que a viu nascer, explicou que os pais, muito jovens, não têm noção da necessidade de um tratamento para a menina. "Ofereci--me para levá-la a Nova Deli para fazer os testes necessários, gratuitos, mas eles não quiseram aceitar."
Os médicos acreditam que Lali possa sofrer de algum tipo de má formação cardíaca e neurológica. Mas a recusa dos pais em permitir que a filha seja submetida a qualquer tipo de exames torna completamente impossível avaliar o nível de gravidade que o seu caso apresenta. E até mesmo ponderar a hipótese de uma intervenção cirúrgica.
"É uma menina como qualquer outra, não vejo porquê operá-la", disse o pai, de 24 anos, ao mesmo jornal, acrescentando que se Lali morrer "é porque Deus assim o quis". Assim, os médicos apenas podem aconselhar, aconselhar que a mãe não lhe dê de mamar pelas duas bocas ao mesmo tempo, por exemplo, pois isso poderia matá-la por asfixia. E desejar sorte, muita sorte, para que Lali sobreviva e seja baptizada, dentro de anos, com o seu nome definitivo.
A intervenção cirúrgica estaria cheia de riscos porque a estrutura craniana da criança é constituída por dois crânios que estão unidos lateralmente e as cavidades oral e nasal partilham as mesmas vias. Alguns médicos pensam que, apesar de tudo, seria possível operar Lali, para que ela não sofra, no futuro, de problemas respiratórios ou se asfixie. O tempo não joga a favor da menina-deusa a quem os camponeses indianos oferecem prendas e dinheiro.

Fonte: DN Online

Related Posts with Thumbnails