Pesquisar este blog

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Pasto universal do reino de Deus

Sérgio Pavarini

Por Sérgio Pavarini

Aedes = desagradável + aegypti = Egito. Proteção divina contra dengue.
Você receberá um cálice com o óleo santo para que todos sejam livres desta epidemia.
O endereço não deixa dúvidas. Catedral Mundial da Fé, na av. Dom Hélder Câmara, digo, av. Suburbana, Rio de Janeiro. Caso seja eleito, não é improvável que Marcelo Crivella tente revogar decreto do ex-prefeito Luis Paulo Conde para devolver à avenida seu antigo nome.
Água benta do rio Jordão, rosa milagrosa, sal abençoado, campanha para trocar o anjo da guarda, lenços ungidos... Não há limites nos expedientes usados pela Igreja Universal para atrair mais pessoas. Qualquer pessoa com conhecimentos bíblicos elementares pode discorrer sobre a falta de embasamento nas Escrituras para a maioria das práticas da denominação. No entanto, a igreja tem sido agressiva nas retaliações e, como resultado, poucos ousam questionar as táticas da organização.
Classificada pela Veja como “a empresa que mais cresce no país”, a Universal é tema controverso até entre os pesquisadores. Para Andeers Ruuth, ela pode ser definida como “Igreja de Supermercado” . O cara vê a placa “pare de sofrer” enquanto passa pela rua, entra no templo, assiste à reunião, dá uma oferta (momento mais importante) e vai embora.
Eduardo Refkalefsky e Cyntia Lima discordam. Para eles, pastores e obreiros trabalham com o intuito de transformar o freqüentador esporádico em fiel assíduo e, claro, dizimista. Seja qual for o trabalho acadêmico, todos concordam num ponto: a ênfase na grana. Para entender um pouco melhor a questão, é necessário voltar aos primeiros passos da caminhada de Edir Macedo no evangelho.
Durante doze anos, ele foi membro atuante da Igreja Pentecostal de Nova Vida, comunidade emergente na década de 60 fundada por Robert McAlister. Segundo relatos, o missionário canadense era tão convincente na hora das ofertas que era comum as pessoas doarem até o dinheiro da passagem do ônibus de volta.
Em seu livro “Dinheiro: Um assunto altamente espiritual”, McAlister revela seu modus operandi: “Durante mais de 25 anos tenho assumido o púlpito com duas coisas preparadas: minha mensagem bíblica e o apelo para as ofertas. Sempre soube que nenhuma das duas pode ser improvisada, resultando quase sempre a improvisação em fracasso”. Macedo foi um bom aluno e hoje tem, digamos, uma espécie de “Livre-docência” na área.

“Antes” e “depois”
Ao menos por um instante, vou deixar Maquiavel quieto e afirmar com indisfarçável satisfação que a Universal é uma das comunidades mais acolhedoras do segmento evangélico. Calcula-se que o exército de obreiros no país tenha mais de 500 mil integrantes. Travestis hipermaquiados e pessoas humildes malvestidas são tão bem-recebidas nos templos quanto uma perua que pisa seus sapatos Prada em outra igreja neopentecostal. Com mais de seis milhões de membros, a igreja tem um histórico enooorme de vidas transformadas, especialmente nos extratos marginalizados.
Com perdão pelo clichê, é possível afirmar que a Universal foi um divisor de águas no protestantismo brasileiro. A igreja completou 30 anos em julho do ano passado e construiu um império de comunicação com 23 emissoras de TV e 40 de rádio. Reportagem da Folha de S.Paulo que provocou uma enxurrada de processos orquestrados revelou que a holding macedônica tem ainda outras 19 empresas registradas em nome de 32 membros da igreja, na maioria bispos.
A ascensão da Universal promoveu no Brasil um matrimônio quase indissolúvel. Após seu crescimento vertiginoso, o termo “dinheiro” com freqüência vem à mente quando alguém ouve a palavra “evangélicos”. Pelo mesmo raciocínio simplista, pastores são confundidos com charlatões. Várias igrejas chamadas “tradicionais” tiveram de alterar o discurso na hora de recolher dízimos e ofertas para não serem confundidas com a denominação que mais deslustrou a imagem do rebanho verde-amarelo em toda a história. Pesquisa do Vox Populi de 1996 mostrou que a IURD é a mais desaprovada das grandes instituições brasileiras, com apenas 17 % de aprovação. O índice é menor até que o do Congresso Nacional. Fogueira nada santa.

Meu coração era preto
Alguns episódios contribuíram para enodoar o prestígio da Universal. Em 12 de outubro de 1995, o então bispo Sérgio von Helde cismou de dar chute numa imagem de Nossa Senhora Aparecida em pleno feriado da Padroeira. As imagens transmitidas na noite seguinte no Jornal Nacional provocaram um verdadeiro deus-nos-acuda. Trocadilho à parte, não houve socorro divino capaz de consertar a pisada na santa, digo, na bola.
O prejuízo doeu numa parte extremamente sensível da denominação: o bolso. Grandes anunciantes cancelaram contratos com a TV Record e houve queda no número de freqüentadores, especialmente no México e na Espanha. Segundo Macedo, von Helde atrasou o trabalho da igreja em dez anos. Em 2006, ele saiu da Universal em razão de novos chutes, desta vez no sentido figurado. Após ser punido por maltratar outros pastores, ele se desligou da igreja.
No final do mesmo ano de 1995, a TV Globo exibiu também no Jornal Nacional o vídeo que mostra momentos de descontração de Macedo e alguns pastores. Após uma partida de futebol, o líder da Universal ensina como pedir ofertas e inscreveu nos anais da trajetória do rebanho a indefectível expressão “dá ou desce”. Nem o sabonete de arruda foi capaz de retirar a mácula na imagem da instituição e até hoje o vídeo é hiperacessado no YouTube.
A guerra aos umbandistas é uma das grandes e controvertidas marcas da Universal. Ao mesmo tempo que combate as religiões afro, se apropria não apenas de expressões do dialeto do candomblé, como coloca os pastores de roupa branca nas chamadas “sessões de descarrego”. Após inúmeros protestos e processos, o grau de beligerância arrefeceu um pouco, porém a intolerância continua em alta. Uma confissão ligeira: nunca compreendi o fato de, a despeito do extenso know-how em práticas exorcistas, nunca terem obtido sucesso em afastar a única entidade cujo nome foi revelado por Jesus: Mamom.

Uma nova história
A despeito do sucesso empresarial, a comunicação tem sido um calcanhar-de- aquiles na organização. Sobram números e falta influência, num simulacro perfeito do que acontece com o povo de Deus. Por exemplo, publicam o jornal com maior tiragem do país e raramente uma linha ultrapassa as fronteiras dos templos de gosto duvidoso.
No ano passado, toda a mídia fez estardalhaço com o lançamento de “O Bispo: a história revelada de Edir Macedo”, publicado pela Larousse. Diretor de jornalismo da TV Record, Douglas Tavolaro incorporou o espírito “reescrevinhador” de Ali Kamel e amalgamou novas versões para cada uma das nódoas com veleidades e irrelevâncias sem-fim. Entidades ecológicas deveriam protestar com o destino triste de tantas árvores. O livro não vendeu o esperado nas livrarias e, claro, fez sucesso nos templos da igreja.
É provável que um livro de receitas de dona Ester (esposa de Macedo) obtivesse o mesmo patamar de vendas. Ao menos, seríamos poupados da constrangedora tentativa de transformar Macedo em mártir por conta de sua prisão em 24 de maio de 1992. Os mártires do cristianismo não merecem tamanho vitupério.
A lua-de-mel com a mídia durou somente o período em que a igreja obteve espaços generosos para divulgar a obra soporífera e chapa-alva de Tavolaro. Atualmente, chamar a denominação de “seita” já é suficiente para render um processo contra quem cometeu tal “heresia”. Penso que deveriam se preocupar bem mais com as palavras que irão ouvir naquele dia em que os bodes serão separados das ovelhas.
No poema “O guardador de rebanhos”, Alberto Caeiro afirma que “pensar é estar doente dos olhos”. Que o Eterno Guardador do rebanho continue velando e abençoando cada uma das dedicadas ovelhas de seu pasto universal. Afinal, nas palavras do poeta “a única inocência é não pensar...”.

Sérgio Pavarini - é jornalista e marqueteiro.
Blog: http://pavablog. blogspot. com
E-mail: pavarini@uol. com.br

Related Posts with Thumbnails