Pesquisar este blog

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Apologética no Século XXI

Apologética no Século XXI S. Michael Craven
 
Como eu argumento em Uncompromised Faith: Overcoming Our Culturalized Christianity (Fé Descomprometida: Superar a Influência da Cultura no Cristianismo), o estudo histórico da apologética cristã é essencial para qualquer pessoa que professa ser um seguidor de Cristo. Sem me aventurar no debate sobre as apologéticas clássica, de pressupostos, e probatória, deixe-me dizer que penso que os elementos de cada um são úteis e não são necessariamente mutuamente exclusivas. Então, quando eu uso a expressão "apologética histórica cristã", refiro-me colectivamente a estas três escolas primárias do pensamento.
Por razões de clareza, a apologética clássica "releva os argumentos racionais para a existência de Deus e evidências históricas para suportar a verdade do Cristianismo" (Norman L. Geisler, Baker Enciclopédia de Apologética Cristã [Grand Rapids, MI: Baker Books, 2002], 154). A apologética de pressupostos é diferente, na medida em que "defende o Cristianismo tendo como ponto de partida certas pressuposições básicas" (Geisler, 607), nomeadamente que todas as pessoas pressupõem ou assumem certas explicações sobre a realidade, que surgem a partir da sua visão do Mundo. Nesta apologética, o cristão apresenta a verdade do cristianismo expondo a falácia das visões do Mundo alternativas, que, em última instância, o céptico sabe servirem apenas para suprimir a verdade, reconhecida por ele como tal no seu coração. Finalmente, a apologética probatória salienta a necessidade de primeiro demonstrar logicamente a existência de Deus antes de defender a verdade do Cristianismo. Escusado será dizer que, até certo grau, todas estas são vitais para o cristão de apreender e ser capaz de comunicar.
No entanto, em função da nossa condição pós-moderna, gostaria de enfatizar a necessidade do que eu chamo de apologética “cultural”. (Os elementos desta abordagem são detalhados no livro Uncompromised Faith). Em suma, uma apologética cultural aplica-se a duas frentes intelectuais. A primeira remete-se às ideias ou influências ideológicas comuns a uma determinada cultura. Estas ideias moldam sub-repticiamente o nosso pensamento de uma maneira osmótica, tal como a água em que um peixe nada: o peixe não pensa minimamente na água, toma-a simplesmente por garantida. É o caso das ideias comuns à nossa cultura. Elas são o ar que respiramos, e por isso mal pensamos nelas – mas a sua influência nos nossos pensamentos, se não controlada, é formidável.
A segunda frente diz respeito a questões sociais e às ideias ou visões do Mundo que lhes estão subjacentes. Estas são mais frequentemente expressas nos debates culturais sobre questões morais e éticas, tais como o aborto, o casamento entre o mesmo sexo, o feminismo e a homossexualidade, para citar apenas alguns. As respectivas posições representam muitas vezes visões contrárias à realidade e à natureza do Homem; ainda assim, é a perspectiva moral que ganha aceitação social – incluindo a sua visão do Mundo subjacente – que tende a formar a opinião consensual da realidade.
No entanto, não é suficiente possuir simplesmente uma compreensão intelectual dessas duas frentes ideológicas; uma apologética cultural depende, em última instância, de uma abordagem missionária à cultura em que nos situamos, se esperamos confrontar e subverter efectivamente estas ideias. Actualmente, temos a tendência de lançar "granadas de mão cristãs" que entram ocasionalmente na nossa cultura para apresentar os nossos argumentos partidários a favor da verdade do Cristianismo, e, de seguida recuar para nossas igrejas, assim que tivermos acabado. Ser missionário significa esforçarmo-nos por desenvolver relações reais e significativas com aqueles que Deus, na Sua providência, trouxe às nossas vidas – para primeiro mostrarmos o amor de Cristo, e depois estarmos preparados para respondermos pela esperança que está em nós. Significa ouvirmos mais do que falarmos; perguntarmos e respondermos a perguntas, e expandirmos as nossas conversas para incluirmos mais do que apenas religião; e quando falamos – por favor! – falemos em linguagem normal, não em “cristianês”.
O cristão missionário prensa o Mundo onde quer que ele esteja, e empurra as trevas com o amor de Cristo. O cristão missionário empenha-se em conhecer e amar realmente o seu próximo, não por obrigação, mas porque ele ama as pessoas, tal como Cristo instruiu. Isto inclui aqueles vizinhos que são diferentes, difíceis, ou mesmo categoricamente antipáticos. E, sim, isto inclui o próximo que tem visões políticas e estilo de vida muito diferentes.
Por outras palavras: procurarmos realmente interagir e desenvolver relações com os perdidos. Significa convidarmos pecadores a entrar na nossa vida. Significa suportar a sua irreverência e linguagem grosseira. Significa amá-los como Cristo os ama. Sem reservas. Isto é o que significa ser missionário. Se você se considera um cristão, é o que você já é – um seguidor de Cristo largado em missão num território hostil. Se você está apetrechado de uma compreensão das barreiras culturais e sociais que inibem o acolhimento do Evangelho e emprega esta abordagem missionária, tem um longo caminho para demonstrar a relevância de Cristo e da Sua mensagem ao mundo incrédulo. Para saber mais sobre Uncompromised Faith, visite: www.UncompromisedFaith.com.

Diário Cristão

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Galo Santo!!! - Como assim ??


O Monte do Galo atrai anualmente milhares de romeiros.
“ Para que não vos corrompais e vos façais alguma imagem esculpida na forma de ídolo, [...] semelhança de algum animal que há na terra, semelhança de algum volátil que voa pelos céus” (Deuteronômio 4.16-17).
A história que vou narrar é coisa de nordestino escaldado pelo sol, sertanejo trabalhador, gente simples, cabra-da-peste e iludido pela igreja da maioria.
Conheço muitas cidades do interior nordestino e a maioria tem uma igreja católica na praça central e um cruzeiro no monte mais alto. É nossa herança portuguesa que vem dos tempos das caravelas.
Além dos cruzeiros, visitei nos topos dos montes em Juazeiro do Norte, no Ceará, e Guarabira, na Paraíba, monumentais estátuas, respectivamente do padre Cícero Romão Batista (veja o artigo Uma Viagem ao Caldeirão da Idolatria) e do frei Damião (veja o artigo Misericórdia! Querem Canonizar o Frei Damião). Esses homens tornaram-se verdadeiros “santos milagreiros” para os católicos nordestinos. No entanto, o querido pastor Josenildo Virgolino, que tem um ministério em áreas inóspidas do nosso sertão, certa ocasião me falou que deveria conhecer a pequena cidade de Carnaúba dos Dantas, no Rio Grande do Norte, pois lá os potiguares adoravam algo diferente sobre o monte principal – um galo! Fiquei curioso e indaguei: “Ôxente? Adoram um galo?” Pensei com meus botões: isso é coisa mais para a Índia do que para o Brasil. Entrei em devaneio: “Será que temos uma conexão secreta indiana em pleno interior nordestino?”
Passei mais de um ano, sempre que tinha uma folguinha, estudando sobre essa cidade e me programei para conhecer aquela paragem na semana dita “santa” de 2006. No dia programado, imprimi da internet um mapa rodoviário daquela localidade, arrumei minha mochila, sem esquecer de incluir a máquina fotográfica digital do meu filho Renato e fui com Marcos Nunes, um irmão em Cristo, passar três dias na Região do Seridó, conferindo os fatos.
Viajamos mais de 500 quilômetros, do Recife a Carnaúba dos Dantas, e nos hospedamos na Pousada Água Doce, oficialmente a única no povoado. A reserva foi feita na base do “deixar recado”, já que a pousada não tem linha telefônica e internet ali é bicho de sete cabeças. Deixei o recado ao telefone da prefeitura, a prefeitura mandou alguém andando até a hospedaria e depois de uma semana liguei novamente para a prefeitura e me confirmaram a reserva de um quarto duplo. Nessas bandas do sertão do Seridó, a palavra do homem ainda vale tanto quanto um documento autenticado em cartório. Tudo saiu a contento.
A pousada é um casarão mimoso e aconchegante com sete quartos forrados a gesso. Cada quarto com um ventilador em cima de uma cômoda, com banheiro sem chuveiro elétrico (e quem precisa de água quente nesse sertão?). Nem o calor de lascar, a falta de ar-condicionado e a ausência de frigobar me incomodaram. Estava feliz por estar ali, pois essa hospedagem fica localizada bem aos pés do Monte do Galo, exatamente onde queria estar, no fuzuê da romaria.
Nosso guia turístico, Manoel Messias,
no sítio arqueológico Xiquexique IV com suas pinturas rupestres.

Carnaúba dos Dantas: sítios arqueológicos com pinturas rupestres e lendas sobre vários montes da região
É uma pena que apenas poucos brasileiros conheçam essa região, cercada de serras, ao sul do Rio Grande do Norte, a 227 quilômetros da capital Natal. É uma cidade cercada de uma paisagem encantadora, rica em belezas naturais, com menos de 7.000 habitantes, onde quase todos são parentes e se conhecem bem.
O município possui dezenas de sítios arqueológicos catalogados com suas pinturas rupestres e isso tem atraído algumas universidades nordestinas que ali fazem pesquisas.
Lá existe a Serra das Rajadas com fontes de água no seu sopé. Conta-se a lenda que um carneiro dourado salta do cume da Serra das Rajadas para a Serra do Marimbondo e que existe um tesouro incrustado na serra.
Marcos Nunes na Pedra do Dinheiro.

Há também a Pedra do Dinheiro. Diz a lenda que os antigos moradores da região viam, à noite, um carneiro de ouro encantado no topo da Pedra e que ao redor dela há várias botijas de ouro enterradas. Fui até lá, mas devo ter chegado atrasado, pois não encontrei nenhuma botija para levar comigo.
No entanto, o monte mais famoso é o antigo “Serrote Grande”, que depois passou a ser chamado “Serrote do Galo” e hoje “Monte do Galo”, com “santuário” fundado em 1927. Conta-se várias histórias sobre esse monte. Uma delas registra que há muito tempo vaqueiros, tropeiros e viajantes que passavam por essas bandas ouviam o estridente canto de um galo vindo do topo do “Serrote Grande”. Isso os deixava assustados, pois ali não havia casas e nem habitantes. Algum tempo depois, pulou uma cabra do cume do Serrote, desaparecida há uma semana, sem sofrer qualquer dano em conseqüência da queda. Essa história do canto do galo e do salto da cabra passaram a disseminar-se pela região e, assim, devotos começaram a considerá-lo um “monte santo”.
Uma nova trindade no“santo” Monte do Galo
É bom repetir que o nome do monte é do “Galo” e não da “Santa”.
O autor iniciando a subida da rampa de acesso ao Monte do Galo (ao fundo).

Marcos Nunes e eu subimos o monte, juntamente com centenas de romeiros, às 09h20min da manhã ensolarada da sexta-feira da paixão. É uma infra-estrutura bem montada com uma rampa, com piso cimentado, de mais ou menos um quilômetro, que vai tornando-se cada vez mais íngreme à medida que nos aproximamos do topo.
Ao longo da rampa, do lado direito ficam as estações da via sacra católica com locais para os fiéis depositarem suas ofertas. Do lado esquerdo, terços, artesanatos, santinhos, blusas, bonés, água mineral, entre outras bugigangas, estão à venda nas barracas. O artesanato mais comum é uma réplica em miniatura do topo do monte, em madeira, com o “Galo”, Jesus crucificado e “Nossa Senhora das Vitórias”: uma nova trindade católica potiguar.
Quando a rampa termina, é necessário enfrentar dois lances de escadas com dezenas de degraus (e haja fôlego!) que culminam diante de três estruturas: à nossa esquerda temos Jesus crucificado com “Nossa Senhora das Vitórias” aos seus pés, no centro um cruzeiro e à direita a “gloriosa” estátua do galo branco com crista vermelha. Além dessas estruturas, no cimo do monte existe uma capelinha e a sala dos ex-votos onde os romeiros deixam objetos como agradecimentos pelas bênçãos alcançadas. É esse o principal ponto turístico religioso do Rio Grande do Norte onde anualmente milhares de pessoas vêm pagar promessas e agradecer as bênçãos recebidas.
Uma nova trindade potiguar: o “Galo”, Jesus crucificado e “Nossa Senhora das Vitórias”.

Trata-se de um verdadeiro santuário de romaria dos seridoenses. Observamos muitas pessoas venerando e pagando promessas à “Santa”. O “Galo” tem uma altura mediana de 1,55 metros e está localizado em cima de uma estrutura rochosa alta que apenas pessoas fisicamente bem condicionadas conseguem escalar. Enquanto estivemos no topo do monte, vimos várias pessoas admirando o “Galo”, mas não vimos ninguém adorando-o abertamente, até porque não existe nenhum local onde se possa ficar de joelhos diante do “Galo”.
Dá para perceber que toda a romaria gira em torno do “Galo” e do seu monte “santo”. É uma galomania! É como se o “Galo” fosse o ator principal, a “Santa” uma atriz coadjuvante e Jesus apenas um atorzinho figurante.
Infelizmente, a veneração e adoração ao “Galo” existem
Ao descer o Monte do Galo, entrevistei calmamente, durante os dois dias seguintes, quinze pessoas. Cinco eram líderes católicos: dois casais e uma solteirona, todos com mais de 50 anos de idade. Os outros dez eram evangélicos com menos de 45 anos de idade.
Todos subiram, pelo menos algumas vezes, o Monte do Galo. Todos agradeceram a “Santa Nossa Senhora das Vitórias” por bênçãos alcançadas ou pagaram promessas à “Santa”. Apenas um dos quinze pesquisados confessou ter feito também um pedido ao “Galo”. Extrapolando a minha minguada pesquisa para um universo maior, podemos inferir que uma em cada quinze pessoas que sobe o morro faz pedido ao “Galo”. Ou seja, 6,6% dos romeiros locais veneram o “Galo”. Esse percentual, na verdade, deve ser bem maior, uma vez que a veneração e o pedido ao “Galo” não são públicos e, sim, mentais (o romeiro os faz de forma disfarçada, para não ser ridicularizado). Por exemplo: presenciei dezenas de pessoas venerando a “Santa” e dezenas de outras apenas admirando o “Galo”. Não tenho a mínima idéia do que esse segundo grupo pensava enquanto contemplava o “Galo”. Só Deus sabe se estavam ou não venerando-o.
Marcos Nunes chegando ao topo do Monte do Galo.

Renato José da Silva é natural de Carnaúba dos Dantas, nasceu no dia 19 de abril de 1987 e, como todos os outros entrevistados, é oriundo de uma família tradicionalmente católica. Aos dez anos de idade foi vítima de um traumatismo no olho esquerdo, causado por um guidom de bicicleta. Renato narra que sua mãe (Maria do Socorro da Silva) correu à igreja católica e pediu ao padre que rezasse para que o filho não perdesse a visão. O padre rezou e orientou que o menino Renato deveria subir o monte de joelhos e rezar “cinqüenta ave-marias e cinqüenta padre-nossos”. Ao chegar em casa, sua mãe lhe fez uma mortalha, um tipo de túnica, ele subiu de joelhos até o topo e lá rezou suas cem preces para a “Santa” e para o “Galo”. Insisti, perguntando se foi o padre que orientou a sua mãe a instruí-lo a rezar simultaneamente à “Santa” e ao “Galo”. Ele respondeu que não sabe se foi o padre, mas que ao chegar lá em cima, mentalizou suas preces tanto para a “Santa” como para o “Cocoricó”, e que tinha certeza que rezou a quantidade certinha, pois contou tudo no terço que tinha nas mãos. Perguntei-lhe se solicitou alguma bênção. Renato relatou que, a mando da sua mãe, pediu à “Santa” e ao “Galo” para “abençoar sua família e que nunca permitisse que ele viesse a ingerir bebidas alcoólicas”.
No entanto, a “Santa” e a “Ave Galinácea” de concreto são fracos, pois Renato relata que aos 15 anos de idade, enquanto brincava com amigos, tomou um porre que totalizou cinco litros de cachaça em uma só noite. Nem o macho da galinha suportaria uma dose dessas!
Renato aceitou Jesus como seu Salvador pessoal há dois anos e está preparando-se e muito desejoso para ser batizado e fazer sua pública profissão de fé na igreja batista local.

Renato José da Silva: “Cinqüenta
ave-marias e cinqüenta padre-nossos para o Galo e a Santa”. Seta preta
indicando a cicatriz no seu joelho
direito.

Hoje, Renato tem 19 anos e é zelador da Pousada Água Doce. Daquele dia patético em que subiu de joelhos o Monte do Galo, guarda para o resto da vida uma cicatriz no joelho direito. Perguntei se estava animado e firme na sua nova fé e prontamente me respondeu: “Em nome de Jesus!” Mais tarde, naquela mesma noite, sentou-se na cadeira ao meu lado no terraço da pousada, enquanto observávamos um toró com relâmpagos e trovões, abriu orgulhosamente sua Bíblia novinha e leu para mim Josué 1.8, que diz: “Não cesses de falar deste Livro da Lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então, farás prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido”. Que Deus te proteja, te abençoe e te conserve no caminho dEle, Renato!
Liderança religiosa opina sobre a veneração ao “Galo”
Marcos Nunes e eu fomos conhecer a senhora Maria Lúcia de Medeiros, conhecida na cidade como “Taúta”, que completa 70 anos em 2006 e que nos recebeu espontaneamente e de bom grado em sua residência para uma entrevista. Solteirona, simpática, devota de São José (o padroeiro da cidade) e de N. S. das Vitórias (padroeira do monte), auxiliar da pastoral da criança, catequista desde os 13 anos de idade e ministra extraordinária da eucaristia, é uma referência católica na cidade.
Impedida pela artrose nos membros inferiores, hoje não consegue mais subir o Monte do Galo para venerar a “Santa”. Perguntei, entre outras coisas, se a igreja católica considerava o “Galo” um santo. Dona “Taúta” assegurou-me: “O lugar do monte é santo, mas o galo não. E a veneração é só a Nossa Senhora das Vitórias”.
Perguntei se corrigiria algum romeiro que afirmasse para ela que subiu o monte e venerou a “Santa” e o “Galo”. Respondeu-me: “Se o romeiro tem fé no Galo, tudo bem. Não iria corrigir o romeiro do Galo. Não iria dizer que ele estava errado. Eu respeitaria a fé do romeiro, mesmo não concordando com ela”.
Em seguida, fomos até um minúsculo povoado chamado Ermo (nome bastante sugestivo para o local) pertencente a Carnaúba dos Dantas e localizado a dez quilômetros de distância. No Ermo quase não existe asfalto nem pressa, as pessoas têm uma prosa mansa, gostosa e a vida parece passar lentamente por ali.
Lá conhecemos o casal Francisco Adelino Filho e Maria de Lourdes Adelino, casados há 38 anos, que reside em uma casa construída em 1868 (hoje bastante reformada). Eles afirmam ter hospedado algumas vezes o famoso e polêmico frei Damião (1898-1997). Identificamo-nos e o casal também nos recebeu espontaneamente em sua residência para uma rápida entrevista. Francisco contou orgulhosamente que seu pai foi quem doou o terreno para a construção da igreja católica local, que foi fundada em 1937.
O pastor Silvany com sua esposa Maria do Socorro e sua filha Vanessa.

Hoje, devido a problemas de saúde, o casal não consegue mais subir o Monte do “Galo”. Porém, Francisco não deixa passar a oportunidade de dizer que subiu o monte de joelhos, à época em que a subida era de barro, para pagar uma promessa à “Santa” por uma graça alcançada. Tinha ficado curado de uma “bronquite asmática”, assegura.
Maria de Lourdes Adelino é devota de “Nossa Senhora das Graças”, auxiliar da pastoral da criança, catequista, ministra extraordinária da eucaristia e conhecida no povoado como uma católica fervorosa.
Fiz a esse casal a mesma pergunta feita a dona “Taúta”: se corrigiria o romeiro que declarasse para eles que subiu o monte e venerou a “Santa” e o “Galo”. Responderam-me: “Não corrigiríamos o romeiro que adorou o galo, respeitaríamos a sua fé. Mas, esperaríamos que no futuro pudéssemos ter uma oportunidade de educá-lo na veneração correta”.
Consultamos também o pastor batista local, Silvany da Silva, que tem um ministério na região do Seridó há quase uma década. Perguntamos se havia realmente a veneração ao “Galo” no monte e Silvany foi bastante direto: “Ninguém viaja para cá só para subir um monte e ver uma santa, isso existe em muitas outras cidades! O foco aqui é o galo! O monte é do galo! Na mente do romeiro, o referencial de milagre, bênção e promessa alcançada é mesmo o galo!”
Concluímos, portanto, que a adoração ao “Galo” de fato existe, mas é clandestina e praticada pelos romeiros mais humildes. No entanto, o mais grave é que a igreja católica local não censura publicamente esse tipo de veneração.
A igreja católica não apóia, mas também não censura
Que tempo esse em que vivemos! No sertão nordestino estamos diante de acontecimentos inexplicáveis, ou melhor, “explicáveis” demais.
É claro que, muitas vezes, a mentira foi a base do sistema político-religioso da igreja católica, infiltrada nos labirintos do Vaticano. Claro que não nos esquecemos da Inquisição, das indulgências, do apoio camuflado do papa Pio XII a Adolf Hitler e de uma enxurrada de padres pedófilos. Freqüentemente, as leis católicas até parecem proteger os crimes e regulamentar os conteúdos dos seus próprios intestinos.
O autor com sua mão direita na
abertura da “Caixa das Almas”.

Os fatos reais: no topo de um monte em Carnaúba dos Dantas existe a adoração a um “Galo” em área “santificada” pela igreja católica e ela não manda retirar nem a “Santa” nem o “Galo” de lá. A igreja age como uma psicopata, nega e ignora que exista uma veneração ao “Galo”. E quando alguém confessa que adorou a ave, faz vista grossa e não corrige o ingênuo. Parece que não é necessário dar alguma racionalidade à adoração. Deixando do jeito que está, as romarias estão trazendo bons dividendos para a Igreja Católica Apostólica Romana.
Ao lado da estrada, em uma das entradas da cidade, existe até uma caixa de concreto a “Nossa Senhora das Vitórias” com uma abertura onde o romeiro pode deixar a sua oferta e o seu pedido. Pela abertura dá para depositar, mas é praticamente impossível retirar alguma coisa de dentro da caixa, a não ser para quem tem a chave da sua portinha. Os moradores locais chamam-na de “caixa das almas” por poderem deixar uma oferta ou pedido em prol da alma de um ente querido.
Infelizmente, a igreja da maioria parece querer o romeiro cada vez mais burro e submerso no maremoto de mentiras. Enquanto isso, o tilintar das moedas continua bem-vindo na igreja e o “Cão” (ops!), digo, o bicho no cume do monte continua agindo livremente.
O “Cocoricó” versus Jesus Cristo
Ah! Como a Palavra de Deus é farta no quesito de reprovação à idolatria.
Um grupo de irmãos em Cristo, oriundos do catolicismo roxo, hoje convertidos ao Senhor Jesus, saindo da igreja para evangelizar a cidade. Blusas laranjas com o título do livro de Norbert Lieth: “Conheça Jesus: Único, Incomparável, Maravilhoso”.

Qualquer evangélico que já viu a estátua do padre Cícero, em Juazeiro do Norte; a do frei Damião, em Guarabira e a do Galo, em Carnaúbas dos Dantas, faz quase imediatamente uma analogia daqueles locais com o bezerro de ouro descrito no livro do Êxodo, capítulo 32. Tememos sobre as conseqüências desses atos de idolatria, quando lemos: “Então, disse o Senhor a Moisés: Vai, desce; porque o teu povo, que fizeste sair do Egito, se corrompeu e depressa se desviou do caminho que lhe havia eu ordenado; fez para si um bezerro fundido, e o adorou, e lhe sacrificou, e diz: São estes, ó Israel, os teus deuses, que te tiraram da terra do Egito. Disse mais o Senhor a Moisés: Tenho visto este povo, e eis que é povo de dura cerviz. Agora, pois, deixa-me, para que se acenda contra eles o meu furor, e eu os consuma; e de ti farei uma grande nação” (Êxodo 32.7-10).
Esses memoriais de concreto armado são inúteis para nos salvar. “Os ídolos das nações são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca e não falam; têm olhos e não vêem; têm ouvidos e não ouvem; pois não há alento de vida em sua boca. Como eles se tornam os que os fazem, e todos os que neles confiam” (Salmos 135.15-18).
O já citado pastor Silvany da Silva sentencia: “As romarias têm sido uma grande cadeia que o diabo lança sobre o povo sertanejo. O diabo tem feito do sertão nordestino um laboratório de desgraças e destruição moral, ética e espiritual. Durante anos a igreja católica tem mantido o povo oprimido e preso à miséria e à autoflagelação. Muitos sertanejos já perderam suas vidas fazendo romarias, viajando centenas de quilômetros em cima de caminhões, a pé e de joelhos (pagando alguma promessa). Outros doaram suas terras à paróquia da sua cidade. Missas, casamentos e batizados sempre são pagos pelos fiéis”.
Há cerca de duzentas pessoas em Carnaúba dos Dantas que já escolheram Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador pessoal, segundo as estatísticas do próprio pastor Silvany da Silva. Não dobram mais os joelhos diante de “Santo”, “Santa”, “Galo” ou qualquer outra imagem de escultura. Pessoas que introverteram a Palavra de Deus e vivem obedecendo-a dia a dia: “Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra” (Êxodo 20.4).
Conheci um pequeno grupo desses fiéis, numa tarde de sábado, antes de sairem para evangelizar de porta em porta pela cidade. Ouvi testemunhos marcantes de alguns deles (todos sofreram perseguições após suas conversões) e tirei fotos do grupo – nossos heróis na fé. Alguns usavam blusas de cor laranja naquela tarde com o título do livro do Norbert Lieth estampado nelas – “Conheça Jesus: Único, Incomparável, Maravilhoso”. Segundo Silvany, eles copiaram os dizeres do site da Chamada da Meia-Noite.
É minha sincera oração que este artigo possa gerar intercessores pelo mundo afora em favor desses nossos irmãos em Cristo lá da região do Seridó. Você que acabou de ler esta matéria, que tal gastar agora alguns minutos em oração, clamando ao único Deus que vê, ouve e responde nossas súplicas em prol daqueles irmãos seridoenses?
Quanto aos iludidos pela igreja da maioria, é também minha oração que se libertem rapidamente desse jugo, pois essa história de “Santa” e “Galo” “não é sabedoria que desce lá do alto; antes é terrena, animal e demoníaca” (Tiago 3.15). Ao nosso Deus toda a glória e honra, amém! (Dr. Samuel Fernandes Magalhães Costa)
Publicado anteriormente na revista Chamada da Meia-Noite, julho de 2006.
 
Blogado do Blog da Tânia Regina

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Caminho Antigo - Um Herege na TV! por Paulo Teixeira

broelisO programa O Caminho Antigo, exibido pela CNT, dirigido pelo filipino Eliseo Soreano distorce a Palavra de Deus e fisga inúmeros desavisados que não conhecem a Bíblia.“O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento“. (Oséias 4.6a)

O texto abaixo mostra quem é este personagem e algumas de suas heresias.



A Igreja de Deus Internacional - Eliseo Soriano
Eliseo Soriano é um pseudoprofeta, que ensina aborrecíveis heresias. Cuidado com este parlapatão! Nascido em 1947, este controverso evangelista filipino é presidente da “Igreja de Deus Internacional”. Mais conhecido como “irmão Eli”, nos seus programas de rádio e TV (O Caminho Antigo) ele procura sempre criticar outras religiões e denominações que considera serem contra as doutrinas bíblicas.

SORIANO PERVERTE O EVANGELHO

A seguinte informação está no site de Soriano. Meus comentários estão logo abaixo dos dele:
Diz Soriano: “A Bíblia ensina que há somente uma igreja o qual devemos nos ajuntar, para sermos salvos por Jesus Cristo. De fato, a igreja na Bíblia torna-se instrumento de Deus em fazer os gentios, herança para a promessa de vida eterna”.

Refutação: Biblicamente falando, não temos que nos juntar a qualquer igreja visível organizada para sermos salvos. Salvação é pela fé somente na pessoa do Senhor Jesus Cristo (Romanos 10.13, Atos 4.12).
Continua Soriano: “… nosso Senhor Jesus Cristo veio trazer dois tipos de salvação, através da Bíblia. No tempo em que ele assumiu a forma humana ele salvou Israel de seus pecados. Isto está escrito em Mateus 1:21, que diz: E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.” “Portanto, quando ele vier novamente, a segunda vez, ele trará salvação para os fiéis. E a Bíblia nos ensina como podemos nos tornar parte desse povo que nosso Senhor Jesus Cristo irá salvar no dia do julgamento. O primeiro versículo de Efésios que temos que atentar é o 3.6, que diz: ”A saber, que os gentios são co-herdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho“.
Refutação: Novamente, esta é mais uma visão equivocada desse suposto teólogo. Não existem “dois tipos de salvação”. Jesus claramente afirma em João 14.6 - “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”. Soriano erra e não tem profundidade na análise bíblica! Ele ensina que Jesus veio 2000 anos atrás somente para salvar Israel e que os fiéis de hoje serão salvos na segunda vinda – O que é um absurdo! Há somente um plano de salvação, e este é pela graça por meio da fé (Efésios 2.8-9). Soriano ensina uma salvação baseada nas obras, onde a pessoa deve ser “fiel” com sua religião organizada para ser salva. De forma terrível ele está fazendo lavagem cerebral em muitas pessoas e levando-as para o inferno de fogo!
Ainda ele: “… de acordo com São Paulo, para os gentios terem parte na salvação que vem de nosso Senhor Jesus Cristo, eles tem de ser feitos primeiro parte do corpo; e somente depois que eles tornam-se participantes de uma promessa em Cristo pelo evangelho.”
Refutação: Eli Soriano ensina que a fé somente em Jesus Cristo é insuficiente para salvar. Ele ensina que um perdido pecador deve PRIMEIRO juntar-se a uma igreja antes de poder receber a Cristo como salvador. A Palavra de Deus ensina exatamente o oposto. Biblicamente, no exato momento em que você crê em Jesus Cristo como seu salvador pessoal, você se torna um membro do corpo de Cristo.
Fonte: http://www.churchofgodinternational.org/biblicaltopics/bib_salvation_2_pf.htm

SORIANO NEGA A DIVINDADE DE JESUS CRISTO!
Tal como as Testemunhas de Jeová, Soriano tenta disfarçadamente negar a divindade de Jesus Cristo. Ele afirma: “O Jesus e o Cristo da Bíblia não é o mesmo Deus pai.” (Aqui ele quer mostrar que Jesus é inferior ao Deus Pai, apenas um deus menor)
Fonte: http://www.angdatingdaan.org/biblicaltopics/bib_christ_1.htm
A Palavra de Deus abundantemente e de forma claríssima ensina a divindade de Cristo. Lemos isso em Colossenses 2.9 - “Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade”. Soriano corrompe as Escrituras pela sua calamitosa obtusidade. Lemos também em João 10.33 - “Os judeus responderam, dizendo-lhe: Não te apedrejamos por alguma obra boa, mas pela blasfêmia; porque, sendo tu homem, TE FAZES DEUS A TI MESMO.” Quem ousaria dizer que Jesus não professou ser Deus? Sim, o Pai é uma pessoa na Divindade e o Filho é outra… Mas O Pai, o Filho e o Espírito Santo É DEUS! Em Apocalipse 1.8 Jesus igualmente declara ser o Deus Todo-Poderoso - “Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso”. Jesus aceitou ser adorado somente como Deus é intitulado (Mateus 8.2; Isaías 42.8). Jesus perdoou pecados que somente Deus poderia perdoar (Marcos 2.5-7; Lucas 5.21). Jesus fez milagres, como curar mutilados, que homem nenhum jamais fez - “Se eu entre eles não fizesse tais obras, quais nenhum outro tem feito, não teriam pecado; mas agora, viram-nas e me odiaram a mim e a meu Pai.”

MAIS UM QUE ATACA A IGREJA

Soriano está explorando o cristianismo, transformando as Escrituras em mentiras, abiscoitando recursos e beneficiando a si mesmo. Eliseo Soriano e a sua “Igreja de Deus internacional” são uma seita mefistofélica! TOME CUIDADO!
Soriano é conhecido por cuspir diante do público, quer seja nas reuniões ou nos programas de TV. Isto demonstra como é a conduta de Eli Soriano em suas aparições públicas. Bizarra é a descrição apropriada para Eli.
Eis o relato resumido de um entrevistador (Mike Enriquez) sobre essa insólita situação: A primeira coisa que fez ao entrar no lugar (onde ele foi entrevistado) foi cuspir sua saliva ou talvez escarrar no piso a sua direita. Eu estava esperando uma permissão para fazer uma pergunta a ele: se sua mãe o ensinou também a assoar o seu nariz em público, mas a permissão não veio… Creio porque seja tão bizarra…O tema de Soriano é: “eu sou parte de um reino animal”.
BREVE RESUMO DE SUA TRAJETÓRIA
1975: Levita Gugulan, foi nomeada como a presidente da primeira igreja a qual Soriano pertencia.
1976: Gugulan nomeou Soriano para o corpo diretor da igreja.
1976 (fevereiro) Soriano é afastado de sua primeira igreja por incitar rebelião e ensinar doutrinas contrárias as pregadas pela sua igreja.
1989: Perdoado pela justiça em uma ação movida por um membro da sua antiga igreja por emitir cheques sem fundo.
Candidatou-se ao senado filipino, mas foi tachado de imoral, não conseguindo se eleger (mais tarde Eli abandonou tal idéia).
Orgulhou-se de ter um templo maior do que o Araneta Coliseum (o maior auditório das Filipinas); porém ele mesmo considera os templos como coisa sem valor em nossa época.
Permitiu que o seu suposto “púlpito sagrado” fosse usado para campanhas políticas durante os cultos.
Freqüentemente vexa seus próprios membros quando a quantia de dinheiro que entra na contabilidade da igreja fica abaixo das metas por ele estabelecidas.
2004: Suspenso pelo MTRCB por violar os padrões éticos de moral e conduta em vôos.

PROPRIEDADES PESSOAIS:
Igreja de Deus Internacional, dez hectares de terras para cultivo de peixes, estúdio fotográfico, farmácia, uma empresa de auto-peças, um resort em Morong Beach, uma estação de tratamento de água, uma empresa de merchandising, uma empresa do ramo de avicultura, um restaurante e diversos imóveis para locação.
ENSINOS NÃO BÍBLICOS DE SORIANO
Eliseo Soriano é um pseudoprofeta que ensina equívocos teológicos, tais como:
1. Soriano rejeita a doutrina da Trindade e crê no seguinte: O Pai: Deus Todo-Poderoso e Salvador sobre todos. Maior que o Filho e o Espírito Santo.
O Filho: é Deus, mas não Todo-Poderoso como o Deus Pai. É igual ao Pai como Deus, mas não é maior que Ele porque foi enviado por Deus Pai. É maior que o Espírito Santo.
O Espírito Santo: é parte do Pai e do Filho e também é chamado de Deus, mas não como uma pessoa. Aparte da crença nesses “três deuses” ele também insiste que há “muitos deuses” por causa de I Coríntios 8.5.
2. Soriano acredita que o Deus Pai, foi o salvador a quem deve ser dado os créditos por todas as coisas que Ele tem feito por enviar salvadores durante épocas passadas (Hebreus 1.1-2).
3. Soriano acredita que Jesus é um “Deus Forte”, mas não o Deus Todo-Poderoso. Soriano não acredita que Jesus seja o único salvador da humanidade. Ele ensina dois tipos de salvação que Jesus faz: (1) Ele foi enviado primeiramente para ser o salvador da casa de Israel (Mateus 15.24) durante sua humanidade (Mateus 1.21), mas Ele foi apenas um entre os que foram enviados para salvar. (2) Em sua segunda vinda, ele vai salvar os fiéis (isto é, membros da igreja de Soriano). Soriano ensina que Moisés foi enviado pelo Pai para ser um instrumento de salvação e salvador de fato dos israelitas (Atos 7.35-37) e o apóstolo Paulo (Atos 13.46-47) foi o salvador para os gentios até o fim dos tempos. De acordo com Soriano, Timóteo foi o sucessor de Paulo para ser o salvador após a sua morte.
4. De acordo com Soriano, Jesus o Filho do Deus vivo também precisa de um salvador que é seu Pai, o Deus vivo, como alegado em Hebreus 5.7-9.
5. De acordo com Soriano, o significado da “Casa do Senhor” em Salmos 127.1 durante o Antigo Testamento é a “Igreja de Deus” e o nome desta igreja é: Iglesia ng Dios kay Kristo Hesus, Haligi at Saligan ng Katotohanan (Igreja de Deus em Cristo Jesus. A coluna e firmeza da verdade – Filipinas). Eles acreditam que uma pessoa pode ser salva mesmo que não tenha ouvido os ensinos de Soriano. Essa pessoa será julgada por Deus de acordo com sua consciência. Ele acredita que ninguém pode pregar a Bíblia, mas deve ser “um enviado” (que não pode ser ninguém mais do que ele próprio).
Pastores e líderes cristãos que estão atentos ao bem-estar espiritual dos filipinos e de outros povos pelo mundo que já foram enredados por essa enganação devem estar vigilantes e procurar expor esta seita e seu mentor, de forma que eles possam dirigir a fome espiritual de uma população crescente. Esta é nossa responsabilidade como genuínos cristãos nascidos de novo, ALERTAR os filipinos e outros povos sobre esse falso mestre que é Eli Soriano.

AUTORIDADE
Apesar de os membros da igreja de Deus Internacional afirmarem que a Bíblia é a única fonte de autoridade, isto é uma meia-verdade. Eles também acreditam que Soriano é “um enviado”, haja vista que somente ele faz a explanação sobre as Escrituras. Em outras palavras, um membro individualmente não pode fazer isto fora da esfera de autoridade de Soriano. Isto pode ser observado pelo seu programa de TV, uma espécie de exposição das Escrituras onde sempre é ele o preletor das interpretações bíblicas. Eu também tenho falado com muitos membros desta seita e tenho tentado perguntar algumas coisas sobre suas doutrinas e práticas, mas eles sempre recusam responder e falam para procurar o seu fundador.
ENSINOS BIZARROS E NÃO BÍBLICOS
Eli Soriano ensina que Deus não sabe de todas as coisas. Para Eli, Deus não sabe o dia do julgamento; mas Soriano sabe e prediz que o mundo irá acabar em 2010. Ele ensina que Deus não está presente em todos os lugares (isto é, Deus não é onipresente). Ensina que Deus não é um. Eli se apresenta como um deus.
Cristo como o salvador dos homens não estava no plano original do Pai; mais foi enviado como um gesto voluntário do Filho em uma suposta “convenção no céu envolvendo os três, isto é, Deus o Pai, Filho e o Espírito Santo”. Ensina que Cristo pecou uma vez.
Ensina que os apóstolos estavam propensos ao erro quando ensinaram o evangelho; porém Soriano afirma que ele pode responder a qualquer questão. Acredita que há somente um apóstolo com o nome de Tiago, em vez de dois como a Bíblia descreve. Mulheres não foram criadas a imagem de Deus, somente os homens. Mulheres não entrarão no céu a menos que se tornem como homens, e de homens em deuses.
Insultos pessoais, crimes e outros tipos de degradações humanas são praticadas livremente e até encorajadas a todo o momento, até mesmo durante os cultos, da mesma maneira que cobiçar de acordo com o que eles pessoalmente pensam dessas pessoas, jovens ou velhos da mesma maneira. http://www.geocities.com/bro_eliseo_soriano/mura.htm
Ele até mesmo proíbe seus membros se casarem (veja I Timóteo 4.1-3). Pratica conversa com os mortos bem como com Deus.
http://www.geocities.com/bro_eliseo_soriano/speakingwith.htm

SORIANO APROVA A HOMOSSEXUALIDADE
Soriano ensina que o comportamento homossexual não é abominável na visão de Deus. A Bíblia condena o pecado da homossexualidade (Romanos 1.24-32). Homossexualidade é moralmente repreensível e repulsivo.
Os membros da igreja mais próximos de Soriano: seus escritos contém tantos detalhes sobre a conduta homossexual de Soriano que você não pode negar que eles sabem de uma grande porção de coisas por trás dos bastidores. Soriano tem uma conta conjunta com outro homem, o qual ele mesmo confirma e admite que não há nada de errado com isto. Fonte dessas informações:
http://www.geocities.com/bro_eliseo_soriano/homo.htm
CONCLUSÃO

Eli Soriano é um pseudoprofeta. (...) Tal como as Testemunhas de Jeová, Soriano nega que Jesus Cristo é o Deus Todo-Poderoso. Em vez disso, ele ensina que Jesus é somente um “deus”. Ele nega o salvador Jesus, ensinando que somente os membros de seu grupo religioso serão salvos na segunda vinda de Cristo. Ele nega a divindade do redentor. Tragicamente eu tenho lido muitas palavras de apoio a ele em fóruns na internet, de suas iludidas vítimas.
Eli Soriano está levando multidões para o inferno com ele. O povo Filipino em particular está sendo vitima de uma enganação demoníaca porque eles são ingênuos e crêem em quem se apresenta como amável e agradável. Esta está sendo a razão de sua ruína. De firma triste a maior parte do povo filipino é desgraçadamente ignorante em relação à Palavra de Deus.
O problema é que as pessoas “dizem” que acreditam na Bíblia; mas não a estudam. A maior parte das pessoas não sabe nada sobre a Bíblia, exceto o que tem sido ensinado pelos HOMENS. Você precisa ler a Palavra de Deus por você mesmo. Veja o que Jesus disse em João 5.39… EXAMINAIS AS ESCRITURAS! Você tem feito isso?
Traduzido por Edimilson de Deus Teixeira
Fonte: Site Jesus is Savior
Por David Stewart
Fonte do texto A Igreja de Deus Internacional - Eliseo Soriano: CACP

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Ministério Internacional Creciendo en Gracias. Um outro evangelho!

Um outro evangelho!

“Vocês são todos abençoados”, diz o líder, ao abrir a reunião. Em seguida, em meio a aplausos e murmúrios de frases nada convencionais, ordena que as pessoas digam que “esteja ativada a mente de Cristo”. Apesar de certas frases e a liturgia serem semelhantes à de algumas igrejas evangélicas, todavia, estamos diante de um dos grupos pseudocristãos mais perigosos que têm surgido nos últimos tempos: o Ministério Creciendo en Gracias [Crescendo em Graça], o qual, daqui por diante, chamaremos de MCG.
O MCG se mostra um movimento muito fértil em produzir heresias. Tais desvios doutrinários, por vezes, vêm camuflados com nomes atrativos, como, por exemplo, “cápsulas de graça”, que, segundo eles, nada mais são do que “o resumo de um fundamento da doutrina da graça que contém a posição tradicional e desviada dos religiosos...”.
Neste artigo, pretendemos expor os ensinos pregados por esse movimento para que o povo de Deus não seja “levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente” (Ef 4.14).
Toda a nossa pesquisa está baseada no site oficial do MGC.

Origem do movimento

Seu idealizador foi o porto-riquenho José Luiz de Jesus Miranda, mais conhecido como “o apóstolo”, fundador e líder do MCG. Não nos deteremos em refutar todas as heresias concernentes à sua pessoa, mas somente as heresias que consideramos de maior importância para a manutenção da ortodoxia doutrinária.
A sede mundial do MCG fica em Miami, Flórida, EUA. Fundado por volta de 1986, o movimento chegou ao Brasil dez anos atrás, aproximadamente.1 Atualmente, a central do movimento por aqui fica em Guadalupe, bairro do Rio de Janeiro, RJ. O MCG alega que está presente em todo o continente americano e na Austrália, perfazendo um total de 24 países. No Brasil, estão fixados em nove Estados, sendo que em São Paulo possui seis igrejas, as quais denominam “centros educativos”. Mantêm ainda vários programas de rádio e TV.

Um movimento excêntrico

Problemas com a hermenêutica

Pesquisando o MCG por meio de seus sermões, testemunhos e credos, fica fácil traçar o perfil doutrinário e a tendência psicológica do grupo. São pessoas que vivem sob a tutela de “revelações”. O próprio fundador alega ter recebido sua doutrina diretamente de Jesus: “A fé é uma ciência, olhe, essa ciência ninguém nesta terra conhece [...] nem eu a conhecia. O Senhor me comunicou, pessoalmente...”. O MCG usa e abusa de textos bíblicos de maneira inescrupulosa a ponto de truncar determinados versículos a fim de sustentar seus pontos de vista heréticos. Veremos isso nas distorções apresentadas mais adiante.


Problemas com a semântica

Fazem uso de uma semântica enganosa, pois, ao mesmo tempo em que exprimem suas doutrinas usando termos tipicamente cristãos, atribuem, contudo, significados totalmente diferentes, reinterpretando os termos bíblicos. Um exemplo disso é o que eles entendem pela palavra cristão: “... Ser cristão não é receber a Cristo como Salvador ou crer nele, mas, sim, receber e aceitar os ensinos que o apóstolo Paulo deixou como fundamento, e que agora o apóstolo José Luis de Jesus explica para a edificação do Corpo de Cristo”.

Semelhanças do MCG com as demais seitas

Unicismo

Não acreditam na Trindade. São modalistas. Para eles, Deus é uma só pessoa que se manifestou de três maneiras diferentes (também chamado de sabelianismo). Dizem: “ Cremos que Deus é um, e um é o seu nome. O trinitarismo é uma falsa doutrina que pretende separar a pessoa de Jesus Cristo de Deus Pai como dois seres em separado. O unitarismo ensina que é só Jesus. Ao contrário, nós ensinamos que Jesus é também o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Três manifestações, porém, um só Deus”, semelhante ao que crêem os grupos Tabernáculo da Fé, Voz da Verdade e Igreja Local”.

Aniquilacionismo

De forma idêntica às testemunhas-de-jeová e aos adventistas do sétimo dia, são aniquilacionistas. Não crêem no inferno de fogo e chegam a afirmar: “Com respeito ao evangelho, quer dizer, às quatorze cartas que Paulo escreveu depois da cruz, nunca mencionou a palavra inferno, isto se deve ao fato de que o inferno não existe”.

Reencarnacionismo

Também acreditam na possibilidade da reencarnação: “Veja bem, a reencarnação é um recurso usado por Deus do jeito que Ele quer. Não é uma forma automática na vida do crente. É totalmente regulada por Deus”.

Preexistência dos espíritos

Semelhante à crença mórmon, acreditam na preexistência dos espíritos. Na verdade, acreditam que os anjos não são nada mais que espíritos sem corpos e os seres humanos, anjos com corpos. Referindo-se aos adeptos do grupo, dizem: “Os membros desta família sabem que existiam em condição de anjos antes da fundação do mundo”.

Adão como Satanás

Para eles, Adão foi Satanás encarnado. Ao morrer na cruz, Jesus aniquilou o pecado de Adão que seria a obra do diabo; ou seja, o diabo e o pecado não existem mais, foram aniquilados. “Deus depositou no primeiro homem o espírito de Satanás; ou seja, Adão era Satanás...”.

Deificação do homem

Assim como os localistas e os novaerenses, também acreditam que são deuses: “Você é um espírito criado por Deus à sua imagem e semelhança, porque Deus teve filhos, e Deus os chamou de deuses. Diga: SOMOS DEUSES...”.

Peculiaridades doutrinárias do MCG

Afirmam que existem dois evangelhos: um falso (o da circuncisão), pregado por Pedro e os demais apóstolos, e outro verdadeiro (o da incircuncisão), pregado por Paulo e agora por José Luiz de Jesus;

Fazem diferença entre Jesus de Nazaré e Jesus Cristo. Dizem: “É por isso que Paulo ensinava a servir àquele que ressuscitou e não a Jesus de Nazaré, que foi o corpo de Cristo (Rm 7.4). Em outras palavras, servir a Jesus Cristo ressuscitado é colocar-se depois da cruz e imitar a Jesus de Nazaré é colocar-se antes da cruz”. E mais: “O evangelho diz que, para darmos fruto para Deus, devemos ser do ressuscitado. Se você é de Jesus de Nazaré dá fruto, porém, para os homens, porque a doutrina de Jesus de Nazaré produz fé fingida”.

Tentam fazer uma antítese entre o evangelho pregado por Paulo e o evangelho pregado dos demais apóstolos, principalmente Pedro e João. Referindo-se a Pedro, afirmam: “Paulo profeticamente disse: ‘Com a minha partida, entrarão lobos vorazes que não perdoarão o rebanho’ (At 20.29). E mais: “Que antes da vinda do Senhor se manifestaria a apostasia, o iníquo (2Ts 2.4). Quem se opôs ao sacrifício de Jesus (Mt 16.21-23), quem se opôs ao evangelho de Paulo (Gl 2.11-14)? Pedro, o mesmo que deu a mão a Paulo em sinal de companheirismo e que, em seguida, Paulo repreendeu por ser hipócrita (Gl 2.9-14). Foi por isso que Paulo disse que o mistério da iniqüidade já estava em ação (Pedro), mas havia quem o deteria (Paulo), até que fosse tirado do meio (2Ts 2.7)”.

Referindo-se a João, afirmam, no mesmo fôlego: “Quando um crente é iluminado, ele entende que o diabo já não existe mais, que o pecado foi aniquilado, que está morto à lei, que foi Deus quem o escolheu antes da fundação do mundo, que é santo e está sem mancha diante do Senhor. Do contrário, ele chama esta revelação de blasfêmia, heresia. E mais, porque João não foi iluminado por esta palavra, ele chamou Paulo de anticristo, porque Paulo ensinava a não imitar a Jesus de Nazaré, mas a Jesus Cristo, o ressuscitado (Rm 7.4)”. Sustentam, ainda, que somente o apóstolo Paulo recebeu a revelação do evangelho da graça.

Segundo o MCG, as igrejas cristãs foram somente aquelas fundadas a partir do apóstolo Paulo. As demais, ainda na concepção deles, eram todas seitas judaicas, não tendo nada a ver com o evangelho de Cristo.

Não batizam, não tomam a santa ceia e não incentivam os membros ao arrependimento de pecados, pois entendem que tudo isso deve ser deixado de lado. Para que possam sustentar tal absurdo, argumentam que essas coisas são apenas rudimentos da doutrina de Cristo que ficaram para trás.

Neomarcionismo

Sem dúvida, o senhor José Luiz pretende reviver, com todo o vigor, as antigas heresias marcionitas. É o neomarcionismo redivivo em pleno século XXI.

Marcião foi um presbítero do século 2o que, no esforço de afastar e eliminar do cristianismo todos os elementos judaicos das Escrituras do Novo Testamento, com o objetivo de “desjudaizar” a religião cristã, elaborou uma depuração dos escritos neotestamentários. Rejeitou os evangelhos de Marcos, Mateus e João. Forjou seu próprio cânone com textos selecionados do evangelho de Lucas e das cartas paulinas, muitas delas mutiladas. Para ele, nenhum dos apóstolos havia entendido perfeitamente a doutrina de Jesus, com a exceção de Paulo. Por isso, Paulo, para Marcião, é o apóstolo por excelência, pois recebeu de Jesus, por revelação, o verdadeiro evangelho. Fazia, ainda, distinção entre o deus mau do Antigo Testamento com o deus bom do Novo Testamento.

Esses ensinamentos são hoje apregoados por José Luiz de Jesus, que os confirma com a seguinte declaração: “Você não pode conhecer a Deus na lei. Imagine você. Esse Deus do Antigo Testamento. Deus não é assim. Esse é um lado de Deus. Esse é o lado mau de Deus, porque Deus é bom e Deus é mau”.

É interessante que a semelhança entre os dois sistemas é idêntica até mesmo nos pormenores. É sabido que Marcião foi o primeiro a formular um cânon pessoal, enquanto o senhor José Luiz divide arbitrariamente a Palavra de Deus da seguinte forma: Escrituras (escritos do Antigo Testamento), História (os quatro evangelhos e o livro de Atos) e Evangelho (somente as epístolas paulinas, inclusive Hebreus).



Adão e Satanás são a mesma pessoa?


“Como caíste do céu [...] Como foste lançado por terra...” (Is 14.12-16).
Os adeptos do MCG acreditam que este texto aponta para Adão, o qual seria o próprio Satanás. Dizem que a palavra “cortado”, em certa tradução, está errada. O certo seria “foste formado”.

Resposta apologética

Antes de tecermos quaisquer comentários sobre isso, é bom lembrar que a Bíblia sempre compara Satanás com a antiga serpente, o dragão, o leão (2Co 11.3,14; Ap12.9; 20.2), mas nunca com Adão. A serpente é a mesma que tentou Adão e Eva (Gn 3). Portanto, a gênese da queda envolveu três personagens: Adão, Eva e a serpente, influenciada por Satanás. Outro fato que deve ser considerar é que o capítulo inteiro é uma continuação da profecia contra o império da Babilônia (Is 13.1; 14.4). Quem caiu foi o rei da Babilônia (Is 14.8), monarca que debilitava as nações (Is 14.12) e era soberbo (Is 13.19). A história nos relata que os reis babilônicos tinham todas essas características de grandeza (Dn 4.22); mas, por fim, foram abatidos (Cf. Is 14.23 com Is 47.10). O “homem” do qual fala o verso 16 não pode ser Adão, porque, em sua época, não havia reinos ou nações. Adão não tinha cidades e muito menos fazia pessoas cativas (v.17). Mas isso se encaixa perfeitamente com o rei da Babilônia, usado no texto como figura de Satanás.

Pedro foi inimigo de Paulo?

“... Mas há alguns que vos inquietam e querem transtornar o evangelho de Cristo” (Gl 1.6-8).

Declaram que este texto refere-se aos apóstolos, principalmente Pedro, que queriam perverter o evangelho de Paulo.

Resposta apologética

Certamente, o apóstolo Paulo está-se referindo à repreensão dada a Pedro em Gálatas 2.11. Mas daí construir uma aversão entre o evangelho de Paulo e o evangelho de Pedro é ser desonesto com o contexto bíblico, até porque este incidente foi tão irrelevante que Lucas não o menciona em seu livro: Atos dos Apóstolos. Havia, na igreja, muitos da circuncisão (At 10.45; 15.5). O próprio Pedro teve problemas com alguns deles (At 11.2). Este incidente, talvez, explique o receio na atitude de Pedro em Gálatas 2.12. O que Paulo condenava, ao que parece, era o fanatismo de alguns (Fl 3.2) e não o ministério da circuncisão que lhes fora confiado (Cl 4.11). Paulo chega a reconhecer os dois ministérios como sendo de procedência divina (Gl 2.7,8). Dois ministérios, mas um mesmo evangelho.

Paulo se submeteu à igreja-mãe, em Jerusalém (At 15.2,3.22), e quando menciona aqueles “que pareciam ser alguma coisa” (Gl 2.6), parece referi-se aos mesmos que se diziam da parte de Tiago (Gl 2.12), mas que não foram enviados por este (At 15.24). Paulo, depois do incidente com os da circuncisão em Antioquia, subiu a Jerusalém para decidir sobre essas questões teológicas com os apóstolos e obteve deles todo o apoio, inclusive o de Pedro (At 15. 23-29). Portanto, a censura de Paulo em Gálatas 1.6,7 não é dirigida aos apóstolos, mas aos da falsa circuncisão (Tt 1.10), dos quais Pedro também foi vítima.

Não ao batismo e ao arrependimento?

“... Deixando os rudimentos da doutrina de Cristo...” (Hb 6.1,2).

Acreditam que este texto os isenta do batismo e do arrependimento. O batismo seria um rudimento a ser abandonado de vez pelos cristãos.

Resposta apologética

Mal interpretado pelos adeptos do MCG, o texto em referência não diz o que eles afirmam dizer. O que o escritor está dizendo tem sua razão em Hebreus 5.12-14. Todos os itens alistados nos versos 1 e 2 são os passos iniciais de quem ainda é novo convertido. Em contrapartida, pelo tempo que já estavam no evangelho, deveriam ser mestres. Mas, metaforicamente, ainda estavam se alimentando com “leite”; ou seja, com as primeiras doutrinas cristãs, da necessidade de se arrependerem dos pecados, de se batizarem, de terem fé em Deus, de ouvirem falar que haverá um juízo final, etc., ensinamentos voltados aos novos convertidos e não aos cristãos amadurecidos na fé, no conhecimento e na graça de Deus. Em verdade, já estava na hora de tais cristãos irem além dessas doutrinas e prosseguirem para a maturidade (perfeição) espiritual, tendo em vista as tribulações que estavam passando.

O texto não desobriga nenhum cristão da observância do batismo e das outras doutrinas, antes, está alertando quanto o perigo de alguém estacionar naquilo que aprendeu. Se negarmos o batismo e o arrependimento, baseados nesse texto, teremos de negar também o juízo final, a fé em Deus e a ressurreição, coisas que os adeptos do MCG ainda crêem estarem em vigor.

Não existe mais pecado?

Pelo fato de não enfatizarem o arrependimento, acabam tolerando algumas práticas imorais. Dizem que não pecamos mais, porque Jesus destruiu nossos pecados de uma vez por todas (Hb 9.26).

Em resposta a uma pergunta relacionada à aceitação de homossexuais no MCG, e se os mesmos, vivendo na imoralidade, teriam a possibilidade de ser salvos, vejamos o que disseram: “Também é importante esclarecer que algumas manifestações carnais (bebedices, práticas homossexuais, iras, etc.) não podem, de maneira nenhuma, afetar a nossa posição em Cristo (Hb 10.14), tampouco afetar a nossa salvação: ‘Porque pela graça sois salvos, por meio da fé’ (Ef 2.8); as debilidades da carne não são tomadas em conta pelo Senhor, já que Ele vê o nosso crescimento espiritual e não a nossa atividade carnal”.

Resposta apologética

O apóstolo Paulo constantemente incentivava os crentes ao arrependimento (2Co 7.6-10). Além disso, a palavra aniquilar, athetesis, no texto grego em pauta, não quer dizer destruição. Ela vem de atheteo, que significa “pôr de lado”, “desprezar”, “negligenciar”, “opor-se à eficácia de alguma coisa”, “anular”, “tornar sem efeito”, “frustrar”, “rejeitar”, “recusar”, “fazer pouco caso”. De fato, Jesus anulou os nossos pecados na cruz, mas isto não quer dizer que o homem não peca mais e, por isso, não precisa de arrependimento. Isso não é verdade. O próprio Paulo reconhecia que era pecador (1Tm 1.15).

Considerações finais

Infelizmente, algumas questões não foi possível responder aqui. O emaranhado de desvios sustentados pelo MCG poderia nos render um livro sobre o grupo. Esgotar o assunto, porém, não foi o nosso objetivo. Como percebemos, o MCG não passa de mais uma seita (entre tantas outras) que está pregando outro evangelho com outro Jesus (2Co 11.4).
O que expusemos neste artigo é uma pequena parte das inúmeras heresias que o movimento propaga, porém, cremos que tal abordagem seja o suficiente para alertar os verdadeiros cristãos, para que não se deixem enganar por “estes ventos de doutrinas” (Ef 4.14), especialmente pela roupagem evangélica que a maioria das seitas apresenta.
Estejamos atentos e engajados na perseguição da graça e do conhecimento de Deus (2Pe 3.18). Esses elementos caminham juntos e é prejudicial à vida cristã privilegiar um em detrimento do outro. O exagero geralmente conduz ao erro. A verdadeira graça, tal como é pregada nas Escrituras, nos conduzirá ao conhecimento, e este, por sua vez, será a ferramenta que sempre utilizaremos para rejeitar toda e qualquer tentativa de distorção da graça divina.


Fontes de referência:

http://www.brazil.creciendoengracia.com
Desafio das seitas. Ano IV, nº 13 – 1º trim. 2000, p.12.
Desafio das seitas. Ano IV, nº 14 – 2º trim. 2000, p. 4.
Revista El Apostolado. Outubro/ 1998.


PAULO CRISTIANO
Presbitero da Igreja Evangélica Assembléia de Deus, professor de religiões, vice-presidente do CACP e escritor.

CACP

Related Posts with Thumbnails