Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Os ex Testemunhas de Jeová são “doentes mentais”, diz revista da própria religião


Os ex Testemunhas de Jeová são “doentes mentais”, diz revista da própria religião Na Grã-Bretanha, um artigo da edição de julho da The Watchtower, revista das Testemunhas de Jeová distribuída em todo o mundo, afirma que ex-fiéis são “doentes mentais”.
O artigos recomenda que os devotos devem evitar contato com os apóstatas assim como um médico pede para manter distância de pessoas “infectadas com doenças contagiosas, mortal”.
Afirma que o objetivo dos ex-fiéis é “infectar outras pessoas com seus ensinamentos desleais”.
Uma associação de ex-TJs apresentou queixa à polícia do condado de Hampshire, que está investigando se o artigo viola as leis que punem a discriminação religiosa.
Angus Robertson, um ex-ancião (pastor) da TJs, disse à polícia que é praxe da religião usar a Bíblia para intimidar os fiéis que ousam contestá-la.
Rick Fenton, porta-voz da religião, negou que os devotos não possam fazer contestações, mas afirmou que quem discordar dos ensinamentos da Bíblia tem o direito de “pedir licença” [se desligar das TJs]“.
No Brasil, o MPF (Ministério Público Federal) no Ceará está movendo ação civil pública contra as TJs sob a acusação de desunir famílias, afastando fiéis de seus parentes apóstatas. Na ação, consta que Sebastião Oliveira, após ter sido expulso das TJs, passou a ser evitado até pela sua irmã.

Publicado no Gospel+

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Líder de seita é acusado de oferecer cura de doenças em troca de sexo; veja o vídeo

Aldo Bertoni, de 85 anos, é líder da seita Apostólica, que tem mais de 200 sedes pelo Brasil e 25 mil seguidores. Os fiéis o veneram e acreditam que ela seja um enviado de Deus.
Mas essa devoção pode ter um fim. Mulheres tomaram coragem e resolveram denunciar Aldo.
O homem é acusado de se aproveitar da fé e do desespero para cometer abusos sexuais. As vítimas dizem que ele até oferecia a cura de doenças em troca de sexo.
O Ministério Público acompanha os passos do líder da Apostólica há dois anos. Os promotores vão apresentar nos próximos dias aos tribunais a denúncia e ele será enquadrado no crime de violação sexual mediante fraude.
A equipe da Record acompanhou o homem. Os encontros foram acompanhados pela reportagem, que ouviu as vítimas e as autoridades. O prédio fica no bairro do Tatuapé, zona leste de São Paulo. Lá funciona a matriz da seita chamada de apostólica, que reúne outros duzentos templos pelo Brasil e 25 mil seguidores.
Aldo construiu uma pequena fortaleza, vigiada 24 horas. Ele não conduz as cerimônias e aparece apenas para ser venerado. É a adoração de quem crê estar diante de um profeta, um vidente, uma divindade. As músicas cantadas no encontro servem para exaltar o próprio Aldo.
E é justamente essa devoção que ajuda a entender o que aconteceu a algumas mulheres ouvidas pela reportagem. Uma delas, que preferiu não se identificar, disse que foi falar com ele, “pedir a oração, pedir ajuda pra ele, pra pedir pelo meu marido, ai ele falou que “não”.
- Falou assim pra mim: “não, deixa ele morrer que aí pelo menos você fica pra mim”.
Com Claudete, o drama foi outro. Desesperada com a doença grave da filha pequena, procurou Aldo Bertoni em 2008.
- Eu queria falar com ele pra pedir oração, acreditava que ele podia interceder por nós.
Ela diz que entrou em uma sala pequena usada só para as reuniões particulares. Aldo, então, trancou a porta.
- Ele pegou e falou “e essa dorzinha que você sente aqui?” E já veio e colocou a mão no meu seio. Ai eu peguei e falei pra ele, “mas eu não sinto dor nenhuma no meu peito”, e ai ele falou: sente sim e foi ai que ele começou a me abraçar, me beijar pescoço, na boca, desceu a mão e começou a passar em mim. E ele falava assim “olha nos meus olhos, olha para os meus olhos. E ai fui ficando muito nervosa e não conseguia sair dele.
Ela disse ainda que Bertoni ameaçou até matar o marido dela.
- Ele fez a proposta para eu largar do meu marido, que ele ia me dar tudo. [Que eu] abandonasse tudo, que ele ia cuidar de mim.
Assustada, ela fugiu para nunca mais voltar.
- Eu dediquei 35 anos da minha vida a ele; precisava de ajuda espiritual, oração. Poxa vamos te ajudar… Ele quis abusar de mim, sabe…

Justiça
A promotora do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público) Sandra Rodrigues de Oliveira afirmou que muitas mulheres passaram “anos, anos se consumindo porque tinham tido uma relação sexual. Acreditavam que ele era um santo, mas algo ali, no inconsciente, ficava trabalhando, e muitos anos depois algumas conseguiram revelar para algum familiar”.
Uma outra vítima, que não quis se identificar porque o marido ainda não sabe dos detalhes do que aconteceu entre ela e Bertoni, afirmou que ele revelou sua intenção de ter uma relação com ela.
- Que eu estava com um problema no útero, que eu estava com câncer, que eu tinha uma doença e que ele precisava fazer isso, que eu ia ser curada.
Ela disse que acreditou estar mesmo doente e por isso os encontros continuaram. Em um deles, ele quis fazer sexo oral. Ela repete o que ele teria dito: “Se você tem problema, eu vou ter que fazer isso com você. Que eu vou soltar algo que vai te curar”.
O abuso foi tanto que ela desconfiou, fez um exame e não encontrou nada. Ela abandonou a seita, mas até hoje é perseguida pelas lembranças perturbadoras.

video
Veja o vídeo:
Notícias Cristãs com informações do R7

Related Posts with Thumbnails